Pequenas e comilonas

Você já viu que, quando algumas frutas ficam bem maduras, aparecem moscas miúdas voando por perto? As moscas-das-frutas, como são popularmente conhecidas, se alimentam de frutos podres ou que começam a apodrecer. É neles também que esses insetos se reproduzem.

As moscas-das-frutas são bem pequeninas, geralmente não passam de 3 milímetros de comprimento. Essas da foto estavam se alimentando de uma goiaba que tinha acabado de cair da goiabeira. (foto: Henrique C. Costa / CC BY-SA 2.0)

As moscas-das-frutas são bem pequeninas, geralmente não passam de 3 milímetros de comprimento. Essas da foto estavam se alimentando de uma goiaba que tinha acabado de cair da goiabeira. (foto: Henrique C. Costa / CC BY-SA 2.0)

Os cientistas chamam as moscas-das-frutas de Drosophila, palavra grega que significa “amante do orvalho” ou “amante do molhado”, justamente porque os alimentos dessas moscas são úmidos. Hoje, são conhecidas mais de mil espécies diferentes de Drosophila, mas a mais famosa é a Drosophila melanogaster. Seu nome quer dizer “barriga negra” em grego, por causa da cor do abdômen dos machos. Essa mosca, nativa da África, acabou sendo introduzida acidentalmente em quase todo o mundo.

A <i>Drosophila melanogaster</i> é uma das espécies de animais mais estudadas do mundo. Desde 1906, os cientistas de muitos países, inclusive do Brasil, usam as moscas desta espécie em pesquisas de genética. Esses estudos ajudam, por exemplo, a entender como funciona o DNA e como os filhos herdam as características dos seus pais. (foto: André Karwath / CC BY-SA 2.0)

A Drosophila melanogaster é uma das espécies de animais mais estudadas do mundo. Desde 1906, os cientistas de muitos países, inclusive do Brasil, usam as moscas desta espécie em pesquisas de genética. Esses estudos ajudam, por exemplo, a entender como funciona o DNA e como os filhos herdam as características dos seus pais. (foto: André Karwath / CC BY-SA 2.0)

Apesar do nome popular, nem toda Drosophila se alimenta de frutos apodrecendo. Algumas espécies gostam de flores, enquanto outras preferem cogumelos. Há ainda aquelas que comem cactos, umas que adoram madeira podre e outra, das ilhas caribenhas, que parasita caranguejos. E que tal cocô de morcego? Esse é o alimento de uma espécie que vive em cavernas brasileiras, a Drosophila eleonorae. Seu nome é uma homenagem a uma especialista em cavernas brasileiras, a bióloga Eleonora Trajano.

Três exemplos de espécies de <i>Drosophila do Brasil</i>. De cima para baixo, <i>D. gaucha</i>, <i>D. paranaensis</i> e <i>D. paulistorum</i>. (fotos: ANIC/BIO Photography Group, ANIC/Biodiversity Institute of Ontario / CC BY-NC-SA 3.0)

Três exemplos de espécies de Drosophila do Brasil. De cima para baixo, D. gaucha, D. paranaensis e D. paulistorum. (fotos: ANIC/BIO Photography Group, ANIC/Biodiversity Institute of Ontario / CC BY-NC-SA 3.0)

Por falar em homenagem, muitas espécies de Drosophila do Brasil ganharam o nome ou o sobrenome de pessoas relacionadas às pesquisas sobre elas. Por exemplo, Drosophila hermioneae, D. querubimae, D. rosinae, D. senei e D. vicentinae, homenagens a Hermione Bicudo, Maria Augusta Querubim, Rosina de Barros, Fábio Sene e Vicentina da Silveira – todos colegas de trabalho de Carlos Vilela, o pesquisador que descobriu essas espécies.

Há também algumas moscas-das-frutas cujo nome faz referência ao estado ou cidade onde foram descobertas. É o caso de Drosophila carioca, D. fluminensis, D. gaucha, D. pauliceia, D. paulistorum, D. sampa e D. paranaensis. Será que você adivinha de onde elas são?

Só no nosso país já foram registradas cerca de 200 espécies de Drosophila. Pode parecer muito, mas ainda há mais a se descobrir. Para você ter uma ideia, em um estudo feito no ano de 2004 em três matas de São Paulo, foram encontradas 72 espécies já conhecidas de Drosophila e mais 53 espécies possivelmente novas para a ciência! Agora, imagine quantas outras poderão ser descobertas se as muitas matas, campos, cerrados, caatingas e outros ambientes do nosso país forem investigados…

Matéria publicada em 06.02.2015

COMENTÁRIOS

  • clara

    que legal eu nao sabia que isistia 200 especies de drosophila

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • clara

    legal eu nao sabia que isistia 200 especies de drosophila

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

    • Carol

      e ne?!

      Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • Carol

    Uau! Como Elas Sao Incriveis!

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • Carol

    Uau! Que Top!

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • clara

    verdade

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • Carol

    noossa! como as drosophila sao emcriveis!

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • Carol

    .

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

  • fernanada

    e muito interessante saber que existem 200 especies de drosofila fernanada

    Publicado em 9 de novembro de 2020 Responder

    • clara

      verdad eu amei saber sobra as drosofilas

      Publicado em 10 de novembro de 2020 Responder

  • laura melhado

    meu deus, algumas das espécies comem coco de morcegos !

    Publicado em 10 de novembro de 2020 Responder

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!