O Jorge Amado da biologia

Quer conhecer um pouco mais sobre a vida e as obras de Jorge Amado? Acesse a página da Fundação Casa de Jorge Amado: http://www.jorgeamado.org.br/ (Foto: Wikimedia Commons)

No dia 10 de agosto de 1912 nasceu em Itabuna, no estado da Bahia, um menino que viria se tornar um dos mais famosos escritores brasileiros: Jorge Amado. Seus livros, que incluíam romances, poesias e contos infanto-juvenis, ganharam muitos prêmios, foram traduzidos para dezenas de línguas e adaptados para o rádio, teatro, cinema, televisão e até histórias em quadrinhos.

Homenagens, é claro, não faltam ao escritor baiano. Algumas cidades possuem ruas, avenidas e até escolas chamadas “Jorge Amado”. Mas não para por aí: existe até um bicho batizado com seu nome, o poliqueta Travisia amadoi. Mas o que é um poliqueta?!

Os poliquetas formam um grupo com mais de 10 mil espécies. São parentes próximos das minhocas, mas vivem na água, principalmente no mar. Uma de suas características mais marcantes é a presença de estruturas ao longo do corpo chamadas parapódios, que são utilizadas para locomoção e, em algumas espécies, para respiração. Junto a cada parapódio é comum haver várias cerdas que lembram pelos. São elas que dão nome ao grupo: em grego, Polychaeta quer dizer “muitas cerdas”.

Em junho de 1840, bem antes de Jorge Amado nascer, um jovem pesquisador escocês chamado Edward Forbes encontrou no litoral de seu país uma espécie de poliqueta diferente de todas as outras conhecidas. Ele levou o animal para que pudesse ser examinado pelo especialista George Johnston no Colégio Real de Cirurgiões de Edimburgo – pode soar esquisito, mas, naquele tempo, a biologia não era uma profissão reconhecida como é hoje, e aqueles que gostavam de pesquisar os seres vivos geralmente estudavam medicina primeiro.

Não há fotografias da Travisia amadoi (imagem superior), mas pode-se ter uma ideia de como ela é em vida observando a foto de uma espécie próxima, a Travisia forbesii, na imagem inferior (Desenho: Rodolfo Elias; Foto: Klas Malmberg)

Após examinar cuidadosamente o poliqueta trazido por Forbes, que lembrava “alguma coisa entre a minhoca-terrestre e a sanguessuga”, Johnston concluiu tratar-se não apenas de uma espécie nova, mas também de um gênero totalmente desconhecido. O especialista chamou o bicho de Travisia forbesii.

O nome genérico é uma homenagem a John Travis, um médico inglês que viveu no século 18 e que também era apaixonado por bichos e pela natureza em geral. Já o nome específico foi dedicado ao amigo Edward Forbes, que encontrou o curioso bicho.

De 1840 pra cá, quase 30 espécies de Travisia foram descobertas, vivendo em praias de diversos países. Em 2003, um grupo de cientistas apresentou uma nova espécie com apenas três centímetros de comprimento, encontrada nas areias do litoral da Argentina e do sul do Brasil. Ao batizá-la, homenagearam o escritor Jorge Amado, chamando-a Travisia amadoi.

Jorge Amado, eternamente lembrado por seus grandes livros, também terá seu nome para sempre presente entre os cientistas.

Matéria publicada em 03.08.2012

COMENTÁRIOS

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!