Quem ensina aprende duas vezes

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Ilustração Walter Vasconcelos

Aprender exige repetição e reforço para que possamos armazenar a informação passada. Pense só: quando aprendemos a andar de bicicleta, começamos com rodinhas; depois, seguimos sem elas até realmente estarmos prontos (e seguros!) para pedalar. Na escola não é diferente. Enquanto a professora ensina, ela vai repetindo informações das aulas anteriores e vai fazendo conexões entre os assuntos. Dessa forma, vamos fortalecendo a comunicação entre nossos neurônios, as células do cérebro! São eles que possibilitam que o aprendizado seja armazenado e os conteúdos aprendidos fiquem acessíveis em nossa memória para quando precisarmos usá-los.  Mas isso exige treino e repetição.

 


priscila
gfg

Priscilla Oliveira Silva Bomfim
Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências (NuPEDEN)
Universidade Federal Fluminense

Carolina Domingues Simões Martins
Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências (NuPEDEN)
Universidade Federal Fluminense

Sou uma pesquisadora apaixonada pelo cérebro e aqui vou conversar sobre a (neuro)ciência dos ditados populares.

Carolina Domingues, convidada da vez, é matemática e pós-graduanda em neurociências.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Bem lá no fundo do oceano

Segure o fôlego e mergulhe para descobrir o que há no mar profundo!

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil