Maxixe: é de comer ou de dançar?!

A cultura brasileira é tão rica que, de vez em quando, a gente revira o baú da nossa história e (re)descobre algo interessante. Esse é o caso do maxixe! Mas não do vegetal e, sim, do ritmo! É isso mesmo! Há pouco mais de 100 anos, o maxixe fez o Brasil dançar de maneira tão contagiante que se tornou conhecido até do outro lado do oceano! Topa ler e remexer?

Ilustração Mariana Massarani

Entre o final do século 19 e o começo do século 20, um ritmo animado para se dançar em par fazia o Brasil requebrar. O maxixe, de acordo com pesquisadores da nossa história, teria ligação com ritmos africanos. Talvez, por isso, tenha surgido próximo ao centro da cidade do Rio de Janeiro, em um bairro conhecido como Cidade Nova, onde moravam muitos negros descendentes de escravizados.

Juliana da Conceição Pereira
Programa de Pós-Graduação em História
Universidade Federal Fluminense

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil

Uma conversa sobre cobras gigantes

Anacondas ou sucuris são serpentes que podem chegar a alguns metros de comprimento, mas não tanto quanto nos filmes!