Filho de peixe, peixinho é

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Ilustração Marina Vasconcelos

“Ih, essa puxou ao pai: vai ser advogada”. “Nossa, ele cozinha igual à mãe”. Quem nunca ouviu frases parecidas com essa em conversas de família? É que nossos gestos, expressões, escolhas e atos, algumas vezes, se misturam aos de nossos pais, quase como se fosse um espelho. Então, esse ditado “filho de peixe, peixinho é” tem relação com o aprendizado social, com um sistema de neurônios que tem como função principal imitar. Os filhos aprendem não somente gestos, mas também intenções e emoções. Não é à toa que às vezes nos pegamos agindo como nossos pais ou como aqueles dos quais somos mais próximos.

 


priscila
xsasds

Priscilla Oliveira Silva Bomfim
Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências (NuPEDEN)
Universidade Federal Fluminense

Bruna Velasques
Laboratório de Neurofisiologia e Neuropsicologia da Atenção
Universidade Federal do Rio de Janeiro

“Sou uma pesquisadora apaixonada pelo cérebro e aqui vamos conversar sobre a (neuro) ciência dos ditados populares”.

Bruna Velasques, convidada da vez, é psicóloga, neurocientista e parceira do NuPEDEN.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Bem lá no fundo do oceano

Segure o fôlego e mergulhe para descobrir o que há no mar profundo!

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil