Araras e papagaios no deserto?

Múmias de aves de florestas e savanas foram encontradas no lugar mais seco do mundo

Araras, papagaios e periquitos são aves coloridas e vistosas que geralmente vivem em florestas e savanas. Mas cientistas encontraram múmias – isso mesmo, múmias! – desses animais no deserto mais seco do mundo, o Atacama, no Chile. Como e por que será que essas aves chegaram lá?

Embora a maior parte do Atacama, como todo deserto, seja muito quente e árida, existem áreas com nascentes de água, chamadas oásis, onde diferentes povos humanos viveram ao longo de milhares de anos. Hoje, alguns desses locais são sítios arqueológicos, onde cientistas fazem escavações para entender mais sobre a vida dessas comunidades do passado. E foi lá que as múmias de araras, papagaios e periquitos – os psitacídeos – foram encontradas.

Talvez você já tenha ouvido falar das famosas múmias do Egito antigo, mas diversos povos do mundo conservavam corpos de humanos e até de animais com um método chamado mumificação. A maioria das múmias de psitacídeos do Atacama foi preparada para funerais e enterrada com alguém importante que havia morrido. Além disso, as penas coloridas dessas aves, especialmente as da arara-macau, eram apreciadas pelos povos do deserto e usadas para decorar flechas, chapéus, cocares e outros itens.

Múmias de araras, papagaios e periquitos com centenas de anos encontradas no deserto Atacama
Crédito: José M. Capriles e colaboradores (2021) / PNAS

 

Com uma técnica chamada datação por carbono 14 – que permite calcular a idade de restos que um dia foram de seres vivos – foi possível saber que as múmias eram dos anos 1100 a 1450. Nessa época, eram comuns naquela região caravanas de comércio entre comunidades distantes, usando como animal de carga a lhama, parente distante dos camelos. Entre as mercadorias comercializadas estavam os psitacídeos, trazidos de bem longe, provavelmente das florestas e savanas da Bolívia, que ficam a mais de 500 quilômetros a nordeste do Atacama.

Quem diria que, para solucionar o mistério das múmias de araras, papagaios e periquitos no deserto, cientistas precisariam juntar biologia, história e química. Como diz o ditado: a união faz a força!


henrique-caldeira

Henrique Caldeira Costa,
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Juiz de Fora

Sou biólogo e muito curioso. Desde criança tenho interesse em pesquisar os seres vivos, especialmente o mundo animal. Vamos fazer descobertas incríveis aqui!

Matéria publicada em 01.07.2022

COMENTÁRIOS

  • Aylla da Rocha Lima

    oi chc eu gostaria de saber como os biologos fariam a mumificaçao dos passaros mortos no sertao da bahia devido ser uma regiao muito seca com mortes de muitos passaros devido a falata de agua

    Publicado em 14 de julho de 2022 Responder

  • Maria Luísa Barros Figueiredo

    Olá, pessoal da chc! Achei muito interessante a reportagem sobre a questão sobre as araras, papagaios e periquitos. Mas também fiquei em dúvida porque esses maravilhosos

    Publicado em 14 de agosto de 2022 Responder

CONTEÚDO RELACIONADO

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil

Uma conversa sobre cobras gigantes

Anacondas ou sucuris são serpentes que podem chegar a alguns metros de comprimento, mas não tanto quanto nos filmes!