COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/uma-ajuda-dos-urubus/

Uma ajuda dos urubus

No Peru, aves foram equipadas com câmeras e GPS para monitorar locais de despejo de lixo

Notícias - 26-02-2016 Bichos Imprimir Pdf

Para muitos de nós, os urubus sinalizam mau agouro ou – diz a tradição! – que vai chover no dia seguinte. Mas cientistas da Universidade Nacional Maior de San Marcos, no Peru, veem nesses animais possíveis aliados na fiscalização do despejo clandestino de lixo. Por isso, têm utilizado os urubus para localizar lixões na cidade de Lima, capital do país.

O projeto está baseado numa característica do comportamento dessas aves: para buscar alimento nas grandes cidades, elas costumam se aproximar de regiões onde há muito lixo acumulado. Essa foi uma forma de os urubus se adaptarem ao ambiente urbano, conta o biólogo Weber Novaes, da WGN Consultoria Ambiental. “Na natureza, os urubus se alimentam de matéria orgânica em decomposição, e o lixo que o ser humano produz acaba se tornando algo próximo disso em seu novo habitat”, justifica.

Equipados com câmeras e aparelhos de GPS, urubus-de-cabeça-preta voam até 200 quilômetros por dia e ajudam cientistas de Lima a encontrar lixões (foto: Hans Hillewaert/Wikimedia CC-BY-SA-4.0)

Equipados com câmeras e aparelhos de GPS, urubus-de-cabeça-preta voam até 200 quilômetros por dia e ajudam cientistas de Lima a encontrar lixões (foto: Hans Hillewaert/Wikimedia CC-BY-SA-4.0)

Outro fator importante para a escolha desses animais foi a grande distância percorrida em seus voos diários. “Sem bater asas, por se aproveitar das correntes de ar, o urubu pode voar até 200 quilômetros por dia e nem gasta muita energia”, afirma Weber. São os ajudantes de que os cientistas estavam precisando!

Os pesquisadores decidiram, então, equipar urubus-de-cabeça-preta (Coragyps atratus), comuns na região, com câmeras e aparelhos de GPS. Quando eles voam atrás de comida, os pesquisadores observam as imagens captadas pela câmera e usam o GPS para localizar o ponto da cidade onde existe acúmulo de lixo.

A campanha recebeu o nome de Gallinazo Avisa (que quer dizer “Urubu Avisa”, em espanhol) e tem como objetivo, além de localizar os lixões, conscientizar os moradores sobre como o despejo incorreto do lixo pode causar danos ambientais e à saúde da população.

No Brasil, segundo Weber, poucos pesquisadores estudam os urubus. Mas conhecer a fundo esses animais poderia ser muito útil! O cientista contou à CHC que entender melhor a movimentação das aves nas cidades poderia evitar uma série de acidentes nos aeroportos brasileiros.

João Paulo Rossini, estagiário do Instituto Ciência Hoje/ RJ
Gosto de ler e escrever desde pequeno. Daí surgiu a vontade de conhecer e contar novas histórias.

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. renna chato disse:

    legal

  2. rean disse:

    adoramos sua pesquisas importantes uma boa tarde

  3. Colégio Photon - 3ano disse:

    Nós do 3 ano B achamos muito interessante esse assunto, não sabíamos que era possível colocar câmeras em urubus e assim ver os lugares onde existem muito lixo e que eles voam tanto assim. Esperamos que esse texto crie asas e se espalhe por muitas cidades.

  4. Daniel Alves de Almeida disse:

    Copiam tanta titica de outros países; Tai uma matéria realmente ultil, essa sim convém copiar.


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • A anta, o carbono, o clima

    Você pensa que uma coisa não tem a ver com as outras? Está enganado! E vou explicar por quê…

    A anta é um animal de grande porte, capaz de dispersar grandes sementes e, assim, ajudar na renovação das árvores de madeira dura da mata atlântica. (foto: Mauro Galetti)
  • Saíra ameaçada

    Espécie existe somente no Espírito Santo e corre risco de extinção – daí a importância de criar uma área de proteção do seu hábitat

    Saíra-apunhalada ((i)Nemosia rourei(/i)): o nome popular, dramático, faz referência à mancha vermelha que o pássaro possui do bico até o peito, e que lembra sangue escorrendo de um ferimento. (foto: Gustavo Magnago)
  • Entregues pelo voo

    Pesquisadores da Universidade de São Paulo encontram forma de descobrir a espécie de um inseto apenas pelo movimento de suas asas

    O método desenvolvido pelos pesquisadores consegue identificar a espécie do inseto com base nas suas características de voo. (Foto: nutmeg66 / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0)CC BY-NC-ND 2.0(/a))
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail