Pequeno gigante

Parece até piada chamar um bicho de oito metros de comprimento de pequeno. Mas, se comparado aos outros dinossauros de seu grupo, o Brasilotitan nemophagus era mesmo um dos menores.

Reconstituição do <i>Brasilotitan nemophagus</i> (Ilustração: Rodolfo Nogueira)

Reconstituição do Brasilotitan nemophagus (Ilustração: Rodolfo Nogueira)

“Ele era pequeno para um titanossauro”, conta Alexander Kellner, paleontólogo do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e um dos responsáveis pela descrição do animal. “Seus parentes eram alguns dos maiores animais que já caminharam na Terra”, completa. O Futalognkosaurus, por exemplo, tinha mais de 30 metros de comprimento!

Voltando ao nosso pequenino: B. nemophagus viveu durante o período Cretáceo Superior, entre 80 e 90 milhões de anos atrás. Os primeiros fósseis desse dinossauro foram descobertos em 2000, na cidade de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, mas somente agora o animal foi descrito como de uma nova espécie.

“Geralmente, até ser publicado, um fóssil passa por várias etapas: coleta, remoção de rocha, estudo dos ossos… Por isso, leva um bom tempo até que o achado seja apresentado para o público”, explica a paleontóloga Elaine Machado, doutoranda do Museu Nacional.

<i>Brasilotitan nemophagus</i> tinha mandíbula quadrada – uma característica rara entre os titanossauros (Foto: Elaine Machado)

Brasilotitan nemophagus tinha mandíbula quadrada – uma característica rara entre os titanossauros (Foto: Elaine Machado)

O fóssil usado para descrever a espécie era um adulto que, provavelmente, foi atacado por outro bicho. “Encontramos marcas de mordidas em alguns ossos, o que indica que o animal foi vítima de predadores”, revela a cientista.

Como todo titanossauro, o B. nemophagus era herbívoro e tinha um enorme pescoço que o ajudava a se alimentar das folhas dos topos das árvores. Daí o nome nemophagus, que pode ser traduzido como “aquele que se alimenta de vegetação”.

Matéria publicada em 04.09.2013

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Que coisa irônica!

    Publicado em 8 de junho de 2019 Responder

Envie um comentário

Fernanda Turino

Sempre fui muito curiosa, adorava brincadeiras ao ar livre e acampar (fui até escoteira!). Cresci lendo a CHC e hoje trabalho aqui.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat