Gigante do Tocantins

Atualmente, o tatu-canastra é a maior espécie de tatu do mundo — ele pode medir um metro de comprimento e pesar 40 quilos. Mas, se você acha isso muito, saiba que, por volta de 15 mil anos atrás, existiam tatus ainda maiores, que podiam medir três metros e pesar 100 quilos! Alguns exemplares fósseis já foram encontrados e, agora, pesquisadores anunciam a descoberta de uma nova espécie de tatu gigante, uma das maiores até agora.

Paleontólogos trabalham em caverna

A descoberta foi feita numa caverna no Tocantins (Foto: Laboratório de Mastozoologia / Unirio)

Paleontólogos encontraram um fóssil bem completo em uma caverna no Tocantins. Ele conservava o crânio e grande parte da carapaça, além de outros ossos longos. “Era como se tivesse morrido ontem”, comemora Leonardo Avilla, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, que coordenou a descoberta. Como os ossos do crânio do tatu ainda não estavam totalmente unidos, Leonardo acredita que ele possa ter morrido ainda dentro da barriga da mãe – um mistério ainda por resolver.

Os pesquisadores calculam que o animal encontrado, que era um filhote, devia medir 2,5 metros e pesar entre 80 e 100 quilos. Imagina o tamanhão do bicho adulto! Porém, sem um fóssil do tatu em idade mais avançada, fica difícil saber ao certo qual seria seu tamanho.

Os tatus gigantes da pré-história eram grandes e assustadores, mas se alimentavam apenas de pasto (Ilustração: Jorge Blanco)

A nova espécie faz parte do grupo dos Pampatérios, que, em bom português, significa “besta dos pampas” – um conjunto de espécies de tatus gigantes que, apesar do nome e do tamanho assustadores, se alimentavam apenas de pasto. Esse grupo se espalhou por toda América, desde a América do Norte até a Patagônia, no sul da Argentina e do Chile.

“Por enquanto, só encontramos essa espécie em Aurora (TO). Porém, acreditamos que ela possa ter existido também em outras regiões do Brasil”, completa Leonardo.

Matéria publicada em 05.06.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

LucasConrado

Já quis ser astronauta, cientista, astrônomo e biólogo. Sempre gostei muito de ler sobre ciência e hoje adoro escrever sobre isso!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat