COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/de-olho-nos-ninhos-de-harpias/

De olho nos ninhos de harpias

Conheça as armadilhas fotográficas, equipamentos que revelam o dia a dia dos animais silvestres.

Notícias - 19-06-2017 Bichos Imprimir Pdf

Um equipamento que permite observar bem de perto a vida dos animais na floresta sem ter que interferir no comportamento deles. Com as armadilhas fotográficas não é necessário pegar o animal, apenas imagens ou vídeos são coletados. Superlegal, não é?

Este método é bastante eficiente, mesmo quando os registros precisam ser feitos em lugares muito altos ou escondidos. As espécies são registradas por meio da fotografia ou filmagens, aumentando a confiabilidade do registro. As fotos e imagens são capturadas de dia ou de noite, pois o equipamento pode ser programado para funcionar 24 horas.

Um escalador se movimenta em uma árvore com um ninho de harpia para instalar uma armadilha fotográfica. (foto: Francisca Helena Aguiar-Silva)

Um escalador se movimenta em uma árvore com um ninho de harpia para instalar uma armadilha fotográfica. (foto: Francisca Helena Aguiar-Silva)

 

A armadilha

A armadilha fotográfica, na verdade, é uma caixa, que contém um sistema de sensores que capturam o movimento e o calor para fotografar e armazenar imagens em um cartão de memória.

O primeiro registro desse tipo de técnica de que se tem notícia aconteceu no início do século 19, quando um fotógrafo curioso chamado George Shiras, lá pelos anos de 1890, instalou fios camuflados e uma lâmpada de flash, acoplada a câmera fotográfica da época, para capturar as fotos de animais durante a noite. O próprio animal disparava a câmera e o flash quando esbarrava nos fios estendidos na floresta; por isso, o equipamento ganhou o nome de armadilha fotográfica. O uso dessas armadilhas por cientistas começou em 1920, por Frank Chapman na ilha de Barro Colorado, no Panamá, quando tentava registrar mamíferos terrestres raros de serem observados.

Tamanduá-mirim flagrado por uma armadilha fotográfica comendo formigas em um ninho de harpia. (foto: Aguiar-Silva 2016)

Tamanduá-mirim flagrado por uma armadilha fotográfica comendo formigas em um ninho de harpia. (foto: Aguiar-Silva 2016)

 

No alto dos ninhos

Registrar o que acontece em um ninho de harpia não é tarefa fácil. Este gavião constrói seus ninhos nas árvores que chamamos de emergentes (aquelas que crescem mais de 40 metros de altura na Amazônia). Eles ficam localizados no ramo principal da árvore, em média a 32 metros de altura. Acessar estes ninhos para instalar armadilhas fotográficas é um dos maiores desafios no estudo da harpia. Para isso, precisamos de um especialista em escalar árvores com equipamentos de segurança e habilidades para se movimentar na árvore e instalar o equipamento.

Subir na árvore para instalar a armadilha fotográfica é tarefa para profissionais, pois os ninhos de harpia ficam em média a 32 metros de altura. (foto: Francisca Helena Aguiar-Silva)

Subir na árvore para instalar a armadilha fotográfica é tarefa para profissionais, pois os ninhos de harpia ficam em média a 32 metros de altura. (foto: Francisca Helena Aguiar-Silva)

De 2012 a 2016, as armadilhas fotográficas funcionaram em 10 ninhos de harpia, capturando imagens do que acontecia no ninho. A análise dos dados coletados com esta técnica forneceu informações valiosas sobre como a espécie se reproduz, constrói seus ninhos e cuida dos filhotes até eles poderem voar sozinhos e irem embora. As armadilhas fotográficas estavam equipadas com um detector de movimento para registrar continuamente a atividade da harpia no ninho, inclusive no período noturno.

Urubu-rei comendo restos de uma preguiça trazida pela harpia para o ninho para alimentar seu filhote. (foto: Aguiar-Silva 2016)

Urubu-rei comendo restos de uma preguiça trazida pela harpia para o ninho para alimentar seu filhote. (foto: Aguiar-Silva 2016)

Além do comportamento da harpia no ninho, durante as primeiras análises, 21 espécies de aves e mamíferos foram fotografadas quando pousavam ou subiam no ninho da ave. Entre as espécies registradas, podemos destacar o tamanduá-mirim, a irara, o macaco-prego, outros gaviões e tucanos. Algumas destas espécies servem também de alimento para a harpia, mas somente o macaco-prego virou refeição quando passou em um dos ninhos da harpia, e foi registrado em fotos pela armadilha fotográfica.

Macaco-prego buscando alimento no ninho da harpia. Mas foi ele que acabou virando refeição! (foto: Aguiar-Silva 2016)

Macaco-prego buscando alimento no ninho da harpia. Mas foi ele que acabou virando refeição! (foto: Aguiar-Silva 2016)

 

24 horas em foco

Essas câmeras funcionaram durante 24 horas por dia e não perturbaram a reprodução e criação dos filhotes nos ninhos de harpias estudados. Com o uso dessa técnica, os pesquisadores puderam obter informações sobre o comportamento da harpia para observar o que acontece no entorno dos ninhos e identificar ameaças à sua reprodução. Assim, eles podem sugerir ações para preservar esses gaviões.

 

Francisca Helena Aguiar-Silva, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Detetives de pegadas

    Aprenda a fazer uma armadilha para registrar pegadas de animais e descobrir quem são eles!

    As pegadas dos animais são pistas confiáveis de sua passagem por um local. (foto: Diogo Loretto)
  • O atobá-marrom e o lixo

    Sobras de plásticos e outros objetos que não são descartados corretamente podem fazer muito mal às aves marinhas.

    Atobá-marrom fêmea: o lixo dos oceanos é um grande perigo para a espécie. (foto: Davi C. Tavares)
  • De olho na toca

    Conheça o projeto que pesquisa o maior tatu do mundo

    1-Priodontes maximus - Tatu canastra - Joel Strong thumb
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail