De férias na areia

Belas praias tropicais e porções de floresta, cerrado e mangue: assim é a paisagem do estado do Maranhão, onde está o único deserto do mundo com milhares de lagoas de água cristalina. A região, conhecida como Lençóis Maranhenses, atrai não só os turistas, mas também uma grande variedade de espécies animais. Tartarugas, por exemplo, são grandes frequentadoras, e fazem dos Lençóis o local favorito na hora de terem seus filhotes.

A jurará, também chamada de muçuâ, é uma tartaruga que gosta de se enterrar na lama em épocas de seca. Por isso, geralmente é encontrada em regiões de poças e brejos do Maranhão (Foto: Queamar)

A jurará, também chamada de muçuâ, é uma tartaruga que gosta de se enterrar na lama em épocas de seca. Por isso, geralmente é encontrada em regiões de poças e brejos do Maranhão (Foto: Queamar)

Para entender melhor os hábitos das tartarugas que passam pelos Lençóis e por outras regiões próximas, como a Ilha de Curupu, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão acompanha de perto essas visitas. A bióloga Larissa Barreto, coordenadora do projeto, conta que a pesquisa é realizada em cinco regiões diferentes espalhadas pelo litoral e interior do estado. “As tartarugas marinhas e de água doce são encontradas em diversos tipos de habitats, incluindo lagoas, rios, marés e dunas. Por isso, desenvolvemos pesquisas em diferentes localidades”, explica.

Entre as espécies de tartarugas mais frequentes na região costeira do estado, Larissa destaca o jurará (Kinosternon scorpioides) e a pininga (Trachemys adiutrix), de água doce. “Além disso, todas as cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil já foram encontradas no Maranhão”, completa.

A pininga é uma espécie semi-aquática que tem preferência pelas regiões de dunas ricas em vegetação, como os Lençóis Maranhenses. Ela tem o hábito de se enterrar na areia e sair na época de chuvas (Foto: Queamar)

A pininga é uma espécie semi-aquática que tem preferência pelas regiões de dunas ricas em vegetação, como os Lençóis Maranhenses. Ela tem o hábito de se enterrar na areia e sair na época de chuvas (Foto: Queamar)

O trabalho dos cientistas com as tartarugas de água doce inclui monitorar as populações de bichos e seus hábitos alimentares. “A maioria come carne de peixes e crustáceos quando jovem. Já na idade adulta, as tartarugas se tornam preferencialmente herbívoras”, revela a coordenadora.

Segundo Larissa, o projeto observou que a principal ameaça às tartarugas é a poluição de seu habitat natural, seguida da captura de animais. As espécies marinhas são as mais ameaçadas, principalmente por redes de pesca.

Matéria publicada em 09.07.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Camille-Dornelles

Quando criança, gostava de fazer experimentos dentro de casa e explorar o mundo. Hoje, na CHC, me sinto brincando de cientista e trabalhando como jornalista ao mesmo tempo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat