Companheiro de todos os dias

Aproveite a chegada de 2009 para conhecer a história do calendário!
Adeus, ano velho. Feliz ano novo! Com a chegada de 2009, é hora de substituir o calendário. Pela frente, mais uma vez, teremos 365 dias. Mas antes que você comece a pensar em tudo o que pode fazer no ano que se inicia, que tal voltar seus olhos para o passado e conhecer a história do calendário, esse instrumento fundamental para registrar a passagem dos dias?

As origens do calendário atual estão na Roma Antiga. Há 2743 anos, o imperador Rômulo propôs o primeiro calendário romano, que usava as fases da Lua como referência para a contagem do tempo. Ele batizou o primeiro mês de “martius”, o segundo de “aprilis”, o terceiro de “maius” e o quarto de “junius” – daí porque hoje, em nosso calendário, há os meses de março, abril, maio e junho. Os outros meses foram simplesmente contados em latim, recebendo o nome de “quintilis”, “sextilis”, “septembre”, “octobre”, “novembre” e “decembre”.

“O calendário proposto por Rômulo, porém, era bastante estranho: apresentava apenas dez meses – o correspondente a 304 dias – e não incluía os 61 dias correspondentes ao período de inverno. O calendário acabava sem que o ano houvesse terminado de fato”, conta o astrônomo Alexandre Cherman, da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro.

Os últimos serão os primeiros

Se os meses de março, abril, maio e junho nasceram com Rômulo, foi com outro imperador romano, Numa, que surgiram os meses de janeiro e fevereiro. Há cerca de 2708 anos, ele criou “februarius” e “januarius”. Mas esses meses não eram os primeiros e, sim, os últimos. Ao criá-los, o imperador fez com que o seu calendário – o primeiro a apresentar 365 dias – usasse o Sol – e não as fases da Lua – como referência para registrar a passagem dos dias.

Após o reinado de Numa, passaram-se aproximadamente 700 anos. Roma deixou de ser uma monarquia e se transformou em uma república. Seus senadores, porém, costumavam alterar o calendário para obter vantagens. Criavam meses, por exemplo, para ficar mais tempo no poder. Se isso não fosse suficiente para criar uma bagunça e tanto com relação à contagem do tempo, havia ainda o fato de que, conforme havia sido descoberto, o ano não tinha somente 365 dias, mas 365 dias e seis horas. Algo que não foi contabilizado ao longo de quase sete séculos!

Por essas duas razões, quando o imperador Júlio César assumiu o trono, há 2051 anos, o calendário estava totalmente errado e desligado dos eventos da natureza. Para você ter uma idéia do que isso significa, era como se as pessoas olhassem para ele e soubessem que estavam em um mês de inverno, mas, lá fora, o calor fosse de verão. “Por isso, quando Júlio César tomou o poder, criou três meses extras, fazendo com que o ano 43 antes de Cristo tivesse mais de 400 dias”, conta Alexandre Cherman. “O tirano também adiantou o mês de janeiro, que passou a ser o primeiro, e criou a regra do ano bissexto. Segundo ela, de quatro em quatro anos, haveria um dia extra no ano.”

Pequenas grandes mudanças

Depois da morte de Júlio César, as mudanças no calendário prosseguiram. O senado, por exemplo, fez uma homenagem ao imperador: rebatizou o mês “quintilis” de “julius”. Além disso, tirou um dia de fevereiro, que ficou com 29, para deixar julho com 31. Tempos depois, o imperador César Augusto também trocou o nome do mês “sextilis” para “augustus” em sua própria homenagem. Decidiu-se, porém, que esse mês não poderia ter menos dias do que o dedicado a Júlio César. Um dia de “februarius” foi, então, transferido para “augustus” — por isso, aliás, é que fevereiro, hoje, tem 28 dias (ou 29 em anos bissextos). Para evitar que houvesse três meses seguidos com 31 dias, o total de dias dos meses de “septembre” e “decembre” foi trocado: setembro e novembro ficaram com 30 dias, outubro e dezembro com 31.

Mas não é que, séculos depois, descobriu-se que o ano não tinha 365 dias e seis horas, mas 365 dias, cinco horas, 48 minutos e alguns segundos? Pois é! A diferença, aparentemente pequena, ao longo de 1.600 anos passou a ter um peso enorme! E, desta vez, quem ficou com a tarefa de mudar o calendário foi o papa Gregório 13. Por que justamente um religioso? “A celebração da páscoa, uma data importante para os cristãos, depende do calendário e, como ele estava errado, o cálculo da páscoa também estava incorreto”, explica Alexandre Cherman. Para resolver esse problema, no século 16, além de suprimir dez dias do calendário em vigor na época, Gregório 13 reformulou a regra do ano bissexto. Segundo ela, os anos seculares – os terminados em zero zero – não devem ter um dia a mais, a não ser que sejam múltiplos de 400, como o ano 2000 (afinal, 400 X 5 = 2000).

Com a reforma feita por Gregório 13, o calendário tomou a forma que conhecemos atualmente. Agora que você sabe um pouco da sua história, conte aí: o que pretende fazer com cada um dos dias que ele reserva a você nesse ano que agora começa?

Matéria publicada em 29.12.2008

COMENTÁRIOS

  • Eduarda Duarte

    Oi CHC,
    Eu sou a Eduarda ,tenho 7 anos estudo no Colégio Unimor.
    Eu gostei da parte que o Augusto colocou o nome dele em um mês e aumentou 1 dia para ficar igual o mês de julho,que homenageava o Júlio César.
    Abraços, Duda

    Publicado em 11 de agosto de 2020 Responder

  • Catarina Schaikoski menk

    Oie achei legal minha parte favorita foi essa também

    Publicado em 11 de março de 2021 Responder

  • Maria Lais

    Estudar, passear, assistir TV e celular, brincar, desenhar, comer, beber refrigerante, tomar sorvete, viajar pra praia, viajar pra cachoeira, ir pra piscina, dormir abraçada com mamãe, fazer a cabaninha de lençóis, ….

    Publicado em 15 de março de 2021 Responder

Responder Cancelar resposta

Mara Figueira

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat