Um enigma que veio do Egito Antigo

Quem aí já tentou ler um texto escrito em uma língua desconhecida? A sensação é esquisita, não é? Saber que ali há algo dito, mas não conseguir entender… Agora imagine estar diante de uma língua que você não conhece e que ainda tem letras aparentemente indecifráveis! Pois este é o caso dos hieróglifos, linguagem que os egípcios antigos utilizavam para registro de sua história. Com o fim da civilização do Egito Antigo, não sobrou ninguém que soubesse ler hieróglifos. Imagine, então, como os estudiosos deviam ficar curiosos! Já haviam sido encontrados vários documentos, objetos e até túmulos com sinais que eles sabiam conter varias informações sobre a vida no Egito Antigo, mas ninguém sabia seus significados.

Você consegue imaginar o que está escrito aí? Durante décadas, os cientistas também não faziam a menor ideia (foto: Eisabeth Skene/Creative Commons).

Tudo mudou com a descoberta da Pedra da Roseta, um dos achados mais importantes de todos os tempos. Ela foi descoberta em 1799 por uma expedição do imperador francês Napoleão Bonaparte, que pretendia conquistar o Egito. A Pedra da Roseta é um bloco de pedra com três colunas de texto escrito em três línguas diferentes: grego, hieróglifo e demótico (uma espécie de hieróglifo simplificado, usado no dia a dia).

A Pedra de Roseta, em exposição no Museu Britânico (foto: Hans Hillewaert/Creative Commons).

Imediatamente, os estudiosos perceberam que estavam diante de uma tradução, e que, se conseguissem ler o texto em grego, conseguiriam descobrir o significado dos hieróglifos! Sabe como é cientista quando se vê diante de um desafio, não é? Imagine, então, quando este desafio envolve um segredo de 1400 anos e, ainda mais, uma competição entre quem seria o primeiro a conseguir realizar a façanha!

A corrida pela tradução da Pedra da Roseta começou imediatamente, mesmo depois que ela mudou de mãos e foi parar com os ingleses. Estudiosos ingleses e franceses se debruçavam sobre os textos dia apos dia, mas o trabalho era lento. E muito difícil. Finalmente, mais de vinte anos depois da descoberta, os hieróglifos começaram a ser decifrados. Virou moda estudar a língua dos antigos egípcios, e até D. Pedro II, imperador do Brasil, viajou até o Egito para estudar e trazer múmias para o Rio de Janeiro.


Que tal tentar você mesmo se aventurar pelos segredos dos hieróglifos? A Pedra da Roseta está hoje exposta no Museu Britânico de Londres. É um pouco longe, mas você pode conhecê-la visitando a página na internet do museu. Se viver no Rio de Janeiro, também pode conhecer as maravilhas da coleção egípcia do Museu Nacional. É um ótimo programa para as férias!

Matéria publicada em 31.12.2010

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Uau,essa pedra era muito misteriosa mesmo!

    Publicado em 25 de agosto de 2018 Responder

  • pedro

    legal

    Publicado em 13 de agosto de 2020 Responder

Envie um comentário

Keila Grinberg

Quando criança, gostava de visitar a Biblioteca Nacional, colecionar jornais antigos e ouvir histórias da época de seus avós. Não deu outra: hoje é historiadora e escreve para a coluna Máquina do tempo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat