Pimentas saltitantes

Pimenta-dedo-de-moça, pimenta-malagueta, pimenta-biquinho, pimenta-do-reino… Existem pimentas de várias cores, sabores e ardores, ótimas para dar um gostinho especial na comida. Mas… Rã-pimenta, você já viu?

Rãs-pimenta

Estas são algumas espécies conhecidas como rã-pimenta. “Rã” é uma palavra em português que tem origem em rana, nome dado a esses animais em latim. Por sua vez, rana parece ter surgido a partir de ranah, uma palavra da língua dos hebreus, que significa “coaxar”. Já “pimenta” também tem origem em uma palavra do latim: pigmentum , que quer dizer pigmento, porque as pimentas davam um toque de cor a alimentos e bebidas.

As rãs-pimenta possuem um “tempero natural” nada agradável de sentir, mas excelente para evitar predadores: sua pele produz substâncias que, em contato com a boca, olhos ou narinas, podem causar um ardor intenso, como se fossem pimenta de verdade. Ui!

Essas espécies podem ser encontradas nas Américas Central e do Sul, incluindo o Brasil. Todas pertencem ao gênero Leptodactylus – nome que, em grego, significa “dedos finos”, uma característica desses animais.

Leptodactylus labyrinthicus

À esquerda é possível ver áreas de cor avermelhada nas pernas de Leptodactylus labyrinthicus, ricas em secreções irritantes que lhe dão o nome de rã-pimenta. À direita, observe as manchas escuras formando um “labirinto” no ventre do animal.

A espécie mais conhecida de rã-pimenta vive principalmente no Sudeste do Brasil, mas também pode ser encontrada em algumas áreas das regiões Sul e Centro-Oeste. Os cientistas a chamam de Leptodactylus labyrinthicus, nome que, em latim, faz referência à cor do ventre desses bichos, que é branco com muitas marcas escuras, como se tivessem um labirinto desenhado na barriga.

Muito parecida com a Leptodactylus labyrinthicus é a Leptodactylus vastus, habitante do norte do Cerrado e da Caatinga do nordeste brasileiro. Em latim, vastus quer dizer “enorme”. Para uma espécie cujos indivíduos podem atingir quase 20 centímetros, este parece ser um ótimo nome!

A Amazônia também é lar de algumas rãs-pimenta. Em 1972, Ronald Heyer, maior especialista sobre esses anfíbios no mundo, batizou uma espécie de Leptodactylus knudseni, em homenagem ao seu professor, Jens Knudsen, que o incentivou a se tornar um pesquisador. Em 1995, o cientista nomeou outra espécie, que vive em áreas rochosas do norte do Brasil: Leptodactylus myersi, em homenagem a um amigo biólogo, Charles Myers. Por fim, em 2005, quando descreveu mais uma espécie de rã-pimenta, Heyer resolveu dar-lhe o nome do Pará, estado onde foi descoberta. Assim, nasceu Leptodactylus paraensis.

Outra espécie curiosa, e com nome mais curioso ainda, é a Leptodactylus pentadactylus, que pode ser encontrada em diversas regiões da Amazônia. Ela foi a primeira rã-pimenta a ser nomeada, em 1768, por Josephus Nicolaus Laurenti. Ele baseou sua descrição em uma ilustração de 1734, presente no livro de outro pesquisador daquele tempo, Albertus Seba.

Leptodactylus pentadactylus

A espécie Leptodactylus pentadactylus foi nomeada com base na imagem da direita, publicada em 1734, que mostra uma rã com cinco dedos nos membros anteriores (o que na verdade não existe) (Imagem extraída de Locupletissimi rerum naturalium thesauri accurata descriptio, de Albertus Seba).

No livro de Seba havia um desenho de uma rã com cinco dedos nos membros anteriores. Então, Laurenti resolveu dar-lhe o nome específico pentadactylus, que significa “cinco dedos” em grego. Só tem um probleminha: nenhuma espécie de sapo, rã ou perereca possui cinco dedos nos membros anteriores (apenas nos posteriores)! Por que a rã do livro de Seba foi desenhada com cinco dedos? Ninguém sabe.

Existem ainda algumas espécies que, embora não costumem ser chamadas de “pimenta” pela população, pertencem ao mesmo grupo dessas rãs. Leptodactylus flavopictus (“pintado de amarelo”, em latim), que só vive em ambientes próximos do litoral do Espírito Santo até Santa Catarina, é assim chamada devido à presença de manchas amarelas em seu ventre e laterais do corpo. Já Leptodactylus rhodomystax, uma espécie que vive na Amazônia, possui um nome que significa “bigode rosado” em grego, graças a uma linha rosa ou avermelhada no lábio superior.

Essas são espécies que pertencem ao grupo das rãs-pimenta, embora não costumem ser assim chamadas pela população da região onde vivem. Em algumas regiões, é comum as pessoas chamarem as rãs de jia, palavra que tem origem em juí, nome que alguns indígenas brasileiros davam a esses anfíbios.

Outra espécie amazônica, Leptodactylus stenodema (“corpo estreito”, em grego), ganhou esse nome porque possui exemplares que não passam de 10 centímetros de comprimento. Agora, nome poético mesmo é o da Leptodactylus syphax, que, em grego, quer dizer “vinho doce novo”. Parece estranho, mas tem lá seus motivos: vinhos geralmente têm cor avermelhada, assim como algumas partes do corpo dessa espécie, encontrada em áreas rochosas do Cerrado e da Caatinga.

Com tantas espécies de rãs-pimenta vivendo por aí, podemos dizer que os ecossistemas brasileiros possuem um tempero especial, você não acha?

Matéria publicada em 02.11.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat