Para viajar ao espaço

Em Da Terra à Lua, o poeta e aventureiro francês Michel Ardan propõe que o projétil a ser lançado seja tripulado, e se oferece como passageiro. Dois outros americanos se juntam a ele: Impey Barbicane, o presidente do Clube do Canhão, e seu rival, o capitão Nicholl. Os três são disparados por um canhão gigantesco, que usava uma quantidade de pólvora igualmente gigantesca, com uma velocidade suficiente para atingir a Lua (Ilustração: Henri de Montaut)

Em Da Terra à Lua, o poeta e aventureiro francês Michel Ardan propõe que o projétil a ser lançado seja tripulado, e se oferece como passageiro. Dois outros americanos se juntam a ele: Impey Barbicane, o presidente do Clube do Canhão, e seu rival, o capitão Nicholl. Os três são disparados por um canhão gigantesco, que usava uma quantidade de pólvora igualmente gigantesca, com uma velocidade suficiente para atingir a Lua (Ilustração: Henri de Montaut)

Mais de um século antes do programa Apollo, que levou o homem à Lua em 1969, a imaginação de Júlio Verne já havia levado três “astronautas” até lá. No livro Da Terra à Lua, de 1865, membros de um grupo chamado Clube do Canhão – uma organização americana fictícia especializada em armas e balística – têm a ideia de construir um canhão imenso capaz de disparar um projétil até a Lua.

No entanto, em vez de pousar na superfície lunar, a bala de canhão – que carregava três pessoas – começa a orbitar em volta do satélite. O destino dos três heróis só será descrito em um livro posterior, Em Torno da Lua, de 1870.

É curioso notar que o módulo de exploração lunar da Apollo 11, o primeiro a descer à Lua, também tinha três tripulantes. Outra característica semelhante entre a história de Verne e a missão Apollo é que o canhão de Da Terra à Lua, o Columbiad, é posicionado e disparado da cidade de Tampa, na Flórida, a cerca de 30 quilômetros de distância de Cabo Canaveral, de onde a Nasa, agência espacial americana, acabou lançando o foguete que levou os astronautas à Lua em 1969.

Módulo lunar da Apollo 11, o primeiro a descer na Lua. A nave carregava três astronautas: Neil Armstrong e Buzz Aldrin, que foram à superfície lunar, e Michael Collins, que pilotou a nave na órbita do satélite até que os outros dois estivessem prontos para retornar à Terra (Imagem: NASA)

Módulo lunar da Apollo 11, o primeiro a descer na Lua. A nave carregava três astronautas: Neil Armstrong e Buzz Aldrin, que foram à superfície lunar, e Michael Collins, que pilotou a nave na órbita do satélite até que os outros dois estivessem prontos para retornar à Terra (Imagem: NASA)

Não pense que foi pura coincidência: para dar mais velocidade ao foguete, é preciso lançá-lo o mais próximo possível da linha do equador, e a Flórida é o estado mais ao sul dos Estados Unidos, portanto o mais próximo possível da linha do equador ainda dentro do território americano.

É fácil entender o porquê disso. Como a Terra gira em torno de si mesma ao redor de um eixo que passa pelos polos, quanto mais próximo da linha do equador, maior a circunferência descrita por um ponto na superfície da Terra ao longo de cada volta em torno do eixo de rotação. Como todos os pontos da superfície da Terra levam as mesmas 24 horas para completar uma volta, então os pontos mais próximos do equador têm que estar a uma velocidade maior – acontece a mesma coisa nos carrosséis de parques de diversão: quem senta em um cavalinho mais perto da borda vai mais rápido do que aqueles que ficam nos cavalos mais próximos ao centro do carrossel.

Assim, a bala de canhão na Flórida já está com mais velocidade do que se estivesse em outro ponto do território dos Estados Unidos, e a pólvora apenas acrescenta mais velocidade “para cima” a uma já grande velocidade para o leste (já que a rotação da Terra se dá de oeste para leste, o que você já sabe e nunca mais esquecerá se realmente leu A Volta ao Mundo em Oitenta Dias, como sugeri no mês passado).

O maior canhão já construído pelo homem foi o Gustav, usado pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. Suas balas, não tripuladas, eram capazes de alcançar um alvo a cerca de 37 quilômetros de distância

O maior canhão já construído pelo homem foi o Gustav, usado pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. Suas balas, não tripuladas, eram capazes de alcançar um alvo a cerca de 37 quilômetros de distância

O grande problema com a ideia de alcançar a Lua numa bala de canhão é a aceleração necessária. Num foguete, como já expliquei aqui na coluna, as explosões controladas e contínuas vão empurrando e aumentando a velocidade aos poucos. Por outro lado, em um tiro de canhão, a bala passa de um estado de repouso para a velocidade máxima de uma só vez, em uma grande e única explosão. Os efeitos dessa superaceleração no corpo dos tripulantes seria destruidor. Desta vez, a ideia de Júlio Verne ficou só na ficção mesmo…

Matéria publicada em 24.05.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Beto Pimentel

O autor da coluna A aventura da física é apaixonado por essa ciência desde garoto. Hoje, curte também dar aulas e fazer atividades criativas em contato com a natureza e com as outras pessoas.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat