Os reis dos rios

Dizem que, se os rios do Brasil fossem um reino, seu monarca seria o dourado. Podendo medir um metro de comprimento e pesar mais de 30 quilos, esse “peixão” ganhou fama de nobre por muitos motivos. Sua cor remete ao ouro, metal precioso e símbolo de riqueza; sua carne é uma das mais saborosas entre os peixes de água doce; e sua força é admirada pelos praticantes da pesca esportiva.

Os dourados são animais carnívoros, que se alimentam principalmente de outros peixes. Evolutivamente, são primos próximos do matrinxã, da piabanha e da priracanjuba. Já ouviu falar neles? (foto: David Morimoto / Wikipedia / CC BY-SA 2.0)

Os dourados são animais carnívoros, que se alimentam principalmente de outros peixes. Evolutivamente, são primos próximos do matrinxã, da piabanha e da priracanjuba. Já ouviu falar neles? (foto: David Morimoto / Wikipedia / CC BY-SA 2.0)

O que muita gente não sabe é que existem várias espécies de dourado nadando por aí. Todas elas pertencem ao gênero científico Salminus e vivem exclusivamente na América do Sul, principalmente no Brasil.

Salminus brasiliensis e Salminus franciscanus são as duas espécies brasileiras conhecidas como dourado. A primeira, cujo nome significa “brasileiro” em latim, é encontrada em rios do norte, oeste e sul do nosso país, mas também no Paraguai, Argentina e Uruguai. Já a segunda vive no rio São Francisco e seus afluentes – daí o nome em latim, franciscanus.

O nome científico do gênero dos dourados (acima), <i>Salminus</i>, quer dizer “parecido com salmão”. O salmão (abaixo) é um peixe típico da América do Norte, Europa e Ásia, e pertence ao gênero <i>Salmo</i> (“salmão”, em latim) (desenhos: Voyage dans l'Amérique méridionale [domínio público] e Wikipedia).

O nome científico do gênero dos dourados (acima), Salminus, quer dizer “parecido com salmão”. O salmão (abaixo) é um peixe típico da América do Norte, Europa e Ásia, e pertence ao gênero Salmo (“salmão”, em latim) (desenhos: Voyage dans l’Amérique méridionale [domínio público] e Wikipedia).

E que tal o dourado-branco? Esse nome curioso é dado por algumas pessoas aos peixes da espécie Salminus hilarii, cujas escamas apresentam um tom mais prateado. Seu nome científico é uma homenagem a um pesquisador francês que viajou por diversas regiões do Brasil no início do século 19, Augustin de Saint-Hilaire. Ele levou para a França um exemplar dessa espécie, que até então era desconhecida pelos cientistas. Lá, o especialista Georges Cuvier e seu aluno Achille Vallenciennes descreveram o bicho e lhe deram um nome científico.

<i>Salminus franciscanus</i> foi a última espécie do gênero <i>Salminus</i> a ser descrita. Embora seja conhecida há séculos por pescadores e até por cientistas, essa espécie vinha sendo confundida com outra, e só em 2007 ganhou seu nome científico. (foto: Carlos B. M. Alves)

Salminus franciscanus foi a última espécie do gênero Salminus a ser descrita. Embora seja conhecida há séculos por pescadores e até por cientistas, essa espécie vinha sendo confundida com outra, e só em 2007 ganhou seu nome científico. (foto: Carlos B. M. Alves)

Salminus hilarii pode ser encontrado nas bacias dos rios São Francisco e Paraná, e é mais conhecido pelos nomes tabarana ou tubarana. A origem e o significado desses nomes são misteriosos. Pode ser que venham de alguma língua indígena, como o tupi, ou até mesmo que possuam alguma relação com tubarão, já que as tubaranas são predadores vorazes dos rios. Ninguém sabe ao certo.

Existem tabaranas também nos rios da Amazônia, mas estudos recentes mostram que elas pertencem a uma espécie diferente, cujo nome científico ainda precisa ser definido pelos especialistas.

A tabarana ou tubarana pertence a uma espécie de pequeno porte, que raramente ultrapassa 50 centímetros de comprimento e 2,5 quilos de peso, ao contrário dos dourados, que ficam bem maiores e mais pesados (foto: José Cesar Nolasco).

A tabarana ou tubarana pertence a uma espécie de pequeno porte, que raramente ultrapassa 50 centímetros de comprimento e 2,5 quilos de peso, ao contrário dos dourados, que ficam bem maiores e mais pesados (foto: José Cesar Nolasco).

Não podemos esquecer que as mudanças que temos causado no meio ambiente têm afetado o reino dos dourados e das tabaranas. Nos últimos anos, as populações desses peixes têm diminuído em algumas regiões. Os motivos principais são a construção de hidrelétricas – que interferem nas migrações reprodutivas –, a poluição dos rios e a pesca sem controle. Em outros lugares, pescadores soltaram dourados em rios onde eles não viviam antes, causando um desequilíbrio ecológico e levando outras espécies à beira da extinção.

Sejam douradas ou prateadas, as espécies Salminus trazem nobreza aos nossos rios. Para que seu reinado continue, devemos proteger as populações que se encontram ameaçadas e impedir a introdução desses peixes em locais onde eles não ocorrem naturalmente.

Matéria publicada em 18.05.2016

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat