O nome dos camarões

Camarão frito, bobó de camarão, pastel de camarão… humm, eu amo camarões! Esses bichinhos tão apreciados por muitos de nós pertencem ao grupo dos crustáceos (do latim Crustacea, que quer dizer “com casca”). Para ser mais específico, os camarões são crustáceos da ordem Decapoda (“dez pés”, em grego), a mesma à qual pertencem os caranguejos, siris e lagostas.

A palavra “camarão” tem origem no latim “cammarus”, que, por sua vez, surgiu a partir do grego “kámmaros” (“lagosta”). Os indígenas costumavam chamar esses animais de poti, que alguns estudiosos acreditam significar “duro”, “mão pontiaguda”, ou até “mão apertada”. Quem nasce no estado do Rio Grande do Norte é chamado de potiguar ou potiguara, “comedor de camarões” em tupi. (foto: The World Fish Center / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

A palavra “camarão” tem origem no latim cammarus, que, por sua vez, surgiu a partir do grego kámmaros (“lagosta”). Os indígenas costumavam chamar esses animais de poti, que alguns estudiosos acreditam significar “duro”, “mão pontiaguda”, ou até “mão apertada”. Quem nasce no estado do Rio Grande do Norte é chamado de potiguar ou potiguara, “comedor de camarões” em tupi. (foto: The World Fish Center / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

Se você observar um camarão com cuidado, verá, contudo, que ele tem mais de dez pés. Ué, como assim? É que na verdade os “pés” – e pernas – que lhes dão o nome Decapoda são os cinco pares de pereópodes (“pés transportadores”, em grego), localizados no meio do corpo.

Existem centenas de espécies de camarões conhecidas. A maioria vive no mar, mas algumas gostam mesmo é da água doce de rios e lagos. Aqui no Brasil a espécie de água doce mais conhecida, pescada e consumida é a Macrobrachium carcinus, popularmente chamada de pitu (“casca escura”, em tupi-guarani). Seu nome científico pode ser traduzido do grego como “crustáceo de braço grande”, em referência a um longo par de pernas com pinças que esta espécie possui.

O pitu é o maior camarão de água doce do mundo, podendo medir até 30 centímetros de comprimento e pesar quase um quilo. (foto: Hans Hillewaert / Wikipedia / CC BY-SA 4.0)

O pitu é o maior camarão de água doce do mundo, podendo medir até 30 centímetros de comprimento e pesar quase um quilo. (foto: Hans Hillewaert / Wikipedia / CC BY-SA 4.0)

E aquele camarão gostoso que é vendido na praia e encontrado em muitos restaurantes? A que espécie pertence? Nesse caso a resposta pode variar. Em nosso país existem vários tipos de camarões marinhos que são pescados e vendidos para consumo, sendo a maioria do gênero Penaeus (nome em homenagem a Peneus, um deus grego). Por exemplo, são muito consumidos por aqui o camarão-branco (Penaeus schmitti), o camarão-vermelho (Penaeus subtilis) e o camarão-rosa (Penaeus brasiliensis e Penaeus paulensis), todos nativos do nosso litoral.

O camarão-vermelho é uma das espécies marinhas nativas do Brasil mais consumidas pela população. Vive entre 1 e 190 metros de profundidade e pode atingir 20 centímetros de comprimento. (foto: Tomas Willems / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

O camarão-vermelho é uma das espécies marinhas nativas do Brasil mais consumidas pela população. Vive entre 1 e 190 metros de profundidade e pode atingir 20 centímetros de comprimento. (foto: Tomas Willems / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

O nome científico do camarão-branco é uma homenagem ao carcinólogo (especialista em crustáceos) Waldo Schmitt. Já o nome do camarão-vermelho significa “fino” em latim, em referência a um sulco que a espécie possui na carapaça, mais estreito que o das outras. Por fim, a origem do nome científico dos camarões-rosa faz referência ao Brasil e ao estado de São Paulo, onde foram coletados os indivíduos usados para descrever essas espécies pela primeira vez.

Apesar do nome, o “camarão-sete-barbas” tem apenas seis “barbas”, que são, na verdade, um par de antenas e dois pares de pernas mais longos que os outros. (foto: Tomas Willems / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

Apesar do nome, o “camarão-sete-barbas” tem apenas seis “barbas”, que são, na verdade, um par de antenas e dois pares de pernas mais longos que os outros. (foto: Tomas Willems / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

Outra espécie bastante vendida em alguns mercados de frutos do mar é a Xiphopenaeus kroyeri, conhecida como camarão-sete-barbas. O nome do gênero pode ser traduzido do grego como “o Penaeus [camarão] de espada”, por conta do formato de seu rostro – uma estrutura alongada e serrilhada localizada no topo da “cabeça” dos camarões. Já o nome específico é uma homenagem a Henrik Nikolai Krøyer, cientista dinamarquês que viveu entre 1799 e 1870.

Nombre de archivo :DSCN6618.JPG Tama–o de archivo :838.3 KB (858448 Bytes) O camarão-branco-do-Pacífico é originário de uma região que se estende do litoral do México ao Peru, no oceano Pacífico, bem longe das praias brasileiras. É esta a espécie criada em fazendas de camarão no Brasil. Só em 2014, foram produzidas por aqui cerca de 90 mil toneladas desse camarão. (foto: A.M. Arias / www.ictioterm.es / CC BY-NC-ND 3.0 ES) Tama–o de imagen :2048 x 1360 Resoluci—n :72 x 72 ppp Nœmero de bits :canal de 8 bits Atributo Protecci—n :Desactivado Atributo Ocultar :Desactivado ID de la c‡mara :N/A Modelo :E995 Modo Calidad :FINO Modo Medici—n :Multipatr—n Modo Exposici—n :Autom‡tico programado Flash :No Distancia focal :13.6 mm Velocidad del disparador :1/802.5segundo Abertura :F9.2 Compensaci—n de exposici—n :0 EV Balance del blanco fijo :Autom‡tico Objetivo :Incorporado Modo de sincronizaci—n del flash :N/A Diferencia de exposici—n :N/A Programa flexible :N/A Sensibilidad :Auto Nitidez :Autom‡tico Modo Curva :N/A Modo Color :COLOR Compensaci—n de tono :AUTOMçTICO Latitud (GPS) :N/A Longitud (GPS) :N/A Altitud (GPS) :N/A


O camarão-branco-do-Pacífico é originário de uma região que se estende do litoral do México ao Peru, no oceano Pacífico, bem longe das praias brasileiras. É esta a espécie criada em fazendas de camarão no Brasil. Só em 2014, foram produzidas por aqui cerca de 90 mil toneladas desse camarão. (foto: A.M. Arias / www.ictioterm.es / CC BY-NC-ND 3.0 ES)

E se eu te disser agora que a maioria dos camarões consumidos no Brasil vem de fazendas? Isso mesmo! Existem, no litoral brasileiro, especialmente no nordeste, fazendas que criam camarões. Mas, curiosamente, elas não criam espécies nativas. Após várias tentativas ao longo dos anos, a espécie que até agora melhor se adaptou e deu mais lucro às fazendas foi o camarão-branco-do-Pacífico, trazido para cá para fins comerciais. Os cientistas o chamam de Penaeus vannamei, em homenagem ao zoólogo norte-americano Willard Van Name.

Depois desse papo todo sobre camarões, já escolhi o meu almoço de hoje. Vou de estrogonofe de camarão. Que tal?

Matéria publicada em 21.10.2015

COMENTÁRIOS

  • Marcos

    Parabéns pelo trabalho. Muito esclarecedor. Espero que continue com outras publicações.

    Publicado em 9 de junho de 2018 Responder

  • Valentina Santos

    E eu que amo camarão não sabia que tb existia camarão-branco

    Publicado em 2 de agosto de 2021 Responder

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat