Muito prazer! Meu nome é…

Conhece o forneiro? Não? Então, saiba que você pode não estar ligando o nome ao bicho! Este é apenas um dos nomes dados ao joão-de-barro, um pássaro muito comum no Brasil. Dependendo da região onde é encontrado, ele também pode ser chamado de pedreiro ou oleiro. Na Argentina, é conhecido como hornero! Saber que esse animal pode ter tantos nomes diferentes só gerou mais confusão? Pois é para evitar problemas desse tipo que as espécies têm o que chamamos de nome científico. O do joão-de-barro, por exemplo, é Furnarius rufus. Diante dele, os ornitólogos, cientistas que estudam as aves, não têm dúvida: sabem exatamente que bicho é esse!

João-de-barro, forneiro, pedreiro, oleiro… São muitos os nomes dessa espécie de ave, muito comum no Brasil (foto: Alexander Zaidan).

O nome científico é muito importante porque facilita a comunicação. Afinal, é comum que a mesma espécie receba um nome diferente em cada região do país onde é encontrada e, principalmente, em países que falam línguas distintas. O pardal, por exemplo, é chamado de english sparrow ou house sparrow em inglês, gorrión común em espanhol e moineau domestique em francês. Mas para os cientistas de qualquer lugar do mundo ele é o Passer domesticus!

Carl Linné difundiu a ideia de usar um nome científico formado por duas palavras para identificar as diferentes espécies que existem (ilustração: pintura de Alexander Roslin feita em 1775).

Foi o sueco Carl Linné, no século 18, que difundiu a ideia do uso do nome científico das espécies como o conhecemos hoje, formado por duas palavras. A primeira é o nome genérico: escrito com inicial maiúscula, ele é igual para todas as espécies que pertencem a um mesmo gênero, ou seja, que têm muitas características em comum. Já a segunda palavra que forma o nome científico é o chamado nome específico. Escrito com inicial minúscula, ele identifica cada espécie de um gênero. Para ficar fácil de entender, aqui vai um exemplo: as preguiças que apresentam três dedos em cada pata pertencem ao gênero Bradypus. No Brasil, esse gênero tem três espécies: Bradypus torquatus (popularmente conhecida como preguiça-de-coleira), Bradypus tridactylus (preguiça-de-garganta-amarela) e Bradypus variegatus (preguiça-de-garganta-marrom).

Mas você deve estar se perguntando: por que os nomes científicos dos bichos são escritos desse jeito tão diferente? Isso acontece porque suas palavras podem pertencer a qualquer língua ou até mesmo serem inventadas, desde que usem apenas as letras do nosso alfabeto. A maioria dos nomes tem palavras originadas do grego ou do latim – a língua do antigo Império Romano, por muito tempo usada em textos científicos.

Da esquerda para a direita, você vê a preguiça-de-coleira, a preguiça-de-garganta-amarela e a preguiça-de-garganta marrom (fotos: Carlos Henrique O. Nogueira, Claudinéia B. Lima e Stefan Laube).

O nome científico também deve estar sempre em destaque em um texto: isto é, escrito em itálico, negrito ou sublinhado. E tem mais! Se um cientista descobre uma espécie nova de um gênero que já é conhecido, o único nome que ele pode criar é o nome específico. O nome genérico tem que ser o já existente. É mais ou menos o que aconteceu quando você nasceu. Seus pais não puderam criar um sobrenome novo para você, não é?

Apesar disso, os cientistas têm bastante liberdade na hora de criar o nome científico de uma nova espécie. Ele pode indicar uma característica do animal, fazer referência a alguma palavra indígena ou personalidade, e até não ter significado algum!

Na coluna O nome dos bichos, teremos a missão de explorar todo mês o nome científico de algum animal e descobrir seu significado. Em alguns casos, também vamos investigar seus nomes comuns. A partir disso, garanto que você passará a enxergar nossos bichos com outros olhos! E aí? Preparado para esta aventura?

Matéria publicada em 10.02.2010

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat