Formigas de fogo

Quando criança, toda vez que eu e meus primos íamos à fazenda dos meus avós, éramos alertados para tomar cuidado com as lava-pés. Caso você não conheça, as lava-pés são formiguinhas com um ferrão no final do abdômen, e cuja picada injeta um veneno doloroso. Imagine só pisar descalço ou de chinelos sobre um ninho delas? As ferroadas causam uma sensação de queimação que te faz querer lavar o pé na hora, na tentativa de alívio. Vem daí o nome “lava-pé”, em português, e fire ants (“formigas-de-fogo”), em inglês.

A entrada do ninho das lava-pés é formada por um montinho de terra bem fininha. Lá dentro, as formigas vivem em uma colônia formada pelas operárias menores e maiores (popularmente conhecidas como “soldados”), e a rainha. Algumas espécies têm colônias com mais de uma rainha!  (foto: Alex Wild / domínio público)

A entrada do ninho das lava-pés é formada por um montinho de terra bem fininha. Lá dentro, as formigas vivem em uma colônia formada pelas operárias menores e maiores (popularmente conhecidas como “soldados”), e a rainha. Algumas espécies têm colônias com mais de uma rainha! (foto: Alex Wild / domínio público)

Essas danadinhas pertencem ao gênero científico Solenopsis, composto por cerca de 200 espécies que ocorrem em diversas regiões do mundo. Seu nome tem origem grega, e quer dizer algo como “parecido com um tubo”, talvez pela forma do seu corpo.

Nem toda formiga do gênero <i>Solenopsis</i> é uma lava-pé. Algumas espécies menores são conhecidas como “formigas-ladras”, pois montam seu ninho próximo ao de outras espécies, de onde roubam comida. (foto: Ricardo R. C. Solar)

Nem toda formiga do gênero Solenopsis é uma lava-pé. Algumas espécies menores são conhecidas como “formigas-ladras”, pois montam seu ninho próximo ao de outras espécies, de onde roubam comida. (foto: Ricardo R. C. Solar)

No Brasil existem cerca de 40 espécies de Solenopsis já catalogadas. Mas, nem todas são consideradas lava-pés. Muitas são bem pequenas, com cerca de 1 milímetro de comprimento, incapazes de nos picar. As chamadas lava-pés são um grupo de Solenopsis consideradas grandes pelos cientistas, medindo mais de 2 milímetros.

Uma das espécies de lava-pés nativas do Brasil fez parte de uma série de selos especiais dos Correios em 2013. (foto: Reprodução)

Uma das espécies de lava-pés nativas do Brasil fez parte de uma série de selos especiais dos Correios em 2013. (foto: Reprodução)

Cerca de 10 espécies das chamadas lava-pés já foram registradas em nosso país, e outras ainda podem ser descobertas à medida que os cientistas ampliam seus estudos. Uma das espécies mais comuns por aqui é a Solenopsis saevissima. Seu nome, em latim, quer dizer “furiosíssima”.

Olhando bem de pertinho uma lava-pé guardada para pesquisas em um museu, é possível observar vários detalhes do seu corpo. O ferrão, por exemplo, fica bem na pontinha do abdômen, o último segmento do corpo. (foto: Antweb.org / CC BY-AS 3.0)

Olhando bem de pertinho uma lava-pé guardada para pesquisas em um museu, é possível observar vários detalhes do seu corpo. O ferrão, por exemplo, fica bem na pontinha do abdômen, o último segmento do corpo. (foto: Antweb.org / CC BY-AS 3.0)

Outra com nome curioso é a Solenopsis megergates, “grande operário” em grego, pois as operárias desta espécie são as maiores entre as lava-pés, podendo medir quase 7 milímetros de comprimento. Já a Solenopsis pusillignis (“fogo menor”, em latim) ganhou seu nome por ser a menor das espécies de lava-pés, com 2 milímetros ou menos.

As lava-pés são onívoras, ou seja, possuem uma dieta que inclui tanto plantas quanto animais. Elas ingerem os líquidos presentes em sementes, frutos e pequenos bichos, por exemplo. Para garantir a alimentação do formigueiro, um batalhão de operárias sai em busca de comida. (foto: Wikipedia / domínio público)

As lava-pés são onívoras, ou seja, possuem uma dieta que inclui tanto plantas quanto animais. Elas ingerem os líquidos presentes em sementes, frutos e pequenos bichos, por exemplo. Para garantir a alimentação do formigueiro, um batalhão de operárias sai em busca de comida. (foto: Wikipedia / domínio público)

E que tal a Solenopsis invicta, cujo nome significa “invencível” em latim? Esta espécie, nativa da Bolívia, Paraguai, Brasil e Argentina, foi levada acidentalmente para o sul dos Estados Unidos no início do século 20, provavelmente durante o transporte de cargas de bananas em navios. Lá, essas formigas encontraram um ambiente muito favorável para se desenvolverem, e acabaram se tornando uma verdadeira praga. É possível encontrar formigueiros espalhados em cidades e fazendas, danificando plantações, picando pessoas, animais domésticos, e ainda competindo com as espécies nativas, causando assim um desequilíbrio ambiental.

Por ano, os Estados Unidos gastam mais de 5 bilhões de dólares para combater a Solenopsis invicta. O pior é que esta espécie já conseguiu se espalhar mais, viajando “de carona” dos Estados Unidos para outros países como a Austrália e a China. Realmente, uma formiga invencível!

Matéria publicada em 05.10.2016

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!