A química por dentro do ‘airbag’

Já ouviu falar em airbag (pronuncia-se érbéguê)? Assim como o cinto de segurança, ele é um dos dispositivos de segurança encontrados nos automóveis. Parecido com um balão de ar, o airbag infla quando ocorre uma batida, protegendo os passageiros do impacto.

Inicialmente, o airbag era instalado apenas no volante, para proteção do motorista. Com o tempo, os novos modelos de carros passaram a ter o dispositivo também na parte do painel em frente ao carona, no encosto dos bancos dianteiros (para proteção de quem senta no banco de trás) e nas portas (para proteção contra colisão lateral).

Você sabia que os carros também contam com princípios da química para serem mais seguros? (Foto: onlinewoman / Flickr)

Mas como esse balão de ar funciona? Quando o veículo bate, o airbag se enche de nitrogênio em um piscar de olhos – é isso mesmo, em menos de um segundo! – e impede que os ocupantes sejam lançados contra as partes duras do automóvel, evitando que se machuquem de forma grave ou fatal.

O airbag é constituído por três partes principais: a bolsa, o sensor de colisão e o sistema de enchimento, importantes para que o dispositivo funcione corretamente.

A bolsa, fina e resistente, é fabricada em náilon e fica dobrada em um compartimento especial. O sensor de colisão é formado por um acelerômetro e um circuito integrado, que detectam e analisam as variações de velocidade. Ele é programado para ignorar pequenas diminuições de velocidade (que ocorrem, por exemplo, quando o carro freia bruscamente). Entretanto, se a desaceleração for muito grande, equivalente a uma batida contra um muro de tijolos a uma velocidade acima de 16 Km/h, o sensor envia um sinal para inflar a bolsa.

Os ‘airbags’ são posicionados de modo a proteger motorista e passageiros (Foto: Taekwonweirdo / Flickr)

O sistema de enchimento da bolsa é constituído por uma resistência elétrica e por uma mistura de três substâncias de nome esquisito: azida de sódio, nitrato de potássio e dióxido de silício. Quando ocorre a colisão, o sensor emite uma corrente elétrica que faz a resistência do sistema de enchimento se aquecer a uma temperatura de 300°C. Isto provoca a decomposição da azida de sódio, produzindo sódio e nitrogênio.

Em uma segunda etapa, o sódio reage com o nitrato de potássio, produzindo mais nitrogênio e óxidos metálicos, que são neutralizados pela reação com o dióxido de silício, formando vidro. Este vidro é filtrado e fica retido na câmara de reação, não passando para o interior da bolsa.

A grande quantidade nitrogênio (cerca de 70 litros) liberada pela reação enche a bolsa de náilon bem a tempo de impedir que os ocupantes se choquem contra as partes duras do automóvel. Imediatamente após o seu enchimento, e após cumprir seu papel, o airbag começa a esvaziar, pois o nitrogênio escapa por furinhos que existem na bolsa, para impedir que a vítima sufoque.

Assim como o nitrogênio formado pela reação química, o pó branco liberado após a explosão de um airbag não apresenta perigo algum. É apenas amido ou talco que é usado para proteger o saco de náilon durante o armazenamento.

Você imaginou que coubesse tanta química em uma batida de carro?

Matéria publicada em 21.10.2011

COMENTÁRIOS

  • André de oliveira santiago

    Nossa eu não pensei que coubesse tanta química em uma batida de carro

    Publicado em 30 de setembro de 2020 Responder

Envie um comentário

Joab Trajano Silva

Desde criança, o autor da coluna No laboratório do Sr. Q pensava em ser biólogo. Mas, enquanto cursava a faculdade, descobriu que precisava de conhecimentos químicos para entender como os seres vivos funcionam. Juntou as duas coisas e foi ser bioquímico.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat