Brincadeira na aldeia

Os piões jogados pelas crianças do povo Manchineri estão entre os brinquedos catalogados pelos pesquisadores.

Diversão não tem idade! Você já deve ter ouvido essa frase de algum adulto por aí. Pois saiba que não tem idade e nem lugar para acontecer, como comprovou uma pesquisa feita com povos indígenas brasileiros. Ao percorrer aldeias do país, uma equipe de pesquisadores catalogou brinquedos e brincadeiras que divertem a garotada lá.

“Durante 15 anos, um estudo desse tipo foi feito com povos do mundo inteiro. Mas ficaram de fora, por exemplo, os países da América do Sul”, explica Maurício Lima, coordenador do projeto Jogos Indígenas Brasileiros, que realizou a pesquisa no Brasil. Ele teve a idéia de fazer o levantamento dos jogos e brincadeiras dos índios do nosso país durante um encontro em que ficou conhecendo o “jogo da onça e do cachorro”, com o qual os índios Bororos, da aldeia Meruri, no Mato Grosso, se divertem.

Esse jogo, que só existe no Brasil, é muito parecido com uma brincadeira dos incas – antiga civilização que viveu nos Andes, no Peru. Para brincar, basta riscar um tabuleiro no chão – parecido com o de xadrez – e ter em mãos 15 pedras: uma representa a onça e as outras, os cachorros. A onça tem de comer os cachorros enquanto eles a encurralam. Ganha quem capturar mais peças.

Em busca de autênticos jogos indígenas como esse, os pesquisadores do projeto brasileiro visitaram oito aldeias indígenas e catalogaram muitas brincadeiras. Entre elas, o quebra-cabeça, dos índios Canela, no Maranhão; o jogo de dado, dos Pareci, no Mato Grosso e o jogo da banana, dos Ticuna, no Amazonas.

O Poï Aru Nhagü, como é conhecido o jogo da banana entre os Ticuna, tem características que lembram a queimada. Diante de uma pilha de rodelas de banana, duas duplas se confrontam: uma tenta impedir que a outra derrube as rodelas da fruta Ao mesmo tempo, outros participantes, que estão ao redor e se dividem entre os que querem defender a pilha de bananas e os que querem derrubá-la, procuram atingir os adversários com uma bola feita com pedaços de pano, para eliminá-los.

Outros brinquedos identificados pelo projeto Jogos Indígenas do Brasil: da esquerda para a direita, bilboquê (índios Ticuna), peteca (índios Pareci) e dobradura (índios Canela).

Além de jogos como o da banana, a visita às aldeias revelou também brinquedos fabricados pelos próprios índios, como piões feitos de frutas e varas de bambu ou zunidores, que são uma espécie de disco feito com o fundo de uma cabaça (a casca muito dura de frutos); para brincar com o zunidor, basta girá-lo, o disco emite um som próprio. Também feitos pelos índios, os bilboquês são brinquedos formados de uma bola, com um furo no fundo, ligada por uma corda a um pequeno bastão de madeira. Para brincar, basta jogar a bola para o alto e tentar encaixá-la no bastão. Além disso, os pesquisadores encontraram também dobraduras feitas de folhas de uma planta chamada buriti que representam animais e petecas confeccionadas nas aldeias.

Para quem ficou curioso e quer saber mais sobre a pesquisa, vale a pena visitar o site www.jogosindigenasdobrasil.art.br, que conta detalhes do projeto. Além disso, as escolas públicas podem receber kits com os jogos e uma cartilha explicando como cada um deles foi encontrado e o modo de jogar. Para ter acesso a esse material basta entrar em contato com o Ministério de Educação (veja abaixo).

Fale com o seu professor: quem sabe no próximo intervalo, a turma toda não se diverte com uma brincadeira vinda de alguma aldeia indígena?!

Ministério da Educação
Esplanada dos Ministérios – Bloco L, sala 506
70047-901 – Brasília – DF
tel.: (61) 2104-8625
e-mail: [email protected]

Matéria publicada em 10.08.2005

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Adorei conhecer essas brincadeiras!

    Publicado em 31 de maio de 2019 Responder

  • Heloísa Rosa de Oliveira

    é muito bom aprender

    Publicado em 15 de junho de 2020 Responder

  • Laura Haidar Coppa

    ola amei muito mesmo é ótimo aprender mais muito mais

    Publicado em 15 de junho de 2020 Responder

  • Beatriz Oliveira silva

    Eu gostei dos brinquedos dos deles

    Publicado em 23 de junho de 2020 Responder

  • Mateus Campos de Oliveira

    Eu gostei muito dos brinquedos deles e também gostei das brincadeiras dos indígenas ,

    Publicado em 29 de junho de 2020 Responder

  • Luis Fabiano Gonsalves

    Eu gostei muito das brincadeiras e também dos brinquedos deles.

    Publicado em 15 de julho de 2020 Responder

  • Laurian Ferreira Lopes Paz

    Maravilha, amei o texto.

    Publicado em 13 de agosto de 2020 Responder

  • JJ

    ble

    Publicado em 21 de outubro de 2020 Responder

  • joao

    foi uma maravilha

    Publicado em 21 de outubro de 2020 Responder

  • JJ

    foi uma maravilha

    Publicado em 21 de outubro de 2020 Responder

  • JJ

    foi uma maravilha de deus

    Publicado em 21 de outubro de 2020 Responder

  • zaza

    horrivEL ODEio ebRINcAAHUU COmo Ses cjOGA isAI

    Publicado em 23 de outubro de 2020 Responder

  • zaza

    odEie odEI LE E horiivEl KSksk

    Publicado em 23 de outubro de 2020 Responder

  • Samuca

    Eu gostei muito valeu

    Publicado em 3 de novembro de 2020 Responder

  • Sua vó

    Só vim aq por um trabalho de escola e nao entendi nada, vlw

    Publicado em 19 de abril de 2021 Responder

  • Eduardo Rebelo

    Achei muito legal porque eu ja brinquei da maioria das coisas que foram citadas

    Publicado em 11 de maio de 2021 Responder

  • dimitri barbosa gutinik

    ja brinquei uma ves

    Publicado em 22 de junho de 2021 Responder

Envie um comentário

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat