Beleza em miniatura

Não adianta apenas passar os olhos pela floresta. A missão é parecida com o velho dito popular “encontrar uma agulha no palheiro”: para achar esta flor, você vai precisar de muita atenção, e até de uma lupa. Estamos falando da Campylocentrum insulare, a orquídea com a menor flor já observada no planeta, medindo cerca de dois milímetros – mais ou menos a espessura de um grafite de lápis.

A planta, sem folhas, foi coletada em uma região de mata atlântica. Levada pelos pesquisadores a uma estufa na Universidade Federal de Santa Catarina, ela ficou aguardando para ser estudada com calma. Um dia, o biólogo Carlos Eduardo de Siqueira observou pontos brancos no vegetal. “Deve ser um fungo”, pensou. Ao analisá-los no microscópio, veio a surpresa: eram flores!

A orquídea recém-descoberta precisa ser observada com a ajuda de um microscópio. (foto: Carlos Eduardo de Siqueira)

A orquídea recém-descoberta precisa ser observada com a ajuda de um microscópio. (foto: Carlos Eduardo de Siqueira)

De pétalas brancas e centro amarelo, a orquídea foi estudada em detalhes e logo se viu que era uma espécie nova para a ciência. ”Até então, a orquídea com a menor flor do mundo era Platystele jungermannioides, da Guatemala, descoberta em 1912 com flores com cerca de 2,5 milímetros. Outra espécie minúscula é Campylocentrum minutum, do Peru, descoberta em 1930 com flores de três milímetros”, conta Carlos Eduardo.

A planta recém-descoberta, como outras orquídeas, vive sobre plantas maiores. Ela não tem folhas e parece uma pequena raiz, escondida nas sombras. Foi encontrada pelos pesquisadores enroscada num exemplar de outra orquídea, Pabstiella fusca, comum na Ilha de Santa Catarina.

A família das orquídeas é muito grande – tem mais de 25 mil espécies. Apesar de existirem algumas com flores pequeníssimas, a maioria possui flores maiores, como a Vanilla planifolia, que produz a baunilha – sua flor mede aproximadamente cinco centímetros de comprimento. “No Brasil, ocorrem espécies como Vanilla chamissonis, com flores de sete centímetros, e Cattleya labiata, com flores de 10 centímetros”, completa o biólogo.

Matéria publicada em 08.06.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Catarina Chagas

Desde criança gosto de ler, inventar histórias e descobrir novidades. Cresci e encontrei um trabalho em que posso fazer tudo isso.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat