Quem é o par do bicho-folha?

Fim de um mistério de mais 100 anos!

O mundo animal é cheio de mistérios que ainda precisam ser revelados pelas pesquisas de cientistas. Um deles, que durou mais de 100 anos, acaba de ganhar uma solução: quem é o par do bicho-folha. Os bichos-folha (Phyllium) são um tipo de inseto que só existe em florestas no sudeste da Ásia e na Australásia, bem longe do nosso país.

Como o nome já diz, os bichos-folha se parecem muito com folhas. Isso dificulta que sejam percebidos por predadores, e por cientistas também!
Foto Cumming e colaboradores / Zookeys / CC BY 4.0

São conhecidas várias espécies de bichos-folha, mas para algumas delas até hoje só haviam sido encontradas fêmeas. Isso intrigava cientistas que estudam esses animais. Onde estariam os machos? Certo dia, o Insetário de Montreal, no Canadá, recebeu ovos de um bicho-folha vindos da Ásia. Entre sete e onze meses depois, nasceram cinco ninfas – como são chamados os filhotinhos. Três delas sobreviveram e, após mais alguns meses, tornaram-se insetos adultos. Uma ninfa virou uma bela bicho-folha fêmea, mas imagine a surpresa da equipe do Insetário ao perceber que as outras duas se tornaram machos de bicho-graveto!

Os bichos-graveto (Nanophyllium) são parecidos com os bichos-folha, mas, adivinhe!, lembram gravetos! E veja só: eram conhecidos apenas machos desses animais. Juntando as peças do quebra-cabeça, o que foi que os cientistas descobriram? Que os bichos-graveto são, na verdade, o par dos bichos-folha e não espécies diferentes!

Um bicho-folha e dois bichos-gravetos. Quem poderia desconfiar que a folha é a fêmea e os gravetos são os machos da mesma espécie?
Foto Cumming e colaboradores / Zookeys / CC BY 4.0
Os bichos-folha e os bichos-graveto são “primos” dos bichos-pau, que podem ser encontrados aqui no Brasil. Também é um desafio reconhecê-los em meio a arbustos e troncos.
Foto Henrique C. Costa

O próximo passo dos cientistas será montar os pares corretos de cada espécie de bicho-folha e de bicho-graveto da natureza. Mais ou menos como em um jogo de cartas, mas usando os métodos científicos, como análises de DNA e estudos cuidadosos da anatomia de cada animal. Que venham mais descobertas!


henrique-caldeira

Henrique Caldeira Costa,
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Juiz de Fora

Sou biólogo e muito curioso. Desde criança tenho interesse especial em pesquisar os seres vivos, especialmente o mundo animal. Vamos fazer descobertas incríveis aqui!

Matéria publicada em 23.12.2020

COMENTÁRIOS

  • Heitor Carlos

    Quem imaginaria que o bicho-graveto seria o macho do bicho-Folha, mas até que faz sentido.😂😂😂😂😂😂

    Publicado em 23 de dezembro de 2020 Responder

    • DOIDINHA

      pior que faz mesmo

      Publicado em 15 de janeiro de 2021 Responder

  • Marcos

    Essa é reportagem para a SUPERINTERESSANTE !!!!

    Publicado em 23 de dezembro de 2020 Responder

  • Eduardo Azevedo

    Que massa! Muito legal! Mas sinceramente eu imaginava que já hoje em dia os cientistas tinham por rotina a comparação de DNA. Isso aí me deixou surpreso!

    Publicado em 23 de dezembro de 2020 Responder

    • DOIDINHA

      verdade

      Publicado em 15 de janeiro de 2021 Responder

      • lara

        e vc thauana

        Publicado em 15 de janeiro de 2021

      • DOIDINHA

        sim sou eu

        Publicado em 15 de janeiro de 2021

      • lara

        que legal amiga tchau

        Publicado em 15 de janeiro de 2021

      • DOIDINHA

        tchau bjs te amo

        Publicado em 15 de janeiro de 2021

  • DOIDINHA

    muito bom adorei . beijos

    Publicado em 15 de janeiro de 2021 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Será que este ano tem a “Estrela de Belém”?

Vamos investigar se o fenômeno no céu de 2020 se parece com o da história dos Três Reis Magos.

Pequenos animais que movem o mundo

Um dos biólogos mais famosos do mundo, o norte-americano Edward Wilson, uma vez falou que os insetos, caranguejos, minhocas e uma infinidade de pequenos animais movem o mundo. Ele estava chamando a nossa atenção para o valioso papel desses seres miúdos, que mal percebemos, mas que estão o tempo todo polinizando as plantas para que produzam frutos, movendo o solo e ajudando a transformar restos de animais e plantas em adubo. Eles são pequenos no tamanho, mas grandes em importância para a dinâmica da natureza.