COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/a-anta-o-carbono-o-clima/

A anta, o carbono, o clima

Você pensa que uma coisa não tem a ver com as outras? Está enganado! E vou explicar por quê…

Notícias - 06-01-2016 Bichos Imprimir Pdf

Quando pensamos em bichos, pensamos em cadeia alimentar, ecossistema, biodiversidade. Quando pensamos em carbono, pensamos em efeito estufa, fotossíntese, floresta. E, quando pensamos em clima, pensamos em calor, frio, chuva. Parece difícil juntar todas essas coisas, mas pode apostar: neste planeta que chamamos de lar, tudo está conectado!

A anta é um animal de grande porte, capaz de dispersar grandes sementes e, assim, ajudar na renovação das árvores de madeira dura da mata atlântica. (foto: Mauro Galetti)

A anta é um animal de grande porte, capaz de dispersar grandes sementes e, assim, ajudar na renovação das árvores de madeira dura da mata atlântica. (foto: Mauro Galetti)

Acompanhe o raciocínio: as florestas desempenham um serviço muito importante ao planeta, chamado pelos cientistas de sequestro de carbono. Ao realizarem fotossíntese, elas capturam o gás carbônico da atmosfera e liberam oxigênio – um processo que ajuda a equilibrar o clima, já que o excesso de gás carbônico aumenta o efeito estufa e aquece a Terra. Então, florestas têm tudo a ver com o clima!

Mas onde entram as antas nessa história? Calma, que eu já explico. Na natureza, os animais, especialmente mamíferos e aves, atuam como dispersores de sementes, isto é, carregam as sementes de um lugar a outro, para que possam brotar e formar novas plantas. Então, a presença desses bichos é fundamental para que a população de árvores de uma floresta se renove.

Nas florestas onde a fauna é preservada, a dispersão das grandes sementes é realizada por animais de grande porte. A presença de árvores de madeira dura aumenta a capacidade da mata de absorver gás carbônico. (gráfico: Mauro Galetti – tradução livre)

Nas florestas onde a fauna é preservada, a dispersão das grandes sementes é realizada por animais de grande porte. A presença de árvores de madeira dura aumenta a capacidade da mata de absorver gás carbônico. (gráfico: Mauro Galetti – tradução livre)

Numa floresta, as espécies vegetais que capturam mais carbono da atmosfera são, em geral, as árvores grandes e de madeira dura. Ao mesmo tempo, elas também costumam produzir as maiores sementes. Por isso, precisam de grandes animais para espalhá-las por aí. A anta é uma grande parceira nesse trabalho – mas não a única: na mata atlântica, por exemplo, os muriquis e as jacutingas também ajudam a dispersar grandes sementes.

Sementes de jatobá. (foto: Mauro Galetti)

Sementes de jatobá. (foto: Mauro Galetti)

Infelizmente, as grandes espécies animais são também as mais ameaçadas pela caça e pelo tráfico ilegal. Se elas sumirem das nossas florestas, em breve as matas verão as consequências. “Imagine que uma floresta tem 100 árvores, sendo 20 dispersadas por grandes mamíferos e que produzem madeira dura. Se esses bichos, como a anta, são extintos, essas árvores um dia morrem e são substituídas por outras espécies de madeira mole e sementes menores, como a embaúba”, explica o ecólogo Mauro Galetti, da Universidade Estadual Paulista de Rio Claro. No final, haverá um déficit de carbono, porque as madeiras moles armazenam menos carbono que as madeiras duras.

Mauro disse à CHC que precisamos mudar a forma como pensamos hoje a preservação das matas. Mesmo que uma floresta pareça intacta à primeira vista, se ela não tiver grandes animais como habitantes, está degradada. Na opinião do cientista, as ameaças à fauna devem ser consideradas, portanto, tão graves quanto as queimadas e a exploração de madeira.

Catarina Chagas, editora da CHC online
Desde criança gosto de ler, inventar histórias e descobrir novidades. Cresci e encontrei um trabalho em que posso fazer tudo isso.

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. ai que fofo adoro esses animais muito fofos eu amo tanto que quando crecer eu quero ser veteninaria

  2. Silvana Santana disse:

    Meu nome é Silvana e atuo como gestora de mídias na EMEB Alfredo Scarpelli. Atualmente as turmas do 4ºano do ensino fundamental I, da minha escola estão trabalhando o tema “Carta do Leitor”. A Profº Claudia tem trabalhado a revista Ciência Hoje diariamente, a qual assinamos por alguns anos.
    Gostaríamos de saber como proceder para o envio de email ou cartas para a editora, com o objetivo de dar continuidade ao projeto desenvolvido na unidade escolar, se existe a possibilidade de resposta aos nossos email.

    Agradeço desde já a atenção e conto com o apoio oferecido pela editora.

  3. Karoline Castro da Silva disse:

    Ótimo Texto, com uma linguagem baste acessível e compreensível para todos, quanto ao assunto discutido em questão é bastante sério, realmente as nossas florestas tropicais correm sérios se esses dispersores de grande porte tiverem seu numero de indivíduos reduzidos drasticamente ou até extintos poderá causar um sério problema para ampliação das taxas de reprodução das árvores de madeira dura, cuja capacidade de absorção de CO2 é bastante alta em comparação as de madeira mole. Se caso, ocorre a extinção desses mamíferos dispersores de grande porte, ocorreria um sobrecarregamento dos dispersores de menor porte cuja capacidade de ser alimentar e dispersar não seria capaz de ampliar a propagação de sementes no mesmo ritmo ou eficiência que os de grande porte. Já que os dispersores de porte pequenos desenvolveram uma relação ecológica de alimentação-dispersão com árvores de madeiras moles e sementes pequenas.

  4. helton e daniel disse:

    eu aprendi sobre a anta qui ela é bonita


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Parques e seus mascotes

    No texto de estreia da coluna ‘Parques do Brasil’, saiba como algumas espécies de nossa fauna e flora inspiraram a criação de unidades de conservação

    No norte de Minas Gerais, o Parque Nacional das Sempre Vivas leva esse nome por abrigar uma das maiores concentrações dessa flor típica de regiões campestres. (foto: Junia Andrad / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)
  • O censo da floresta

    Cientistas calcularam o número total de árvores que existem no planeta: 3 trilhões!

    Existem aproximadamente 422 árvores na Terra para cada ser humano. No Brasil, esse número é ainda maior. Segundo o levantamento, nosso país tem 302 bilhões de árvores, o que equivale a 1.494 árvores por habitante. (foto: Alexander Steinhof / Flickr / (a href=https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0)CC BY-NC-ND 2.0(/a))
  • Um santuário para os lobos

    Conheça a Serra do Caraça, área de preservação no coração de Minas Gerais que tem entre seus habitantes mais famosos o lobo-guará

    A relação entre os lobos-guarás e os administradores do Santuário já dura muitos anos. Ao alimentar esses animais, os responsáveis têm o cuidado de não comprometer seus hábitos alimentares naturais – afinal, os lobos precisam continuar se alimentando também na natureza! (foto: Padre Lauro Palú)
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail