Uma missão para o Brasil

Se você curte astronomia, vai adorar saber que um grupo de cientistas brasileiros será responsável por uma missão muito especial: lançar a primeira sonda que pousará em um asteroide triplo. O envio da sonda foi batizado de missão Áster e será a estreia do Brasil na exploração espacial.

A sonda será enviada em 2017 e, dois anos depois, em 2019, pousará no 2001-SN263, um asteroide que é considerado triplo por ter dois satélites. De lá, a sonda vai enviar para a Terra informações sobre composição, estrutura e forma do asteroide. “Isso nos permitirá conhecer a formação e a evolução do sistema solar, e estudar a possibilidade de a vida na Terra ter tido origem com uma contribuição vinda de asteroides”, conta o físico Othon Winter, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, um dos responsáveis pelo projeto.

Esta deve ser a aparência da sonda que realizará a Missão Áster (Ilustração: Instituto de Pesquisas Espaciais da Rússia / IKI)

Outra parte importante da missão é a busca por matéria orgânica – ou seja, por moléculas que participam da composição dos seres vivos. “Por telescópios, observamos que o 2001-SN263 contém silicatos hidratados (como se fossem ‘grãos de areia umedecidos’) e, possivelmente, materiais orgânicos”, explica Othon.

Para chegar ao espaço, a sonda pegará carona com um foguete e entrará na órbita da Terra. Mas o passo seguinte é complicado: para ir da órbita terrestre até o asteroide, a sonda precisa de uma quantidade enorme de combustível, o que tornaria a missão muito cara. Como alternativa, a equipe decidiu mover a sonda com um sistema a gás que reduz em 10 vezes a necessidade de combustível. “O gás usado se chama xenônio e a tecnologia está sendo desenvolvida aqui mesmo no Brasil”, diz Othon.

A sonda ainda não começou a ser construída, mas os cientistas estão trabalhando a todo vapor. “Já estão sendo feitos os projetos dos equipamentos científicos que irão a bordo dela”, conta Othon. Estamos ansiosos!

Um é bom, três é novidade

Asteroide Ida com seu satélite à direita (Foto: Wikimedia Commons)

Até quase 20 anos atrás, os cientistas acreditavam que todo asteroide era um corpo solitário no espaço. Em 1994, descobriu-se que um asteroide chamado Ida tinha um satélite, formando um sistema binário. A partir daí, vários sistemas binários foram encontrados, mas só em 2005 veio a grande surpresa: alguns asteroides eram orbitados por dois satélites e formavam sistemas triplos! Até hoje, apenas asteroides solitários foram visitados por sondas e nenhum deles era do tipo que contém matéria orgânica.

Matéria publicada em 18.02.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Mariana Rocha

Cresci gostando de fazer descobertas para escrever sobre elas. Na CHC consigo ser curiosa e escritora, tudo ao mesmo tempo!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat