Um cometa passando no céu

Setembro de 1999. O telescópio do Laboratório Lincoln, nos Estados Unidos, procura asteróides em rota de colisão com a Terra quando, de repente, algo é detectado! Será um asteróide vindo em nossa direção? Felizmente, o alarme era falso. Tratava-se de um cometa, desconhecido e inofensivo, que, depois do susto, foi batizado de Linear (sigla do nome do laboratório).

O Linear prosseguiu sua viagem pelo espaço sendo observado pelos astrônomos. No dia 26 de julho, o cometa alcançou a menor distância em relação ao Sol, chamada de periélio: “apenas” 114 milhões de quilômetros. Para as medidas terrestres, pode parecer muito, mas para as distâncias no espaço, é quase nada! O Linear também está bem perto do nosso planeta, a cerca 56 milhões de quilômetros. Por isso, é possível vê-lo a olho nu daqui da Terra.

É mais fácil observar o Linear do Hemisfério Norte. Também é possível vê-lo do Brasil, que fica no Hemisfério Sul, mas será mais difícil. Os melhores dias para ver o cometa são os do final de julho e início de agosto. A dica é conseguir um binóculo e olhar para o céu logo depois do pôr-do-sol, na direção do oeste-noroeste (perto de onde o Sol se põe). Nesses dias, o cometa estará saindo da constelação de Leão e entrando na de Virgem. Peça ajuda a alguém que conheça as estrelas para saber onde ficam essas constelações no céu.

Como todos os cometas, o Linear é formado por gelo e poeira cósmica. Quando um cometa se aproxima do Sol, a temperatura sobe e o gelo… Não, o gelo não derrete. Nesse caso, ele sublima, ou seja, passa diretamente do estado sólido para o gasoso, formando o que conhecemos como cauda do cometa. Como o Linear nunca passou perto do Sol, o gelo que o forma nunca foi sublimado: continua intacto. Por isso, os astrônomos esperam que ele seja muito brilhante.

Ainda não se conhece a órbita do Linear. Mas os cientistas acreditam que ele levará dezenas de milhares de anos para ser visto da Terra novamente. Então… não perca a chance de ver esse cometa do observatório de sua cidade ou com a ajuda daquele seu tio, vizinho, amigo ou conhecido que vive olhando as estrelas…

Matéria publicada em 30.10.2000

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Mara Figueira

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat