Sucesso na decolagem

Da esquerda para a direita, o brasileiro Marcos César Pontes e seus companheiros de viagem: o russo Pavel Vinogradov e o norte-americano Jeffrey Williams (fotos: AEB/MCT).

Agora é sério! Nosso astronauta, o tenente-coronel Marcos César Pontes, já está a bordo da nave espacial Soyuz TMA-8 na companhia de mais dois cosmonautas. A Missão Centenário – como é chamada a viagem do astronauta, por estar se realizando 100 anos depois do vôo pioneiro de Santos-Dumont com o 14-Bis – teve início às 23h30 desta quarta-feira, horário do Brasil. A nave partiu da base de Baikonur, no Cazaquistão, país da Ásia, rumo à Estação Espacial Internacional.

A decolagem da Soyuz foi um sucesso. Logo depois de sua partida, imagens mostraram o astronauta brasileiro acenando para a câmera e apontando para a bandeira do Brasil, bordada em sua roupa espacial.

A Estação Espacial Internacional fica em órbita a 350 quilômetros da Terra, mas a Soyuz só deve chegar na madrugada deste sábado, após completar algumas voltas em torno de nosso planeta (leia Longo caminho , algumas linhas abaixo).

Para o espaço, Marcos César Pontes levou cerca de 15 quilos de bagagem, entre experimentos, utensílios pessoais e itens que representam o Brasil, como moedas e selos, além de uma camisa da seleção e uma réplica do chapéu de Santos-Dumont.

Durante os oito dias que permanecerá na Estação Espacial Internacional, o astronauta brasileiro deve fazer pelo menos três contatos com a Terra. Seu retorno está marcado para 8 de abril. A CHC On-line acompanha cada dia da missão de Marcos César Pontes. Permaneça ligado!

 Longo caminho

 

A Estação Espacial Internacional, destino final da nave Soyuz TMA-8. A Estação fica em órbita da Terra, a 350 quilômetros de altura.



A nave espacial que tem a bordo o astronauta brasileiro levará dois dias para chegar à Estação Espacial Internacional (ISS). Sabendo que a Estação está a 350 quilômetros de altura da Terra, você poderia se perguntar: puxa, mas por que a viagem vai demorar tanto? Afinal, pense bem: em nosso planeta, essa distância pode ser percorrida em menos de cinco horas de carro – um veículo que, convenhamos, é muito mais lento do que uma espaçonave do porte da Soyuz TMA-8, cuja velocidade chega a dezenas de milhares de quilômetros por hora.

A questão é que a espaçonave não percorre um caminho em linha reta até a Estação Espacial Internacional. Ao contrário: a Soyuz TMA-8, assim como qualquer outra nave no seu lugar, em vez de seguir 350 quilômetros em linha reta, sobe à medida que vai girando em torno da Terra. Uma das razões para isso é que a Estação Espacial Internacional não está imóvel: ela gira ao redor da Terra e muito mais depressa do que o planeta. Em pouco mais de duas horas, a ISS já deu a volta completa no globo. São quase 16 voltas a cada 24 horas!

Para poder se acoplar a ela, como acontecerá dentro de poucos dias, a Soyuz TMA-8 precisa, além de atingir 350 quilômetros de altitude, estar à mesma velocidade que a Estação Espacial Internacional. É como subir num ônibus em movimento, em que é preciso correr para atingir a sua velocidade. Só que, neste caso, a Soyuz TMA-8 deve fazer um encaixe perfeito com a estação espacial. E não é nada fácil manobrar no espaço!

Em resumo, a trajetória da nave Soyuz TMA-8 até se acoplar à estação ocorre de forma gradativa e por isso leva tanto tempo. No final das contas, o caminho que ela percorre fica muito mais parecido com uma espiral do que com uma linha reta.

Matéria publicada em 30.03.2006

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat