Que cor é essa?

Qual é a sua cor favorita? Essa parece uma pergunta simples, mas pode ser bem complicada para quem tem daltonismo – um distúrbio da visão que faz com que a pessoa ache difícil diferenciar uma cor de outra, confundindo, por exemplo, o verde com o vermelho.

Lápis de cor

Escolher um lápis para fazer um desenho colorido pode parecer uma tarefa simples. Mas e se você não conseguir distinguir uma cor da outra, como fazer? (Foto: Vanessa Maurer/ Flickr)

Para admirar o azul do céu ou escolher uma maçã bem vermelha no mercado, seu olho precisa de três tipos de células chamadas cones. Cada conjunto de cones nos ajuda a enxergar uma cor primária – verde, vermelho ou azul – e suas combinações. Ao observarmos alguma coisa, esses cones entram em ação e enviam mensagens para o cérebro, que vai usar essas informações para formar uma imagem.

“No caso do daltonismo, a pessoa pode não ter cones em quantidade suficiente para ver a cor certa ou a mensagem sobre a cor não chega ao cérebro”, explica o oftalmologista Mário Araujo, do Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Para saber se alguém tem esse distúrbio, o oftalmologista – médico que cuida da visão das pessoas – mostra cartões com números coloridos em um teste chamado Ishihara (veja a figura). Na maioria das vezes, o daltônico confunde o verde com outras cores. Já em alguns casos raros de daltonismo, a pessoa não enxerga nenhuma cor, vendo tudo em preto e branco – como as televisões de antigamente.

Teste de Ishihara

Você consegue identificar o número 26 neste teste de Ishihara? (Foto: Chuck Sumner/ Flickr)

O daltonismo é uma característica quase sempre herdada dos pais, assim como a altura ou o tamanho do nariz. Ele atinge geralmente os meninos e não tem cura, mas, segundo o jornalista daltônico Carlos Urbim, autor do livro Um guri daltônico (Editora Edelbra), confundir cores tem algumas vantagens. “Não é preciso, por exemplo, ter um estojo com 48 lápis de cores diferentes. Afinal, o que o daltônico vai fazer com tantos tons que não consegue enxergar?”, brinca Carlos. Uma boa tática para colorir sem erro é colar nos lápis etiquetas com o nome de cada cor.

Matéria publicada em 24.01.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Mariana Rocha

Cresci gostando de fazer descobertas para escrever sobre elas. Na CHC consigo ser curiosa e escritora, tudo ao mesmo tempo!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat