Pterossauro na terra dos vampiros

Transilvânia, na região da atual Romênia, ficou conhecida no mundo inteiro por servir como palco das histórias do famoso Conde Drácula, vampiro criado pelo escritor irlandês Bram Stoker no século 19. Agora, o local consagrado pela ficção ganhou fama entre os paleontólogos por outro motivo: recentemente, cientistas descobriram ali uma nova e importante espécie de pterossauro.

Na ilustração, você confere os ossos estudados pelos pesquisadores na descoberta do Eurazhdarcho langendorfensis. O estudo das vértebras possibilitou aos cientistas identificar o fóssil como uma nova espécie de pterossauro (Imagem cedida pelo pesquisador)

O fóssil recebeu o nome de Eurazhdarcho langendorfensis e foi encontrado por uma equipe internacional de pesquisadores que incluía o brasileiro Alexander Kellner, paleontólogo do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ele contou à CHC que o novo pterossauro media cerca de três metros da ponta de uma asa à outra – um tamanho considerado pequeno em comparação a outras espécies do grupo dos Azhdarchidae, ao qual a espécie pertence.

Todas as pesquisas foram baseadas em um esqueleto incompleto, compreendendo pelo menos três vértebras do pescoço e restos da asa do animal. Parece pouco, mas este é o mais completo registro fóssil de Azhdarchidae já descoberto na Europa.

Pterossauros do grupo dos Azhdarchidae já haviam sido encontrados nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão e na antiga União Soviética. Agora, a descoberta de um exemplar na Europa ajuda a definir a área que esses animais ocupavam no passado (Ilustração: Mark Witton e Darren Naish / CC BY 3.0)

Outros pterossauros do grupo já foram encontrados nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão e na antiga União Soviética. “A nova descoberta ajuda a definir a área que esses pterossauros ocupavam no passado”, explica Alexander. O grupo dos Azhdarchidae se diferencia dos outros pterossauros pelas vértebras cervicais bem alongadas – característica observada no E. langendorfensis.

Os pterossauros viveram em meio aos dinossauros durante o período do Cretáceo, mas não são considerados dinossauros, e sim répteis voadores. Apesar de serem raros, seus fósseis são encontrados em diversas partes do mundo. Até hoje, os pesquisadores já identificaram quase 200 espécies de pterossauros, incluindo 27 no Brasil.

Matéria publicada em 20.03.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Fernanda-Tavora

Sou curiosa até não poder mais! Gosto de conhecer diversos assuntos e, aqui na CHC, aprendo mais e mais todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?