Pré-história em exposição

Se você se amarra em bichos pré-históricos mas não sabe muita coisa sobre esses animais, está na hora de pesquisar! Para ajudar na busca por informações, que tal visitar uma exposição? Na mostra Dinossauros e pterossauros – momentos da vida primitiva , em cartaz na Estação Ciência, em São Paulo, você pode conhecer a história desses seres que existiram há milhões de anos e seus mistérios.

O Allosauros fragilis é uma das estrelas da exposição Dinossauros e pterossauros - momentos da vida primitiva (foto: Eduardo Cesar)

Mas misterioso — ou melhor, assombroso — é o tamanho dos animais que estão em exposição! Duas réplicas podem ser apreciadas. Uma é a do dinossauro Allosauros fragilis , o maior predador de sua época, com onze metros de altura. Esse animal viveu há 145 milhões de anos, no período chamado Jurássico.

A outra réplica é a de um pterossauro, o Anhanguera pistacor , que viveu, veja só, no Brasil! Esse réptil era encontrado entre os estados do Ceará e Piauí, no Período Cretácio, há 110 milhões de anos. Seu corpo era um pouco maior que o de um cachorro grande, mas em compensação sua envergadura — a distância de uma ponta da asa à outra — chegava a cinco metros. É isso aí: além de tudo o bicho voava e tinha dentes muito afiados!

Se você pensa que só os dinossauros e pterossauros eram os gigantes do pedaço, está muito enganado. Outros animais enormes existiram, principalmente na água, como os plesiossauros, que viveram há 240 milhões de anos. “No longo período em que esses animais ainda viviam, na Era Mesozóica, a Terra era bem diferente da que vemos hoje, os continentes não eram divididos e formavam um só ‘supercontinente’ chamado Pangea”, diz o Professor Luiz Eduardo Anelli, do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo e um dos responsáveis pela exposição.

Anelli também comanda o site Oficina de Réplicas, que traz figuras, esquemas e desenhos de fósseis. “Os fósseis são uma fotografia do passado, uma janela através da qual podemos viajar pelo tempo”, compara.

Por falar em fósseis, restos de animais e plantas que viveram na terra há milhões de anos também estão em exposição. Podem ser apreciados dentes de dinossauros e de tubarões, além de um esqueleto de um dinossauro voador, o Archaeopteryx , que tinha penas parecidas com das aves de hoje.

Além disso, cinco vídeos com animações mostram as formas de vida que habitavam a Terra, há um bilhão de anos. Os filmes levam você a viajar no fundo do mar, caçar camarões pré-históricos e nadar com o Arandaspis , o peixe mais antigo de que se tem notícia, que viveu há 480 milhões de anos. Ele não tinha mandíbulas e, por isso, nadava com a boca sempre aberta para poder se alimentar.

Viajar no tempo, conhecer animais extintos, a forma de vida dos seres pré-históricos e ainda pegar umas dicas para arrasar nas aulas de ciências: tudo isso você pode conseguir se divertindo. Vá conhecer a exposição!

Dinossauros e Pterossauros – momentos da vida primitiva
Onde?
Estação Ciência – Rua Guaicurus, 1274/1394 – Lapa – São Paulo/SP
Quando?
Exposição permanente: de terça à sexta, das 9h às 18h;
sábados e domingos, das 13h às 18h
Quanto?
Grátis!

Matéria publicada em 15.07.2004

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat