Perigo no galinheiro

Galos, galinhas e pintinhos de lenço debaixo das asas para assoar o bico. É essa a idéia que você faz da gripe do frango? Então vamos conter a imaginação! As aves afetadas pela doença, claro, não agem assim. Na verdade, elas podem perder as penas, parar de crescer, entre outras conseqüências desagradáveis. Mas você sabia que, por causa dessa doença, milhões de aves foram sacrificadas nos últimos dois anos? O motivo? Elas estariam transmitindo sua gripe para seres humanos! Será possível?

Chamado de H5N1, esse vírus de gripe era encontrado somente em aves. Mas, em 1997, foram registrados, em Hong Kong, na China, os primeiros casos de pessoas infectadas por ele. Na época, 18 ficaram doentes, das quais seis morreram. Foi preciso sacrificar cerca de um milhão e quinhentos mil frangos para evitar que a doença se espalhasse.

Em 2003, a gripe das aves voltou a fazer vítimas – o que acontece ainda hoje. Com isso, mais de 20 milhões de aves infectadas pelo H5N1 em cerca de 15 países tiveram de ser mortas. Somente em cinco países, porém, pessoas tiveram a doença: China, Indonésia, Vietnã, Camboja e Tailândia. Houve 68 mortes entre os 132 doentes.

Pode parecer estranho que alguém possa pegar uma gripe de aves. Porém, o H5N1, como qualquer vírus da gripe, tem grande capacidade de mutação. Por isso, se tornou capaz de infectar os seres humanos. “Porém, esse vírus é muito mais agressivo ao nosso organismo do que os vírus de gripe que costumam nos atacar”, conta Francisco Inácio Bastos, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz. No ser humano, ele causa febre, mal estar, tosse, dor de garganta, além de infecções graves, especialmente nos pulmões, que podem levar à morte.

Como o H5N1 é diferente dos outros vírus da gripe, não temos defesas prontas contra ele. Sua capacidade de mutação também dificulta a criação de uma vacina, daí a preocupação de a gripe do frango virar uma epidemia mundial (ou pandemia). Antes que você entre em pânico com alguém que espirre ao seu lado, lembre-se que em apenas cinco países há casos de pessoas com a doença – e o Brasil não está entre eles. Além disso, saiba que a gripe do frango não é transmitida de pessoa para pessoa. Para pegar a doença, é preciso entrar em contato com os resíduos da decomposição das fezes e do corpo de aves mortas. Ao menos por enquanto. E pode continuar a comer seu franguinho sem medo: os cientistas garantem que comer carne de frango, devidamente cozida, não transmite a gripe.

Porém, os especialistas também acham muito provável que o vírus se misture ao da gripe humana comum e, com isso, passe a ser transmitido como ela: por meio do ar. “Isso poderia acontecer caso uma pessoa com gripe comum acabasse pegando também a gripe do frango”, explica Francisco. O H5N1, então, poderia se espalhar muito mais depressa pelo mundo, ajudado pelos transportes de longa distância, como os aviões. Até agora a única forma do vírus se espalhar pelo planeta é por meio de aves migratórias infectadas pelo H5N1.

Alguns remédios que interrompem a ação dos vírus já foram testados e considerados eficientes no tratamento da gripe. Dessa forma, não há por que a população ficar em pânico, com medo de pegar a doença. Ela ainda está restrita a países da Ásia e, apesar de provável, ainda não é certo que vá se misturar à gripe comum. “Por isso, não temos certeza se uma epidemia mundial vai realmente acontecer”, explica Francisco. “E estamos nos preparando para tornar seus efeitos os menores possíveis, caso ocorra.”

Matéria publicada em 16.12.2005

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Marcelo-Garcia

Sou um curioso apaixonado por ciência e adoro quadrinhos e ficção científica. Quase virei cientista, mas preferi me dedicar a mostrar pra todo mundo que a ciência está em tudo ao nosso redor!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat