COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/parede-de-tubaroes/

Parede de tubarões

Centenas desses peixes se reúnem no atol de Fakarava

Fundo do mar - 23-01-2017 Bichos Imprimir Pdf

Férias de verão! Essa é a época de muita gente curtir o calor na praia, com a família e os amigos, e com um refrescante banho de mar. Mas, já pensou dar de cara com um tubarão durante um mergulho? E com centenas deles? Pois foi isso que aconteceu nas minhas férias!

Já imaginou mergulhar com centenas de tubarões? (foto: João Paulo Krajewski)

Já imaginou mergulhar com centenas de tubarões? (foto: João Paulo Krajewski)

Apesar de muita gente ter medo de tubarões, a maioria deles não oferece risco a nós, seres humanos. Ataques de tubarões são muito raros e, das mais de 400 espécies de tubarão, apenas três são responsáveis por ataques graves a humanos. Mesmo no caso dessas espécies, os ataques geralmente acontecem em situações particulares (mas isso é assunto para outra coluna).

Tubarões são fundamentais para o bom funcionamento dos oceanos, além de darem charme especial aos mares, por sua graça e formato únicos. Não é à toa que ver tubarões em seu ambiente natural é um sonho para a grande maioria dos mergulhadores, inclusive eu!

tubaroes02

Ver tubarões de pertinho na natureza é um sonho para admiradores do mundo marinho. (foto: Roberta Bonaldo)

Um dos locais tropicais mais famosos para mergulhar com tubarões é o atol de Fakarava, no Oceano Pacífico, onde passei minhas férias. Assim como outros atóis, Fakarava é uma ilha de formato ovalado construída por organismos marinhos (em Fakarava, principalmente por corais). A parte de dentro do atol é uma grande laguna, semelhante a uma piscina, e, na parte de fora, está o oceano aberto. A ilha tem dois canais que ligam a laguna com o oceano, e neles existe uma grande concentração de animais marinhos. Lá, os tubarões são um espetáculo à parte! Quando a água flui do oceano para dentro do canal, pela variação de maré, muitos tubarões se reúnem, e é possível ver centenas deles em menos de uma hora de mergulho. Afinal, só no canal sul do atol existem de 250 a 900 desses animais dependendo da época do ano!

O canal sul do atol de Fakarava abriga centenas de tubarões cinzentos ((i)Carcharhinus amblyrhynchos(/i)). (foto: João Paulo Krajewski)

O canal sul do atol de Fakarava abriga centenas de tubarões cinzentos ((i)Carcharhinus amblyrhynchos(/i)). (foto: João Paulo Krajewski)

Essa grande quantidade de tubarões deixou os cientistas intrigados. Afinal, já imaginou a quantidade de peixes menores necessária para alimentar tantos? Fazendo alguns cálculos, os cientistas perceberam que a quantidade de peixes que vive no canal não seria capaz de sustentá-los. Porém, o canal serve como local de reprodução para várias espécies de peixes e, em certas épocas do ano, milhares de peixes de diversos recifes de coral migram para o canal, onde passam alguns dias enquanto desovam. Predadores eficientes, os tubarões se aproveitam dessas grandes agregações, e fazem um verdadeiro banquete.

Tubarões cinzentos espreitam um cardume de vermelhos ((i)Lutjanus gibbus(/i)) (acima) e atacam um aglomerado de peixes-cirurgiões ((i)Acanthurus triostegus(/i)) na época da reprodução (abaixo). (foto: João Paulo Krajewski)

Tubarões cinzentos espreitam um cardume de vermelhos ((i)Lutjanus gibbus(/i)) (acima) e atacam um aglomerado de peixes-cirurgiões ((i)Acanthurus triostegus(/i)) na época da reprodução (abaixo). (foto: João Paulo Krajewski)

Longe de serem vilões, os tubarões são fundamentais para o bom funcionamento dos mares. Eles controlam as populações de peixes, ao se alimentar deles, ou modificam o comportamento de peixes menores, ao causar medo e afugentá-los de alguns locais. Encontrar um local com populações grandes e saudáveis de tubarões, como Fakarava, é praticamente um atestado do bom estado de saúde do recife e de seus habitantes. E uma alegria para qualquer admirador dos oceanos!

Roberta Bonaldo, Grupo de História Natural de Vertebrados, Universidade Estadual de Campinas
Amo o mar! Meu trabalho é procurar histórias curiosas desse fantástico universo.

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. arthur e mariana disse:

    nós adoramos o texto, porque descobrimos coisas novas, por exemplo: são poucas as especies que atacam humanos

  2. IRINEU disse:

    nós adoramos o texto porque descobrimos coisas novas,por exemplo: que são poucas as espécies que atacam os humanos

  3. IRINEU disse:

    nós adoramos o texto porque descobrimos coisas novas como , que são poucas as espécies que atacam os humanos

  4. Cocô disse:

    achei legal

  5. Anna Elise disse:

    Sinto muito medo dos tubarões, mas nesse texto eu aprendi que eles são muito legais.

  6. maria eduarda disse:

    adorei ! mesmo sendo o primeiro dia que entro no site eu adorei! bom… prefiro que os tubaroes fiquem lá e eu ca !

  7. Elizete disse:

    Gostei da matéria, muito bem escrita e ilustrada.
    Conheça também o meu Canal “Ensinando meu Filho”, deixe seu apoio e inscreva-se https://www.youtube.com/channel/UCo_GJ-xMCWCeJ4jrPxcFk_A?sub_confirmation=1 . Obrigado. “

  8. Ivan Sazima disse:

    A matéria está uma delícia, texto muito bem feito, imagens lindas e bem escolhidas. Parabéns!


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Peixe com camarão

    Gosta de peixe com camarão? Pois saiba que essa combinação é perfeita, principalmente no fundo do mar…

    Um gobio ((i)Amblyeleotris yanoi(/i)) junto a seu companheiro de toca, o camarão ((i)Alpheus randalli(/i)). (foto: João Paulo Krajewski)
  • Perdendo as cores

    As microalgas e o branqueamento de corais

    Em determinadas situações, os corais se estressam e expulsam as microalgas, tornando-se branqueados ou pálidos, como essa colônia de (i)Acropora(/i) sp.. (foto: Roberta Bonaldo)
  • Siga aquele peixe!

    Conheça as manobras dos animais marinhos na hora do lanche.

    Levantou poeira! Assim, a raia-prego ((i)Dasyatis americana(/i)) pode afugentar peixes e invertebrados quando se alimenta. Por isso, é seguida de perto por outros peixes, como o bodião-de-pluma ((i)Lachnolaimus maximus(/i)) e a Guaiúba ((i)Ocyurus chrysurus(/i)), que tentam capturar os animais afugentados. (foto: João Paulo Krajewski)
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail