O que seria de nós sem eles?

Olhe à sua volta. Pense em tudo o que você já aprendeu e responda: qual é a invenção mais importante de toda a história da humanidade? O computador? A televisão? Em meio a tantas descobertas, é bem complicado definir aquelas que são as mais importantes, não é?

Apesar disso, o escritor americano Tom Philbin não desanimou frente ao desafio. Ele fez uma lista com as invenções que considera dignas de nota e selecionou uma centena para apresentar no livro As 100 maiores invenções da história , publicado pela editora Difel.

Fruto de muita pesquisa e reflexão, a obra traz a roda como a primeira colocada do ranking – nada mais justo, já que, se olharmos com cuidado, essa antiga invenção está presente em quase tudo à nossa volta. Mas existem muitas surpresas, como a presença do vaso sanitário na lista e, acredite, em boa colocação!

Mas qual a importância de uma invenção? Melhorar a vida do ser humano? Torná-la mais confortável? Como é muito difícil responder a essa pergunta, você pode não concordar com as escolhas de Philbin. Então, que tal fazer sua própria lista, com as maiores invenções da humanidade na sua opinião? Antes, no entanto, vamos conhecer a fantástica história de algumas delas. A posição de cada uma no ranking das 100 mais está entre parênteses, para você concordar ou… discordar!

O papel (12ª)

A história do papel começou na China, há quase dois mil anos. No ano 49 antes de Cristo (a.C), os chineses já fabricavam papel a partir de cascas de árvores, de bambu e de uma planta chamada cânhamo. Da China, o papel chegou ao Japão (onde era usado também para fazer bonecas, leques e até divisórias para casas!) e à Europa, por meio dos árabes. O papel como conhecemos hoje começou a surgir em 1852, quando passou a ser produzido a partir da polpa da madeira.

Os óculos (16ª)

Os primeiros óculos surgiram entre 1268 e 1289, em Veneza, na Itália. Mas eles não eram bem como conhecemos hoje. Na verdade, nem mesmo as lentes eram feitas de vidro e sim de um mineral chamado quartzo! Por quê? Simples: o vidro ainda não havia sido inventado! Além disso, durante um bom tempo, as lentes foram coloridas, pois se acreditava que a lente branca deixava passar muita luz. O preço salgado – chegavam a custar o equivalente a milhares de reais – permitia que só os mais ricos possuíssem óculos, mas em muitos lugares, como na Inglaterra e na França, ele só era usado em segredo, escondido de todo mundo. Na Espanha, por outro lado, quem usava óculos era visto como alguém de maior importância e dignidade. Vai entender!

O vaso sanitário (20ª)

Apesar de relatos sobre vasos sanitários existirem há mais de quatro mil anos na Índia, foi somente no século 18 que ele se popularizou. Os primeiros modelos foram criados em 1596, mas só em 1738 foi inventada uma privada com válvula de descarga e apenas em 1775 surgiu o primeiro vaso que mantinha sempre água no fundo, diminuindo os odores. Antes disso, as pessoas se livravam dos dejetos enterrando-os nos bosques, atirando-os pela janela nos esgotos a céu aberto ou nos rios.

A anestesia (34ª)

Já pensou fazer uma operação sem anestesia? Pois há cerca de 200 anos, não havia escolha. Afinal, a história da anestesia só começa no século 18, quando se descobriu que o óxido nitroso deixava as pessoas insensíveis à dor. Em 1842, pequenas cirurgias começaram a ser feitas com éter – uma substância parecida com o óxido nitroso – como anestésico. Porém, a anestesia só passou a ser oficialmente empregada quatro anos depois e logo surgiram técnicas e compostos que permitiam anestesias locais. Pense bem: será que, sem a anestesia, a maioria dos nossos avanços na medicina seria possível?

As embarcações de madeira (40ª)

Durante milhares de anos, os barcos de madeira permitiram que o ser humano explorasse o mundo, comercializasse suas mercadorias, entre outros feitos. Os primeiros barcos aparentemente foram construídos por volta de 4000 a.C., pelos fenícios, povo que vivia no Oriente Médio. Com barcos com uma única vela, 60 metros de comprimento e até 200 remadores, eles foram os primeiros a fazer sucesso com o comércio marítimo. Séculos depois, os gregos dominaram os mares e criaram embarcações mais longas, voltadas para a guerra.

O relógio (44ª)

Não é de hoje que o ser humano procura marcar o tempo. Há 5000 anos, os egípcios já se orientavam por meio das sombras projetadas pelo Sol. O primeiro tique-taque de um relógio, porém, só foi ouvido em 1285, com a invenção do mecanismo capaz de mover as engrenagens em intervalos regulares. Nessa época, os relógios possuíam apenas o ponteiro das horas e eram bastante imprecisos. O ponteiro dos minutos só apareceu em 1680 e o dos segundos, anos depois. A partir da década de 1930, surgem os relógios de quartzo, digitais, os mais utilizados hoje em dia.

Matéria publicada em 07.07.2010

COMENTÁRIOS

  • Eduarda Duarte Dell Aringa

    Oi CHC,
    Eu sou a Duda de 7 anos e estudo no Colégio Unimor, gostei da história do vaso sanitário e do óculos.
    Abraços,Duda.

    Publicado em 6 de agosto de 2020 Responder

  • Henrique freitas faria

    Oi CHC EU sou o henrique eu tenho 10 anos eu estudo no koei arakaki no 5 ano gostei da historia do oculos e da historia do relogio foi muito legau abraços henrique freitas faria.

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

    • Letícia Silva de Araújo

      Oi Henrique , sou
      Letícia Silva de Araújo

      Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • João Miguel eu estudo nuclear aqui e tenho 9 anos 5º ano

    Eu gostei da história do óculos e do relógio

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

    • Oi eu eu me chamo João Miguel e tenho 9 anos e estudo no qual é arakaki e estou no quinto ano

      Eu gostei da história do óculos e do barco

      Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • Maria Eduarda Molina dos Santos

    Eu sou a Maria Eduarda, tenho 10 anos e estudo no Koei Arakaki no 5 ano C. A história que eu mais gostei foi a do vaso sanitário achei muito interessante.

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • João Miguel

    *koei Arakaki

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • Yasmim duarte gouveia

    Eu amei essa história achei muito boa.legal sou do koei arakaki

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • Kauan Candeia Balieiro

    Eu achei legal a história da anestesia pq não sente dor já pensou sem anestesia a dor que deve ser meu nome e Kauan estudo no koei arakaki, 5 C

    Publicado em 18 de fevereiro de 2021 Responder

  • gabrielly graniska

    a minha historia favorita foi a do relogio achei muito interessante

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Mylena Teixeira de Souza

    Oi meu nome Mylena tenho 10 anos e estudo na Escola Bom Pastor Martinus. E amei todas aas histórias!

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Adrian Miguel Elias Maurer

    aqueles que criticam mundo bita são um lixo mas aqueles que nunca assistiram são piores que isso

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Wallace Willians

    oi mais ou menos gostei das historias

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

    • julia

      concordo

      Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Luiz Eduardo tenho 10 anos estudo na escola Bom Pastor Martinus

    Eu adorei todas as histórias

    Publicado em 25 de maio de 2022 Responder

  • Isabela Carvalho dos Reis 10 anos

    Oi adorei todas as histórias são encaroceis e ensina muito

    Publicado em 26 de maio de 2022 Responder

  • Isabela Carvalho dos Reis

    Ensina muito quis dizer

    Publicado em 26 de maio de 2022 Responder

Envie um comentário

Marcelo-Garcia

Sou um curioso apaixonado por ciência e adoro quadrinhos e ficção científica. Quase virei cientista, mas preferi me dedicar a mostrar pra todo mundo que a ciência está em tudo ao nosso redor!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat