O que nos contam as moradias

(Ilustrações: Nato Gomes)

Enquanto os habitantes do Egito construíam suas casas com tijolos de barro, a maioria dos europeus e norte-americanos há muito tempo alojava-se em casas de madeira. Enquanto habitantes de iglus, nas terras geladas da Groenlândia e do Canadá, provavelmente acham bonito decorar seus lares com as peles de animais arrebatados em caçadas, moradores de metrópoles de todo o planeta preferem fazer de seus lares locais de trabalho, decorando salas e quartos com quadros de avisos e microcomputadores.

Vários outros exemplos podem mostrar que a estrutura das moradias nos ensina muito sobre a organização das sociedades em que elas estão localizadas. As cabanas dos índios bororos, no Brasil, são organizadas em um grande círculo, junto ao qual está outra grande cabana, exclusiva para homens. A disposição das cabanas é feita de acordo com as funções de cada um na comunidade o com o lugar que ocupam naquela escala social.

Já nos acampamentos de povos caçadores e coletores da Namíbia, na África, as cabanas – construídas tradicionalmente por mulheres – formam um círculo irregular, cujo centro é sempre uma fogueira, usada para afastar animais ferozes. As cabanas servem para guardar instrumentos, roupas e alimentos, mas são pouco usadas pelos membros do grupo, que passam a maior parte do tempo ao ar livre.

A forma como moramos também é capaz de indicar as transformações que nossa sociedade sofreu ao longo do tempo. Na época em que o Brasil era colônia de Portugal, muitas casas eram feitas de pedra, para durar mais. Nessa mesma época, havia diferenças nas construções de acordo com o local.

Por exemplo: na região de Campos dos Goytacazes, que fica no estado do Rio de Janeiro, a vida era muito rústica, se comparada aos padrões atuais. Mesmo as famílias mais ricas viviam com poucos objetos em casas simples e pequenas, térreas, feitas com tábuas ou ripas de madeira entrelaçadas, amarradas com cipó, embolsadas com barro molhado e cobertas por telhas ou palha. Poucas eram as casas de sobrado, isto é, que tinham um andar superior.

Geralmente, essas construções pertenciam a ordens religiosas de jesuítas e beneditinos. Elas também eram muito diferentes do tipo de casas construídas atualmente: a cozinha era um anexo nos fundos e não havia banheiro. Nem todos os cômodos tinham janelas, mas era grande o número de portas para fora, fazendo com que uma pessoa pudesse entrar e sair sem passar pela entrada principal da casa.

Em cidades como Salvador, na Bahia, a realidade era diferente: desde o século 17 havia casarões, solares e sobrados com muitos cômodos, que incluíam sala de jantar, sala de festas, capela, cozinha, despensa e senzala, que ficava nos porões das grandes casas. Os escravos que ali moravam, além de todos os afazeres domésticos, também tinham atividades pouco desejáveis, como carregar a urina e as fezes dos moradores das casas-grande para despejar fora da cidade.

Tudo isso mostra como é diversa a história das moradias, a forma como os diferentes povos encontram para construí-las e decorá-las. É muito diferente, também, o relacionamento de cada sociedade com o significado que elas atribuem ao lar. Mas é exatamente a diversidade que torna interessante a história das moradias e os pequenos detalhes que fazem, de cada lugar, um lar diferente do outro.

(Esta é uma reedição do texto publicado na CHC 118.)

Matéria publicada em 05.02.2013

COMENTÁRIOS

  • Malu

    Gostei muito deste texto. Ele me ajudou muito numa atividade sobre moradias.

    Publicado em 13 de julho de 2020 Responder

  • João Marcelo

    achei muito maneiro!!!

    Publicado em 13 de julho de 2020 Responder

  • Maria Eduarda Batista de Souza

    Gostei muito. Aprendi como era a moradia de antigamente em vários países do planeta.

    Publicado em 12 de agosto de 2020 Responder

  • Paula Letycia da Silva Alves

    Gostei muito! Fala de como era a sociedade antigamente

    Publicado em 13 de agosto de 2020 Responder

  • Valeria Chavier

    Texto no livro de minha neta. Amei!!!

    Publicado em 27 de agosto de 2021 Responder

  • Débora Cruz do Nascimento

    Interessante, achei bem legal a história é sim bem legal de ler.

    Publicado em 1 de outubro de 2021 Responder

Envie um comentário

Keila Grinberg

Quando criança, gostava de visitar a Biblioteca Nacional, colecionar jornais antigos e ouvir histórias da época de seus avós. Não deu outra: hoje é historiadora e escreve para a coluna Máquina do tempo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat