La Fontaine: de geração em geração

Ele deu vida aos animais ao escrever histórias inesquecíveis. Quem não conhece, por exemplo, “A cigarra e a formiga”? Pois esse texto é de um dos maiores fabulistas da era moderna: Jean de La Fontaine.

Nascido a 13 de julho de 1621 na cidade francesa Château-Thierry, na região de Champagne, La Fontaine não ouviu o pai na hora de decidir seu futuro profissional. Chegou a estudar e completar o curso de direito, mas ser advogado não era sua vocação. Pensou em ser padre, entrou para um seminário e, pouco mais de um ano depois… desistiu!

Aos 26 anos, La Fontaine estava casado. Onze anos depois, separou-se e foi viver em Paris. Sua sensibilidade o despertou para a literatura e, com o apoio de mecenas — homens ricos que patrocinavam os artistas –, ele se dedicou às letras.

Começou escrevendo poemas. Sua primeira obra importante como escritor foi publicada em vários volumes a partir de 1665. Chamava-se Contos e destacava-se pela narrativa provocativa, que visava divertir o leitor. O primeiro dos volumes recebeu o nome de Novelas em versos extraídos de Bocaccio e Ariosto . O último livro dessa série foi finalizado em 1667. E La Fontaine não parou por aí!

Inspirado nas literaturas clássica e oriental, ele começou a escrever fábulas , isto é, histórias em que os animais são personagens que representam os seres humanos e suas manias. Na Antiguidade, o fabulista mais famoso foi o grego Esopo. E foi em Esopo que La Fontaine se inspirou para escrever suas histórias. A série Fábulas foi publicada entre 1668 e 1694, totalizando 12 livros de contos, como “O lobo e o cordeiro”, “A cigarra e a formiga” ou “O corvo e a raposa”, entre outros.

Capa da edição de 1678 das Fábulas e selo francês em homenagem a La Fontaine

Capa da edição de 1678 das Fábulas e selo francês em homenagem a La Fontaine

Em 1684, La Fontaine foi nomeado membro da Academia Francesa por ter feito do classicismo francês uma das mais belas expressões literárias da época. Doze anos mais tarde, já bastante doente, decidiu resgatar seu interesse pela religião. Pensou em escrever uma obra sobre a fé, mas não chegou a fazê-lo. Morreu em 13 de abril de 1695, em Paris, deixando para as gerações futuras várias lições sobre a condição humana.

Na introdução de sua primeira edição de Fábulas ele diz: “Sirvo-me de animais para instruir os homens. Procuro tornar o vício ridículo por não poder atacá-lo com braço de Hércules. Algumas vezes oponho, através de uma dupla imagem, o vício à virtude, a tolice ao bom senso… Uma moral nua provoca o tédio. O conto faz passar o preceito com ele; nessa espécie de fingimento, é preciso instruir e agradar, pois contar por contar me parece de pouca monta.”

Agora que você já conhece a vida de Jean de La Fontaine, que tal ler um pouco mais sobre suas fábulas , ou conferir alguns exemplos? Disponibilizamos para você “A cigarra e a formiga” , “O leão e o rato” e “O pavão queixando-se a Juno“. Clique e confira!

 

Matéria publicada em 25.03.2003

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    A primeira vez que li a história, a cigarra e a formiga, adorei!

    Publicado em 13 de outubro de 2018 Responder

Envie um comentário

Juliana-Martins

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat