Ilhas que contam história

Quem passeia pelas praias de Ipanema e Leblon, no Rio de Janeiro, consegue ver parte das sete ilhas que formam o arquipélago das Cagarras, a cerca de cinco quilômetros da costa. A maioria delas é rochosa e muito íngreme, e nenhuma tem água potável. Então, você pode imaginar: é muito difícil viver por lá. Apesar disso, pesquisas arqueológicas revelaram pistas de que índios tupiguarani passaram pelas ilhas há muito tempo.

Ilha Redonda, onde foram encontrados vestígios de antigos grupos indígenas (Foto: Rita Scheel-Ybert)

Na ilha Redonda – próxima às Cagarras e um pouco mais distante da costa –, um grupo de pesquisadores ligados ao Projeto Ilhas do Rio, realizado pelo Instituto Mar Adentro, estudava a fauna e a flora do arquipélago quando encontrou pedras estranhas. Na dúvida sobre o que seriam, ligaram para a arqueóloga Rita Scheel-Ybert, do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que foi correndo conferir. Quando ela chegou à ilha, confirmou as suspeitas de que os cientistas haviam achado ferramentas de índios!

Algumas das estranhas pedras eram, na verdade, lâminas de machado e mãos de pilão. Outras, batizadas pelos pesquisadores de “quebra coquinhos”, podem ter servido mesmo para quebrar coquinhos, mas também para outras funções ainda não desvendadas. Além das ferramentas, foram encontrados muitos cacos de cerâmica, alguns deles grandes e grossos – que lembram urnas funerárias.

Os achados incluem ferramentas e vários pedaços de cerâmica (Foto: Rita Scheel-Ybert)

Estava provado: alguém tinha passado por aquelas ilhas. Mas para quê? No começo, os cientistas imaginaram que fosse para buscar comida, já que a ilha é atualmente o local escolhido por vários pássaros para o período de reprodução, mas a história provavelmente não foi tão simples. “A ilha é muito rica em alimentos, mas os índios não precisariam levar urnas tão grandes para buscá-los”, argumenta Rita. A nova suspeita, então, é de que o local também fosse usado para ritos e cerimônias.

Os grupos tupiguarani já habitavam a costa do estado do Rio de Janeiro há 3 mil anos, e sabe-se que eram bons navegadores e passearam por diversas ilhas do litoral fluminense, onde outros vestígios foram encontrados (Ilustração: Theodor De Bry)

Como a pesquisa está só começando, Rita ainda não sabe dizer ao certo há quanto tempo as peças estão ali. Mas, para você ter uma ideia, elas foram deixadas por índios ancestrais daqueles que viviam no Brasil quando os portugueses chegaram, em 1500.

Matéria publicada em 14.01.2013

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Nossa, que maneiro!

    Publicado em 17 de novembro de 2018 Responder

Envie um comentário

LucasConrado

Já quis ser astronauta, cientista, astrônomo e biólogo. Sempre gostei muito de ler sobre ciência e hoje adoro escrever sobre isso!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat