Histórias do Marajó

Todo mundo tem certa curiosidade de conhecer o Marajó ou, pelo menos, de saber mais sobre essa imensa ilha localizada na costa do Pará, famosa pela criação de búfalos e sua cultura ancestral. Os povos antigos que ali habitaram nos deixaram a cerâmica mais bela que se conhece no Brasil e muito admirada em todo o mundo. Mas hoje vou escrever sobre outro tesouro marajoara: o Museu do Marajó, já ouviu falar?

Fachada do Museu do Marajó, em Cachoeira do Arari. (foto: Paulo Henrique Ott)

Fachada do Museu do Marajó, em Cachoeira do Arari. (foto: Paulo Henrique Ott)

Foi um padre italiano, Giovanni Gallo, quem teve a iniciativa de montá-lo. Quando foi inaugurado, em 1987, na cidade de Cachoeira do Arari, o museu trouxe muita esperança de que se tornaria um polo de atração para os turistas. As palavras do padre Gallo já diziam: “A nossa preocupação não é recolher objetos, mas sim cultura”. É isso mesmo que pode ser visto nas centenas de peças interativas, que nos ajudam a pensar o modo de vida do caboclo marajoara e suas múltiplas adaptações a esse ambiente.

O padre italiano Giovanni Gallo foi um dos principais responsáveis pela criação do museu. Ele desejava atrair turistas e guardar a história do Marajó. (foto: Reprodução)

O padre italiano Giovanni Gallo foi um dos principais responsáveis pela criação do museu. Ele desejava atrair turistas e guardar a história do Marajó. (foto: Reprodução)

As exposições contam histórias surpreendentes e inusitadas daquelas comunidades, algumas protagonizadas pelo próprio padre. Por exemplo, o caso das piranhas envernizadas!

O caso das piranhas envernizadas

Nosso cenário é a Vila do Jenipapo, no município de Santa Cruz do Arari, às margens do lago do Arari, quase no meio da ilha do Marajó. Lá, as casas são palafitas, estruturas precárias de madeira que ajudam a colocar as construções em lugares mais altos, acima do nível das águas. Esta é uma adaptação da população local para sobreviver aos períodos de cheia dos rios, de janeiro a junho.

O problema é que as tais palafitas são construídas de maneira muito simples, ligadas por passarelas de madeira inseguras, que causam muitos acidentes. Ao chegar à comunidade, padre Gallo notou o problema, mas não tinha recursos para melhorar as construções.

Um dia, durante uma ida a Belém, viu em uma loja de lembranças para turistas aquelas pavorosas piranhas envernizadas com suas bocas escancaradas mostrando os dentes afiados. Teve aí uma ideia brilhante: produzir em série um artesanato de melhor qualidade, que poderia reverter recursos para as comunidades do Jenipapo e de Santa Cruz do Arari.

As piranhas do lago do Arari se transformaram em ‘souvenires’ para os turistas. A venda desses objetos levantou fundos para realizar diversas melhorias na comunidade. (foto: Paulo Henrique Ott)

As piranhas do lago do Arari se transformaram em ‘souvenires’ para os turistas. A venda desses objetos levantou fundos para realizar diversas melhorias na comunidade. (foto: Paulo Henrique Ott)

Então, pescou da janela de sua casa uma piranha que serviria para iniciar seus experimentos. Não foi fácil. Ao tentar injetar formol no peixe com uma seringa, a agulha entortou e jorrou formol direto nos olhos do padre – que perigo! Ele sentiu muita dor e ficou sem enxergar por uma noite inteira, pensando até que teria perdido a visão. Ao acordar, ainda sentindo os olhos ardentes, viu que estava enxergando, mas que precisava ter muito mais cuidado para realizar aquela tarefa.

A partir desse primeiro experimento, montou uma verdadeira linha de produção no salão paroquial, com seus auxiliares bem protegidos com óculos e luvas. Ali, puseram-se a formolizar e embalsamar as incontáveis piranhas do lago do Arari. No total, foram nada menos que 12.000 piranhas produzidas e vendidas pelos quatro cantos do mundo.

As piranhas do padre Gallo ficaram tão famosas que viraram notícia em vários jornais dos Estados Unidos e da Europa. Graças à sua venda, a comunidade levantou recursos para fazer várias melhorias, reconstruindo com madeira de primeira qualidade pontes, passarelas e até mesmo uma pequena pista de pouso para aviões. Até hoje, quase 40 anos depois, as pontes estão no lugar. Quem diria!

Esta e outras histórias estão reunidas no Museu do Marajó, dedicado não só aos objetos, mas também às tradições do povo marajoara. Uma brincadeira, logo na entrada, diz ao visitante: a peça mais antiga deste museu é um fóssil de 190 milhões de anos; a mais nova, você! (foto: Paulo Henrique Ott)

Esta e outras histórias estão reunidas no Museu do Marajó, dedicado não só aos objetos, mas também às tradições do povo marajoara. Uma brincadeira, logo na entrada, diz ao visitante: a peça mais antiga deste museu é um fóssil de 190 milhões de anos; a mais nova, você! (foto: Paulo Henrique Ott)

Quer ouvir mais sobre padre Gallo e o Museu do Marajó? Confira aqui um vídeo sobre o assunto.

Matéria publicada em 24.07.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Salvatore Siciliano

Sou zoólogo e minha especialidade são os mamíferos aquáticos, como baleias e golfinhos. Adoro viajar pelo Brasil descobrindo detalhes interessantes sobre nossos bichos e nossa cultura!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat