Histórias de índios

Ao longo da história do Brasil, desde a colonização, muitas das grandes comunidades indígenas tupi-guarani foram dizimadas por estarem no caminho dos interesses do homem branco. Por sorte, algumas pistas foram deixadas para trás e podem contar suas histórias!

Entre as mais interessantes estão peças de cerâmica produzidas por esses grupos indígenas. Em Alagoas, há um grupo de pesquisadores determinados a estudá-las – eles mapearam os achados arqueológicos dos sítios da região para desvendar essa tradição.

Pintura originalmente com uma cor vermelha muito viva e traços mais grossos, desgastada pela passagem do tempo. (foto: Rute Barbosa)

Pintura originalmente com uma cor vermelha muito viva e traços mais grossos, desgastada pela passagem do tempo. (foto: Rute Barbosa)

Logo de cara, dá para ver que os diferentes grupos fabricavam cerâmicas também diversificadas. “Mas, apesar de cada etnia ter suas particularidades, as cerâmicas produzidas apresentam também muitas características semelhantes”, conta o historiador João Carlos Lima de Morais, da Universidade Federal de Alagoas.

Uma dessas semelhanças é a finalidade das peças: alguns tipos de urnas eram usados para depositar partes dos corpos de guerreiros sacrificados, em cerimônias realizadas pelo grupo. Outras vasilhas, por sua vez, eram utilizadas para guardar mandioca e outros alimentos. E havia ainda inúmeras finalidades para os vasos, que atendiam às diferentes necessidades do dia a dia das aldeias.

Fragmento de cerâmica com detalhes em vermelho sobre um fundo branco, além de linhas finas e pontos. (foto: Rute Barbosa)

Fragmento de cerâmica com detalhes em vermelho sobre um fundo branco, além de linhas finas e pontos. (foto: Rute Barbosa)

João explica que ainda existem mais de 300 etnias indígenas espalhadas pelo Brasil, incluindo alguns grupos tupi-guarani. Embora eles preservem um pouco das tradições passadas, é muito difícil determinar o significado exato das complexas pinturas presentes nas cerâmicas de seus antepassados.

“Os materiais produzidos apresentavam com frequência complexos desenhos geométricos e abstratos nas cores branca, vermelha, preta e cinza”, descreve o pesquisador. “Uma característica importante dessa tradição era o papel central da mulher na produção, uma forma de expressão cultural da qual elas mesmas se orgulhavam.”

Mais pistas

Além de objetos para uso cotidiano, alguns documentos históricos produzidos pelos primeiros colonizadores nos deixaram informações preciosas sobre os tupi-guarani. Um traço cultural marcante que revelam é, por exemplo, a forma de organização das aldeias: as ocas eram dispostas ao redor de uma praça que era palco de diversos eventos sociais da aldeia.

“Ao redor dessa praça, as estruturas poderiam ser das mais diversas, como cabanas para abrigar animais de estimação e depósitos”, explica João. “Se o local de ocupação estivesse em uma área muito disputada, ataques inimigos podiam acontecer. Por isso, eram instaladas paliçadas – algo como uma parede de estacas de madeira – para proteção contra os invasores”, completa.

Matéria publicada em 30.05.2014

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Adorei saber mais sobre os indígenas!

    Publicado em 31 de maio de 2019 Responder

Envie um comentário

Isabelle Carvalho

Desde criança, sempre gostei de ler e escrever histórias. Hoje, estou muito feliz por poder contar muitas histórias sobre ciência na CHC!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat