Gigante carnívora

O reino vegetal tem suas delicadezas – como minúsculas flores de orquídea que medem poucos milímetros. Mas também tem plantas enormes, exuberantes, que chamam atenção por seu tamanho e suas cores. É curioso, mas uma dessas plantas passou despercebida pelos cientistas até bem pouco tempo: a maior planta carnívora das Américas foi descoberta apenas recentemente em Minas Gerais.

As folhas reluzentes da <i>Drosera magnifica</i> chamam atenção dos insetos que, aproximando-se delas, acabam presos, sendo digeridos em seguida. Para o vegetal, a dieta carnívora é uma boa fonte de nitrogênio e fósforo, escassos nos solos onde vive. (foto: Paulo Gonella)

As folhas reluzentes da Drosera magnifica chamam atenção dos insetos que, aproximando-se delas, acabam presos, sendo digeridos em seguida. Para o vegetal, a dieta carnívora é uma boa fonte de nitrogênio e fósforo, escassos nos solos onde vive. (foto: Paulo Gonella)

A Drosera magnifica, como foi chamada, faz parte do grupo de plantas conhecidas como orvalhinhas e tem mais de 1,5 metro de comprimento. Suas folhas, longas e finas, podem chegar a 24 centímetros de comprimento e são muito pegajosas – uma armadilha para capturar os pequenos insetos voadores dos quais se alimenta.

“Os insetos são atraídos e ficam presos nos tentáculos grudentos presentes nas folhas. Na tentativa de escapar, eles acabam tocando em mais tentáculos e ficando cada vez mais presos”, explica o botânico Paulo Gonella, da Universidade de São Paulo, um dos responsáveis pela descoberta. “Além disso, a folha dessa planta tem a capacidade de se movimentar, envolvendo o inseto em mais cola e matando-o sufocado”. Assustador, não acha? Pelo menos se você for um inseto…

Mas a Drosera magnifica é curiosa também pela história de sua descoberta. Paulo estava vendo fotografias de seus amigos nas redes sociais quando a planta lhe chamou atenção. “Eu estava conferindo as fotos e notícias dos meus amigos quando me deparei com uma foto que mostrava algumas plantas carnívoras do gênero Drosera no seu hábitat natural”, contou à CHC. “Elas eram muito maiores que as espécies que eu conhecia, além de terem folhas e flores diferentes”.

Como outras espécies de orvalhinhas, <i>Drosera magnifica</i> tem as folhas longas e finas cobertas por pelos vermelhos que liberam uma substância translúcida e pegajosa em forma de gotículas. Quando vistas contra a luz, essas gotículas reluzem e lembram o orvalho. (foto: Paulo Gonella)

Como outras espécies de orvalhinhas, Drosera magnifica tem as folhas longas e finas cobertas por pelos vermelhos que liberam uma substância translúcida e pegajosa em forma de gotículas. Quando vistas contra a luz, essas gotículas reluzem e lembram o orvalho. (foto: Paulo Gonella)

Com a pulga atrás da orelha que todo cientista deve ter, Paulo decidiu investigar a planta. Entrou em contato com o autor da foto, para saber quando e onde o vegetal havia sido observado, e foi até a montanha onde a planta foi fotografada, próximo a Governador Valadares, Minas Gerais.

<i>Drosera magnifica</i> possui um longo caule, que pode passar de 1,2 metro de comprimento. Também é notável seu ramo de flores, chamado pelos cientistas de inflorescência, que tem a forma de candelabro e possui numerosas flores que se abrem uma a uma e duram apenas um dia cada. (foto: Paulo Gonella)

Drosera magnifica possui um longo caule, que pode passar de 1,2 metro de comprimento. Também é notável seu ramo de flores, chamado pelos cientistas de inflorescência, que tem a forma de candelabro e possui numerosas flores que se abrem uma a uma e duram apenas um dia cada. (foto: Paulo Gonella)

Chegando lá, coletou algumas folhas para analisá-las com calma no laboratório. Ao compará-la com outras espécies de Drosera já descritas pelos cientistas – são mais de 250 em todo o mundo, e 30 só no Brasil –, confirmou a suspeita: estava diante de uma espécie até então desconhecida.

A planta recém-descoberta já está ameaçada de sumir do mapa. Ela foi observada em apenas uma montanha mineira, que já está bastante desmatada, e a área ao redor já está repleta de fazendas de criação de gado e plantações de café e eucalipto. (foto: Paulo Gonella)

A planta recém-descoberta já está ameaçada de sumir do mapa. Ela foi observada em apenas uma montanha mineira, que já está bastante desmatada, e a área ao redor já está repleta de fazendas de criação de gado e plantações de café e eucalipto. (foto: Paulo Gonella)

A história de Paulo e a planta carnívora mostra que descoberta científica não tem hora nem lugar. Pode até ser verdade que a maior parte do trabalho é realizada nos laboratórios, mas um bom pesquisador está sempre atento ao tema por que é apaixonado, até quando está apenas mantendo contato com os amigos na internet. “Plantas carnívoras sempre me fascinaram desde pequeno e, quando entrei na faculdade de biologia, comecei a estudá-las em detalhe”, diz Paulo. Descobrir uma espécie como esta deve ser uma recompensa e tanto!

Matéria publicada em 02.09.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Catarina Chagas

Desde criança gosto de ler, inventar histórias e descobrir novidades. Cresci e encontrei um trabalho em que posso fazer tudo isso.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?