COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/gigante-carnivora/

Gigante carnívora

Conheça a maior planta carnívora das Américas, descoberta em Minas Gerais

Notícias - 02-09-2015 Plantas Imprimir Pdf

O reino vegetal tem suas delicadezas – como minúsculas flores de orquídea que medem poucos milímetros. Mas também tem plantas enormes, exuberantes, que chamam atenção por seu tamanho e suas cores. É curioso, mas uma dessas plantas passou despercebida pelos cientistas até bem pouco tempo: a maior planta carnívora das Américas foi descoberta apenas recentemente em Minas Gerais.

As folhas reluzentes da (i)Drosera magnifica(/i) chamam atenção dos insetos que, aproximando-se delas, acabam presos, sendo digeridos em seguida. Para o vegetal, a dieta carnívora é uma boa fonte de nitrogênio e fósforo, escassos nos solos onde vive. (foto: Paulo Gonella)

As folhas reluzentes da (i)Drosera magnifica(/i) chamam atenção dos insetos que, aproximando-se delas, acabam presos, sendo digeridos em seguida. Para o vegetal, a dieta carnívora é uma boa fonte de nitrogênio e fósforo, escassos nos solos onde vive. (foto: Paulo Gonella)

A Drosera magnifica, como foi chamada, faz parte do grupo de plantas conhecidas como orvalhinhas e tem mais de 1,5 metro de comprimento. Suas folhas, longas e finas, podem chegar a 24 centímetros de comprimento e são muito pegajosas – uma armadilha para capturar os pequenos insetos voadores dos quais se alimenta.

“Os insetos são atraídos e ficam presos nos tentáculos grudentos presentes nas folhas. Na tentativa de escapar, eles acabam tocando em mais tentáculos e ficando cada vez mais presos”, explica o botânico Paulo Gonella, da Universidade de São Paulo, um dos responsáveis pela descoberta. “Além disso, a folha dessa planta tem a capacidade de se movimentar, envolvendo o inseto em mais cola e matando-o sufocado”. Assustador, não acha? Pelo menos se você for um inseto…

Mas a Drosera magnifica é curiosa também pela história de sua descoberta. Paulo estava vendo fotografias de seus amigos nas redes sociais quando a planta lhe chamou atenção. “Eu estava conferindo as fotos e notícias dos meus amigos quando me deparei com uma foto que mostrava algumas plantas carnívoras do gênero Drosera no seu hábitat natural”, contou à CHC. “Elas eram muito maiores que as espécies que eu conhecia, além de terem folhas e flores diferentes”.

Como outras espécies de orvalhinhas, (i)Drosera magnifica(/i) tem as folhas longas e finas cobertas por pelos vermelhos que liberam uma substância translúcida e pegajosa em forma de gotículas. Quando vistas contra a luz, essas gotículas reluzem e lembram o orvalho. (foto: Paulo Gonella)

Como outras espécies de orvalhinhas, (i)Drosera magnifica(/i) tem as folhas longas e finas cobertas por pelos vermelhos que liberam uma substância translúcida e pegajosa em forma de gotículas. Quando vistas contra a luz, essas gotículas reluzem e lembram o orvalho. (foto: Paulo Gonella)

Com a pulga atrás da orelha que todo cientista deve ter, Paulo decidiu investigar a planta. Entrou em contato com o autor da foto, para saber quando e onde o vegetal havia sido observado, e foi até a montanha onde a planta foi fotografada, próximo a Governador Valadares, Minas Gerais.

(i)Drosera magnifica(/i) possui um longo caule, que pode passar de 1,2 metro de comprimento. Também é notável seu ramo de flores, chamado pelos cientistas de inflorescência, que tem a forma de candelabro e possui numerosas flores que se abrem uma a uma e duram apenas um dia cada. (foto: Paulo Gonella)

(i)Drosera magnifica(/i) possui um longo caule, que pode passar de 1,2 metro de comprimento. Também é notável seu ramo de flores, chamado pelos cientistas de inflorescência, que tem a forma de candelabro e possui numerosas flores que se abrem uma a uma e duram apenas um dia cada. (foto: Paulo Gonella)

Chegando lá, coletou algumas folhas para analisá-las com calma no laboratório. Ao compará-la com outras espécies de Drosera já descritas pelos cientistas – são mais de 250 em todo o mundo, e 30 só no Brasil –, confirmou a suspeita: estava diante de uma espécie até então desconhecida.

A planta recém-descoberta já está ameaçada de sumir do mapa. Ela foi observada em apenas uma montanha mineira, que já está bastante desmatada, e a área ao redor já está repleta de fazendas de criação de gado e plantações de café e eucalipto. (foto: Paulo Gonella)

A planta recém-descoberta já está ameaçada de sumir do mapa. Ela foi observada em apenas uma montanha mineira, que já está bastante desmatada, e a área ao redor já está repleta de fazendas de criação de gado e plantações de café e eucalipto. (foto: Paulo Gonella)

A história de Paulo e a planta carnívora mostra que descoberta científica não tem hora nem lugar. Pode até ser verdade que a maior parte do trabalho é realizada nos laboratórios, mas um bom pesquisador está sempre atento ao tema por que é apaixonado, até quando está apenas mantendo contato com os amigos na internet. “Plantas carnívoras sempre me fascinaram desde pequeno e, quando entrei na faculdade de biologia, comecei a estudá-las em detalhe”, diz Paulo. Descobrir uma espécie como esta deve ser uma recompensa e tanto!

Catarina Chagas, editora da CHC online
Desde criança gosto de ler, inventar histórias e descobrir novidades. Cresci e encontrei um trabalho em que posso fazer tudo isso.

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. Yago Prata Lima disse:

    essa descorbeta foi incrível amei

  2. Anajulia disse:

    nossa e uma descoberta e tanto adoro ver as pesquisas sobre folhas e flores diferentes eu cultivava essa planta e nao sabia bom mas entao ela morreu bom adoro a CHC pois e bom ver coisas que nunca viu antes um beijo para: Rex,Dina e os outros thial

  3. andre disse:

    essa descoberta foi muito boa.eu adorei.


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Beleza em miniatura

    A menor flor de orquídea do mundo foi encontrada em Santa Catarina e descrita pela primeira vez

    A orquídea recém-descoberta precisa ser observada com a ajuda de um microscópio. (foto: Carlos Eduardo de Siqueira)
  • Fruta, verdura ou legume?

    Entenda como os cientistas classificam as diferentes partes das plantas que colocamos no prato

    Apesar de serem popularmente chamados de legumes, os tomates são cientificamente classificados como frutos, pois carregam as sementes da planta de onde brotam. (foto: Marcelo Guerra Santos)
  • Natureza olímpica

    Moedas comemorativas das Olimpíadas de 2016 homenageiam espécies brasileiras

    Moeda comemorativa da Rio 2016 traz a toninha, pequena espécie de golfinho presente em nosso litoral. No verso, o ciclismo praticado na Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro. (foto: Divulgação / Banco Central do Brasil)
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail