Gêmea estelar

Ao ler que cientistas brasileiros haviam descoberto uma estrela gêmea do Sol, fiquei logo curiosa. Afinal, não sabia que nosso astro rei tinha uma irmã! Mas… O que isso significa e por que essa descoberta é importante?

Uma estrela é considerada gêmea de outra quando as duas têm massa e composição química muito parecidas. A procura por estrelas semelhantes ao Sol tem ocupado muitos astrônomos em todo o mundo e sete já foram encontradas. “Elas podem fornecer informações para estudarmos o passado, futuro e presente do Sol”, explica o astrofísico José Dias do Nascimento, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

José foi um dos descobridores da estrela CoRot Sol 1, que tem composição química, massa, rotação e temperatura quase idênticas às do nosso astro rei. Ela é a primeira gêmea encontrada com idade maior do que o Sol – cerca de dois bilhões de anos de diferença.

A estrela CoRot Sol 1 foi descoberta com a ajuda do satélite CoRot (à esquerda). Para estudá-la melhor, os astrônomos usaram o telescópio SUBARU, localizado no Havaí, Estados Unidos (Imagem cedida pelo pesquisador)

A estrela CoRot Sol 1 foi descoberta com a ajuda do satélite CoRot (à esquerda). Para estudá-la melhor, os astrônomos usaram o telescópio SUBARU, localizado no Havaí, Estados Unidos (Imagem: José Dias do Nascimento e colaboradores)

“Podemos considerar que o Sol, com seus 4,6 bilhões de anos, já foi uma criança e agora é um adolescente”, brinca o pesquisador. “Já a CoRoT Sol 1 é uma adolescente um pouco mais velha”. A vantagem é que, assim, a nova estrela pode dar pistas sobre o que vai acontecer com o Sol no futuro.

As primeiras observações já mostraram que, com o passar do tempo, a energia liberada pela CoRoT Sol 1 ficou muito mais intensa. O resultado? Bem, se havia alguma água nos planetas que orbitavam a estrela, ela deve ter evaporado todinha.

Segundo os cientistas, o mesmo deve acontecer com o Sol quando ele atingir a idade de sua gêmea mais velha. Então, é possível que toda a água presente na Terra evapore! Mas não precisa se preocupar: se os cálculos dos astrônomos estiverem corretos, ainda temos dois bilhões de anos antes que isso aconteça. Ufa!

Matéria publicada em 11.07.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Fernanda Turino

Sempre fui muito curiosa, adorava brincadeiras ao ar livre e acampar (fui até escoteira!). Cresci lendo a CHC e hoje trabalho aqui.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat