Espaço de magia, aprendizagem e diversão

Modelo gigante mostra as estruturas de uma célula. De vez em quando, filmes são projetados para os visitantes no núcleo da célula (fotos: Aline Pereira).

Imagine um parque com muitos brinquedos. Provavelmente você vai pensar em um escorrega ou, quem sabe, em uma gangorra. Aposto que nem desconfia o que seja o foguetinho, a célula gigante e as conchas refletoras. Bem, se você nunca ouviu falar nesses brinquedos, está na hora de conhecer o Museu da Vida, no Rio de Janeiro, um lugar onde se aprende ciência brincando!

O Museu da Vida foi criado em 1999 e teve como idealizadores cientistas apaixonados pela idéia de despertar nas crianças o interesse pela ciência. A visita ao Museu é uma viagem divertida por vários conceitos científicos — energia, célula, força, ondas… O passeio começa no centro de recepção. É de lá que parte o Trenzinho da Ciência rumo ao Parque da Ciência, ao Espaço da Biodescoberta, ao Ciência em Cena e ao Castelo Mourisco — sede da Fundação Oswaldo Cruz .
O Parque da Ciência é local destinado à experimentação. É onde você irá conhecer o foguetinho citado no início. Você deve estar se perguntando até agora o que ele tem de especial. Embora seja o brinquedo mais simples do lugar, o foguetinho é o mais disputado pelas crianças: trata-se de uma garrafa de refrigerante de dois litros, contendo um pouco de água, que voa pelo parque, provando que o ar pode ser comprimido, mas só até certo ponto. Clique aqui para saber mais sobre o Parque da Ciência!

Fundação Oswaldo Cruz
A Fundação Oswaldo Cruz existe desde 25 de maio de 1900, onde funcionava o Instituto Soroterápico Federal — local de fabricação de vacinas e soros contra uma epidemia de febre amarela e varíola que matou muita gente no início do século.
Para controlá-las, o médico sanitarista Oswaldo Cruz exigiu que todas as pessoas fossem vacinadas. Mas por medo ou ignorância, as pessoas não queriam tomar vacina. E como o governo da época impunha essa condição para que elas pudessem continuar trabalhando ou estudando, muita gente se revoltou. Mais tarde esses conflitos ficaram conhecidos como a Revolta da Vacina.
Em 1909 a doença foi controlada. Nesse ano não houve mais registros de morte por febre amarela e o Brasil ganhou a medalha de ouro na Exposição Internacional sobre Higiene, realizada na Alemanha. Desde então, o Instituto Soroterápico passou a chamar-se Fundação Oswaldo Cruz.

Já no Espaço da Biodescoberta os visitantes podem ver um painel que mostra como era a Mata Atlântica do Rio de Janeiro há 500 anos e comparar como a floresta ficou após sua ocupação pelo homem. É possível ainda brincar com um jogo da memória com temas científicos e visitar a exposição Veja o Vivo , que é como um mini-zoológico com animais da fauna brasileira. Em um aquário com algumas espécies marinhas do nosso litoral, por exemplo, há um casal de tigres d’água — que na verdade não são tigres e, sim, tartarugas.

À esq., modelo ampliado do canal auditivo mostra como funciona nosso ouvido; à dir., representação da invasão de uma célula ilustra a infecção por vírus.

Em seguida, que tal assistir a um espetáculo? No Ciência em Cena você vai descobrir que para ser um cientista não basta só usar a cabeça, é preciso se entregar de coração. Assista a peças teatrais como O mistério do barbeiro , que conta a vida e as descobertas do pesquisador Carlos Chagas. Exercite ainda seus cinco sentidos no Laboratório da Percepção e Emoção, onde a ordem é tocar objetos e experimentar diferentes sensações. No final você vai descobrir como nossos sentidos podem nos enganar!

O brinquedo acima funciona como um 'telefone sem fio gigante': você pode ouvir o que seu colega disser na outra extremidade, a metros de distância!

Outra opção do Ciência em Cena é participar do Vídeo Clube do Futuro. Nessa oficina, depois de seis encontros, você terá recebido instrução suficiente para produzir seu próprio vídeo. Os temas são os mais diversos e podem tratar de gravidez na adolescência, drogas ou o que mais lhe interessar.

Mas se você acha que vai ficar perdido em meio a tantas coisas interessantes, acalme-se! O Museu da Vida conta com uma equipe de jovens monitores treinados para guiá-lo pelo parque. Eles podem ensinar você a usar os brinquedos e resolver suas dúvidas num divertido bate-papo. A dica é relaxar e experimentar tudo o que o local oferece. Você vai sair do Museu da Vida mais curioso do que entrou!

Museu da Vida – Fundação Oswaldo Cruz
Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro/RJ.
Funciona de terça a sexta de 9h às 16h30, sábados e domingos de 10h às 16h.
A visitação é aberta ao público, mas para agendar uma visita com seu grupo da escola, é só telefonar para (21) 2590-6747.

 

Matéria publicada em 06.11.2001

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Aline Pereira

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat