Energia em pétalas

Dia desses, a Diná chegou à redação mostrando uma flor de papel toda cheia de brilhos. “Olha que linda”, ela disse. Mas o Zíper não se impressionou: foi logo dizendo que a flor artificial mais legal que ele já viu era tão pequena que precisava ser observada com a ajuda de um microscópio…

Diferentemente da flor de papel da nossa mascote mais charmosa, a nanoflor de que o zangão falava foi criada por pesquisadores dos Estados Unidos e da China e não é uma obra de arte, mas sim uma tecnologia criada para melhorar o aproveitamento da energia solar.

Nanoflor

Quando distribuído em formato de flor, o sulfeto de germânio consegue absorver grande quantidade de energia solar (Foto: Linyou Cao)

A nanoflor é formada por diversas camadas muito finas de sulfeto de germânio, um composto capaz de absorver a luz solar em grande quantidade. Cada camada forma uma pétala, e cada pétala tem de 20 a 30 nanômetros de espessura, ou seja, é três mil vezes mais fina que um fio de cabelo!

Para produzir a nanoflor, os pesquisadores aqueceram sulfeto de germânio em pó, que se transformou em vapor. Ao ser resfriado, o vapor formou camadas que se distribuíram em forma de flor. Mas não pense que isso serviu apenas para embelezar a tecnologia. “O formato de flor aumenta a superfície de contato do sulfeto de germânio com o Sol, aumentando a captação de luz solar”, explica o engenheiro Chun Li, da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

Além de ser muito bonita, a nanoflor traz muitas vantagens para o aproveitamento da luz solar. Chun Li explica que o sulfeto de germânio está presente em grande quantidade na natureza e, além de não ser tóxico, é muito mais barato do que os materiais usados para produzir as atuais placas coletoras de luz solar. “Essas características tornam o uso da nanoflor para produção de energia mais viável e seguro”, completa o pesquisador.

Matéria publicada em 17.12.2012

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Adoro flores e gosto muito do cheiro delas!

    Publicado em 7 de janeiro de 2019 Responder

Envie um comentário

Mariana Rocha

Cresci gostando de fazer descobertas para escrever sobre elas. Na CHC consigo ser curiosa e escritora, tudo ao mesmo tempo!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat