Em busca de pirâmides e hieróglifos

Se você ainda não leu a CHC 237, não sabe o que está perdendo! A revista traz um texto legal sobre a história do Egito, país que gera curiosidade em muita gente. Múmias, pirâmides, deuses… São tantos assuntos a pesquisar que existe até uma profissão dedicada ao assunto: a de egiptólogo. Hoje, a CHC traz a história do primeiro estudioso que mergulhou de cabeça na cultura do Egito Antigo. Com vocês, Jean François Champollion!

Champollion

Jean François Champollion odiava o frio e passava horas de seu dia em frente à lareira (Imagem: Wikimedia Commons)

Nascido em 1790 na região de Figeac, na França, Champollion pertencia a uma família pobre. Era filho de um livreiro e uma dona de casa e tinha quatro irmãos. Até os sete anos, foi educado em casa pelo irmão mais velho, Jacques Joseph. Aos 16, já numa escola, apresentou seu primeiro trabalho sobre o Egito – na verdade, sobre uma língua falada por lá, chamada cóptico.

A paixão pelo país das pirâmides continuou ao longo de seus estudos e, quando se tornou professor, Champollion começou a se concentrar no estudo da língua egípcia e da arqueologia. Ele pesquisou bastante em coleções de museus, mas só foi conhecer o Egito mesmo em 1828, numa missão que tinha como objetivo recolher objetos para o Museu do Louvre, na França, e para o Museu de Florença, na Itália.

Um dos assuntos preferidos de Champollion era a Pedra de Roseta, um bloco de pedra com inscrições em três escritas diferentes: grego, hieróglifo e demótico. Ele ficou sabendo dela ainda criança, e desde então se apaixonou pelo tema. Quando adulto, teve a oportunidade de estudar esse grande achado.

“Para decifrar os hieróglifos da Pedra, Champollion estudou hebreu, árabe, síriaco, caldeu e chinês”, conta a egiptóloga Margaret Bakos, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. “Mais tarde, ele aprendeu também cóptico, etíope, sânscrito, zend, pahlevi, persa e até escritas mexicanas”.

Pedra de Roseta

Decifrar a mensagem da Pedra de Roseta foi a maior contribuição de Champollion aos estudos do Egito antigo (Foto: Wikimedia Commons)

As línguas eram seu forte e isso possibilitou a Champollion fazer uma contribuição muito importante: decifrar finalmente a mensagem da Pedra de Roseta, após anos de mistério! “Ele começou esse trabalho em 1818 e, em 1822, enviou uma carta à Academia Real da França comunicando sua descoberta”, explica Margaret. O estudo é considerado por muitos especialistas como o começo da egiptologia.

Champollion morreu em 1832, aos quarenta e dois anos. Depois de sua morte, seu irmão se empenhou para valorizar a importância de suas descobertas, e graças a esses esforços hoje reconhecemos Champollion como o primeiro egiptólogo da história.

Matéria publicada em 14.08.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Catarina Chagas

Desde criança gosto de ler, inventar histórias e descobrir novidades. Cresci e encontrei um trabalho em que posso fazer tudo isso.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?