Do oceano para o museu

Você não precisa mergulhar em alto mar para ver de pertinho um tubarão de verdade. Basta visitar o Museu Oceanográfico da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), localizado em Balneário Piçarras, no litoral de Santa Catarina. A instituição abriga a segunda maior coleção de tubarões, raias e quimeras do mundo, com 12 mil exemplares – haja espaço para guardar todos eles!

Pesquisadores da Univali mostram algumas espécies do acervo (Foto: Divulgação/ Univali)

Pesquisadores da Univali mostram algumas espécies do acervo (Foto: Divulgação/ Univali)

“Esse acervo é o maior testemunho da biodiversidade brasileira no grupo dos peixes cartilaginosos”, orgulha-se o geógrafo Jules Soto, curador geral da instituição. A coleção só perde em quantidade para o Museu Nacional dos Estados Unidos, com sede em Washington.

Há pouco tempo, o acervo do museu catarinense cresceu ainda mais, com espécimes vindos do Núcleo de Pesquisa e Estudos em Chondrichthyes e do Instituto de Pesca de São Paulo. Entre as diferentes espécies da nova coleção, um dos maiores destaques é o tubarão mangona-negra (Odontaspis noronhai). “Dessa espécie, que é raríssima, apenas três exemplares estão expostos em museus de todo o mundo. Agora um deles está no nosso”, destaca Jules.

Exemplar de mangona-negra (<i>Odontaspis noronhai</i>), espécie rara de tubarão. O animal foi capturado no início da década de 1980 no litoral sul do Brasil (Foto: Jules Soto)

Exemplar de mangona-negra (Odontaspis noronhai), espécie rara de tubarão. O animal foi capturado no início da década de 1980 no litoral sul do Brasil (Foto: Jules Soto)

O mangona-negra, que tem barbatanas pretas e focinho pontudo, vive em diferentes regiões do oceano Atlântico. O macho chega a medir até 3,6 metros e a fêmea, 3,3 metros. Apesar do tamanho, o bicho é difícil de ser encontrado, pois gosta de ficar no fundo do mar.

Os peixes mais interessantes do Museu Oceanográfico Univali serão exibidos em breve junto com os animais que já estão à mostra – mas, antes, será preciso limpar e acomodar as peças. A previsão é de que tudo fique pronto no mês de julho.

O tubarão-gato-de-pintas-negras (<i>Scyliorhinus haeckelii</i>) também faz parte da coleção da Univali (Foto: Divulgação/ Univali)

O tubarão-gato-de-pintas-negras (Scyliorhinus haeckelii) também faz parte da coleção da Univali (Foto: Divulgação/ Univali)

Segundo Jules, além de ser um atrativo para o público, a coleção pode ajudar na realização de muitas pesquisas sobre animais marinhos. “A análise das peças pela comunidade científica deverá ampliar o conhecimento sobre tubarões e raias encontrados no Brasil”, aposta. Além desses bichos, o museu da Univali abriga também conchas, tartarugas-marinhas e mamíferos marinhos (baleias, golfinhos, focas, lobos e leões-marinhos).

Ficou curioso?
O museu fica no Campus Piçarras da Univali, à Rua Sambaqui, 318, bairro Santo Antônio, Balneário Piçarras (SC). Grupos e escolas interessados devem agendar visita pelo telefone (47) 3345-2020.

Matéria publicada em 18.06.2013

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Que legal,porque dá para as pessoas saberem que existe várias espécies de tubarões!

    Publicado em 10 de novembro de 2018 Responder

Envie um comentário

Marina-Sequinel

Criei minha primeira história aos seis anos de idade e, desde então, não parei mais de escrever. Hoje, meu trabalho na CHC combina o que eu mais gosto de fazer: escrever e descobrir coisas diferentes.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat