Desaparecidos

Existe uma infinidade de espécies de bichos em nosso planeta, mas, infelizmente, muitas delas estão ameaçadas de extinção. Apesar dos esforços para preservá-los, alguns animais que existiam na época em que você nasceu foram extintos e já não estão mais por aí.

A brasileiríssima ararinha-azul não existe mais na natureza, apenas em cativeiro. (foto: Robert01 / Wikimedia Commons/ <a href=http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/br/>CC-BY-SA-2.0-DE</a>)

A brasileiríssima ararinha-azul não existe mais na natureza, apenas em cativeiro. (foto: Robert01 / Wikimedia Commons/ CC-BY-SA-2.0-DE)

Oficialmente, nenhuma espécie brasileira foi considerada extinta na última década. Porém, o biólogo Ugo Vercillo, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, lembra de casos como o da ave limpa-folha-do-nordeste, que não é vista desde 2011 e pode entrar em breve na lista de espécies extintas.

“Outros bichos desapareceram pouco antes desse período, como o pássaro caburé-de-pernambuco, sumido desde 2002”, lamenta. “Além disso, o número de animais ameaçados no país ainda é grande.” Há também casos como o da ararinha-azul, ave brasileira que hoje só existe em cativeiro.

Ugo disse à CHC que é possível que mais espécies desapareçam antes de nossos leitores completarem vinte anos, devido a uma ameaça muito difícil de ser combatida: a introdução de espécies invasoras  em diferentes locais. “Elas acabam competindo por alimento ou predando espécies nativas”, explica.

Fora do Brasil, diversos animais foram declarados extintos nos últimos anos, como o sapo-dourado, o passarinho po’ouli (do Havaí), o golfinho-lacustre-chinês (que vivia no rio Yang-Tsé) e o rinoceronte-negro-ocidental (da África Ocidental). E pode haver mais, já que outras espécies há tempos não são avistadas.

O biólogo Clinton Jenkins, da Universidade do Leste do Estado do Tennessee, nos Estados Unidos, explica que nem sempre é fácil perceber uma extinção. “É difícil notar quando uma espécie desaparece, ela apenas deixa de ser observada na natureza”, afirma. “A maioria delas desapareceu devido à ação humana, pela caça, poluição e destruição de seus habitats.”

De volta à vida?

Segundo o botânico David Roberts, da Universidade de Kent, na Inglaterra, os cientistas têm buscado alternativas para salvar os animais da extinção. Ele relembra o caso do ibéx-dos-pirenéus, animal da mesma família das cabras, cujo último representante morreu em 2000.

“Os cientistas recorreram à clonagem para tentar salvar a espécie: antes da morte do animal, coletaram amostras de seu DNA e depois as implantaram em óvulos de uma cabra comum, que deu à luz um filhote da espécie extinta, um clone”, conta. “Infelizmente, ele morreu minutos depois do nascimento devido a problemas nos pulmões.”

O biólogo Craig Hilton-Taylor, da União Internacional para Conservação da Natureza, acha possível que, no futuro, a técnica permita clonar todo tipo de animal. “Mas nossa prioridade são as espécies em risco, como ursos polares, gorilas da montanha, baleias brancas e lobos guarás, para aumentar suas populações e ajudar na preservação”, diz.

[jj-ngg-jquery-slider gallery=”62″ html_id=”about-slider” width=”600″ height=”450″
center=”1″ effect=”fade” pausetime=”7000″ order=”sortorder” animspeed=”400″]

Matéria publicada em 30.07.2014

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Poxa, que triste!Tomara que vocês consigam fazer com que menos animais sejam extintos!!

    Publicado em 18 de agosto de 2018 Responder

Envie um comentário

Isabelle Carvalho

Desde criança, sempre gostei de ler e escrever histórias. Hoje, estou muito feliz por poder contar muitas histórias sobre ciência na CHC!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat