Consciência Negra: o que é isso afinal?

Retrato de Zumbi pintado por Manuel Victor.

Domingo passado, 20 de novembro, foi o Dia Nacional da Consciência Negra. Em algumas cidades do Brasil, para lembrar bem a data, foi feriado e muitos eventos foram programados. Mas o que aconteceu nesse dia para torná-lo tão importante? Para entender, temos que contar uma história que começa no Brasil, no final do século 17.

É a história de um menino, Zumbi. Ele era negro, filho de escravos, mas nasceu livre, lá no Quilombo dos Palmares, na Serra da Barriga, em Alagoas. Quilombos eram lugares dentro da mata para onde os escravos fugiam, para se refugiar do cativeiro e dos maus tratos das senzalas. Existiam muitos no Brasil e lá os escravos viviam livres, em comunidades onde faziam valer suas próprias regras. Porém, o refúgio era sempre atacado, pois os donos dos cativos os queriam de volta para trabalharem em suas terras. Foi num desses ataques que Zumbi foi capturado e levado para ser criado por um padre na cidade.

Quando cresceu, fugiu e retornou a Palmares para cumprir sua missão: lutar pela liberdade! Essa é a história que consta em arquivos portugueses. Hoje, Zumbi é conhecido na história como líder de Palmares, um guerreiro que esteve à frente de vários combates contra escravidão e pela liberdade. Numa dessas batalhas ele foi morto, em 20 de novembro de 1695.

Epa! Essa data te lembra alguma coisa? Pois é, ela foi escolhida em 1971, pelo poeta Oliveira Silveira e por um grupo de estudiosos composto por pessoas negras, que se reuniam em Porto Alegre, o Grupo Palmares. “Essa idéia se espalhou por outros movimentos sociais de luta contra a discriminação racial e, no final dos anos 1970, já aparecia como proposta nacional para o dia da Consciência Negra. Esta história não pode ser esquecida”, conta Flávio dos Santos Gomes, escritor e professor do Departamento de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Você agora pode estar se perguntando: mas e o 13 de maio de 1888? Não é essa a data em que foi decretado o fim da escravidão no Brasil? Para muitos, apesar de ser importante para nossa História, essa data não mudou a realidade dos negros. Os escravos libertos e seus descendentes não eram tratados igualmente depois da abolição da escravatura e, até hoje, a luta pela igualdade racial continua. Por isso, uma nova data, mais representativa, foi escolhida. “O nome já diz: ‘consciência e protesto’ para a situação de exclusão sócio-econômica da população negra no Brasil passados 117 anos do fim jurídico do sistema escravista”, afirma o professor Flávio dos Santos Gomes.

Por isso, dia 20 de novembro é um dia de liberdade para os corações de todos os brasileiros. Dia de refletir e conversar sobre a igualdade de direitos entre as pessoas, homens ou mulheres, negros ou brancos. Que tal refletir um pouco sobre isso?

Matéria publicada em 23.11.2005

COMENTÁRIOS

  • Julia Chiarelli Loula

    Oi usei este resumo para FAZER UM TRABALHO ESCOLAR acredita ???

    Publicado em 4 de agosto de 2020 Responder

  • Julia Chiarelli Loula

    USEI ESTE RESUMO PARA FAZER UM TRABALHO

    Publicado em 4 de agosto de 2020 Responder

  • José kelvi

    Eu amo descrobir coisas novas🤩

    Publicado em 17 de novembro de 2020 Responder

  • José kelvi

    Eu amo descrobir coisas novas🤩 todos os dia eu descobri uma coisa nova🤩🤩🤩🤩🤩

    Publicado em 17 de novembro de 2020 Responder

    • Djhaaa

      🤣😂🤣😂

      Publicado em 23 de novembro de 2020 Responder

  • Bernardo

    Eu gostei de saber esta história da cosiensia negra

    Publicado em 18 de novembro de 2020 Responder

  • Isadora

    Amei saber sobre o dia da Consciência Negra, e é ótimo aprender a cada dia que se passa, é incrível.

    Publicado em 19 de novembro de 2020 Responder

  • Djhaaa

    To nem ai 🙄😒

    Publicado em 23 de novembro de 2020 Responder

  • Daniel

    Eu achei muito daora saber dos negros.

    Publicado em 23 de novembro de 2020 Responder

  • Daniel

    Eu achei interessante a vida dos negros. 🤔

    Publicado em 23 de novembro de 2020 Responder

Envie um comentário

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat