Um pulo para a ciência

Bungee-jump

No bungee-jump, a pessoa vai caindo, caindo, e, à medida que a corda vai esticando, vai freando a queda – boooooiiiing –, até a pessoa chegar lá embaixo, quando então a corda a puxa de volta para cima. A pessoa fica indo e vindo, cada vez menos, até parar, depois de algum tempo (Foto: Wikimedia Commons)

Tenho um irmão que adora viajar e está sempre metido em alguma aventura. Ele já mergulhou com um tubarão-branco na Austrália, passeou no cangote de elefantes na África do Sul e escalou um vulcão no Equador. Porém, diz que uma das coisas mais malucas que já fez foi saltar de uma ponte de uns 40 metros de altura (mais ou menos a altura de um prédio de 13 andares) na Nova Zelândia.

Não, não se preocupe, ele não se espatifou no chão! Meu irmão pulou do alto da ponte com toda a segurança do mundo, com a ajuda de uma equipe profissional. Trata-se de uma atividade conhecida como bungee-jump (pronuncia-se “bândji-djâmp”): pular de um ponto bem alto, em geral de uma ponte, com os pés amarrados a uma corda forte e bastante elástica, que deixa a pessoa balançando, mas impede que ela caia.

Para preparar o bungee-jump com segurança, no entanto, deve-se ter atenção aos detalhes. Para começar, é claro, é preciso saber o comprimento da corda e a distância exata entre a ponte e o rio lá embaixo. Além disso, é importante saber duas outras coisas que vão dizer o quanto a corda vai esticar.

A primeira delas é o peso de quem vai pular: quanto mais pesada a pessoa, mais força vai ser feita na corda e, por isso, mais ela vai esticar. A outra coisa é uma característica fundamental da corda chamada de elasticidade – algumas cordas são mais elásticas, isto é, têm mais elasticidade, outras menos.

Duas molas

Pegue uma mola (ou um elástico) em suas mãos e faça força para esticá-la. Você percebe que, quanto maior a força que você faz, mais a mola estica? Uma mola diferente talvez seja mais fácil de esticar – você precisará fazer menos força para esticá-la tanto quanto a primeira mola. Assim, podemos concluir que a segunda mola é mais elástica do que a primeira (Foto: Wikimedia Commons)

 

balança de mola

Para pesar um objeto numa balança de mola, o primeiro passo é pendurá-lo num gancho que está preso a uma mola cuja constante elástica conhecemos. O peso é dado pelo quanto a mola estica (Foto: Wikimedia Commons)

Essa característica das cordas, elásticos e molas faz com que a gente possa usá-los para medir forças. A gente primeiro faz uma força conhecida numa mola, por exemplo, prendendo nela algumas coisas cujos pesos a gente já saiba (e se não souber, é só medir com uma balança, né?). Depois, basta medir o quanto a mola esticou para cada peso. Com isso, é possível determinar um número que vai dizer pra gente o quanto aquela mola esticará para cada quilograma que a gente pendurar nela.

Esse número é o que os físicos chamam de constante elástica da mola e vai ser diferente para cada mola. Uma vez conhecida a constante elástica de uma mola específica, pode-se então fazer o caminho inverso e medir o quanto a mola estica para descobrir o peso daquilo que se pendurou nela. É esse o princípio da balança de mola.

Foi graças à descoberta desse tipo de relação entre a força feita sobre uma mola e o quanto ela estica que as forças puderam ser medidas em números e uma área importantíssima da física que estuda as causas dos movimentos (a dinâmica) pôde se desenvolver a partir do século 17.

Hoje, esse conhecimento é tão preciso que, antes de travar a posição da corda, o rapaz do bungee-jump perguntou para o meu irmão se ele queria molhar a cabeça no rio lá embaixo ou não. É claro que meu irmão disse que sim, e o rapaz então deu mais alguns centímetros de corda antes de meu irmão se atirar lá de cima, gritando: “Gerônimooooooo!!!!”

Matéria publicada em 23.05.2012

COMENTÁRIOS

  • ISABELLA

    Olá revista CHC! Me chamo Isabella e tenho 11 anos de idade, estudo na escola E E Marechal Floriano.
    Eu achei intereçante o fato do atleta pular mais de 40 metros de altura. O esporte parece ser bem perigoso mas achei legal ele ficar de cabeça para baixo balançando deve ser uma sensação divertida e ao mesmo tempo estranha.
    Gostei muito do assunto e queria que publicassem mais assuntos como este beijo e ate breve!

    Isabella Aparecida Barros de Oliveira
    11 anos
    São Paulo (SP)

    Publicado em 2 de dezembro de 2020 Responder

  • mateus saldanha

    muito bom seu site gostei muito do seu conteúdo.Vou passar mais vezes para ver as atualizações.abraço para vcs.

    Publicado em 31 de maio de 2021 Responder

Envie um comentário

Beto Pimentel

O autor da coluna A aventura da física é apaixonado por essa ciência desde garoto. Hoje, curte também dar aulas e fazer atividades criativas em contato com a natureza e com as outras pessoas.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat