Tesouros escondidos

A aposta estava feita. Quem chegasse primeiro nas margens do rio teria o direito de comer três pães com mortadela. E assim foi feito: “Um, dois, três e… Três e meio… E jáááááááááá”, gritou Maneco.

Pedalei muito, mas muito mesmo. Porém, com minha bicicleta de roda pequena, mixuruca e meio enferrujada, não tive a menor chance. Cheguei por último, e Maneco já tinha até comido todos os pães.

Que saudades daquele rio de águas claras e frias, em que flutuávamos na deriva de um tempo que não existe mais (Foto: Antonio Lordelo / Flickr / <a href=http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/deed.pt>CC BY-NC-ND 2.0</a>)

Que saudades daquele rio de águas claras e frias, em que flutuávamos na deriva de um tempo que não existe mais (Foto: Antonio Lordelo / Flickr / CC BY-NC-ND 2.0)

Perdi a aposta, mas não a possibilidade de me esbaldar nas águas frias, transparentes e cheias de pedras arredondadas que atapetavam o fundo do canal do rio. Em suas margens, a areia fina e branca formava um remanso, onde o descanso era garantido.

Porém, nas épocas de chuva, jamais nos aproximávamos sequer de sua beirada. Violento, com as enxurradas transformava-se em um devorador de tudo o que existisse em seu caminho. Pedras, árvores, animais e até mesmo casas eram destruídas e transportadas com grande facilidade. Depois, o rio novamente se acalmava, e os detritos arrastados se acumulavam em seu leito, testemunhando seus momentos de ira.

Observando o presente percebemos que, no momento das cheias, os rios se transformam em devoradores vorazes de tudo o que se encontra em seu caminho (Foto: Luiz Gustavo Leme / Flickr / <a href=http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.pt>CC BY 2.0</a>)

Observando o presente percebemos que, no momento das cheias, os rios se transformam em devoradores vorazes de tudo o que se encontra em seu caminho (Foto: Luiz Gustavo Leme / Flickr / CC BY 2.0)

Essa situação lembra a forma como são encontrados alguns tipos de fósseis, em especial os de grandes vertebrados, como os dinossauros, que quase sempre descobrimos desarticulados e fragmentados. Um osso aqui, outro ali, e somente os capazes de resistir ao transporte realizado por rios caudalosos e violentos conseguem se preservar por milhões e milhões de anos. Terminam, então, soterrados pelos detritos carregados pelos rios.

Para realizar uma escavação, devemos primeiro entender o que as rochas têm para nos dizer. Estas da foto nos indicam que estamos em um antigo canal fluvial (Foto: Ismar de Souza Carvalho)

Para realizar uma escavação, devemos primeiro entender o que as rochas têm para nos dizer. Estas da foto nos indicam que estamos em um antigo canal fluvial (Foto: Ismar de Souza Carvalho)

Na busca de fósseis, os paleontólogos consideram sempre que o presente é a chave para o passado. Se, no tempo atual, os canais dos rios transportam e acumulam muitos detritos, devemos procurar pelos fósseis em rochas que tenham sido originadas em um antigo canal fluvial. É lá que haverá mais chances de encontramos algum registro do passado da vida.

Os fósseis sempre têm uma relação com o tipo de rocha na qual são encontrados. Quando entendemos o que as rochas têm para nos dizer, aumentam as chances de descobrir algo novo. O único problema é quando não as entendemos. Aí não tem jeito – certamente não seremos bem-sucedidos em nossas descobertas.

Sucesso garantido! Veja esta escavação paleontológica: as rochas tiveram origem no leito de antigos rios temporários e caudalosos, em que se acumularam os ossos de grandes dinossauros (Foto: Luiz Carlos Borges Ribeiro)

Sucesso garantido! Veja esta escavação paleontológica: as rochas tiveram origem no leito de antigos rios temporários e caudalosos, em que se acumularam os ossos de grandes dinossauros (Foto: Luiz Carlos Borges Ribeiro)

Achar um fóssil é descobrir um tesouro, como os escondidos na água daquele rio onde eu e Maneco brincávamos e comíamos pão com mortadela. Tesouros que se foram, mas que me deixaram uma vida de felicidades.

Matéria publicada em 10.01.2014

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Ismar de Souza Carvalho de Souza Carvalho

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat