Pequenos notáveis

Corais das mais diferentes formas, peixes grandes coloridos e tubarões cinzentos: essa é a imagem que a maioria das pessoas tem dos recifes de corais. De fato, esses ecossistemas abrigam diversas formas de vida marinha. Porém, muitas das espécies que vivem nos recifes de corais são pouco notadas até mesmo por mergulhadores experientes e atentos. Esse é o caso dos peixes criptobênticos!

Belezas ocultas: os pequeninos góbio-esmeralda (<i>Paragobiodon xanthosoma</i>) e góbio-de-fogo (<i>Nemateleotris magnifica</i>) são alguns dos belos peixes criptobênticos de recifes de coral dos oceanos Índico e Pacífico. (fotos: João Paulo Krajewski)

Belezas ocultas: os pequeninos góbio-esmeralda (Paragobiodon xanthosoma) e góbio-de-fogo (Nemateleotris magnifica) são alguns dos belos peixes criptobênticos de recifes de coral dos oceanos Índico e Pacífico. (fotos: João Paulo Krajewski)

Pois é, o nome é longo e esquisito, mas a origem da palavra diz muito sobre essas espécies. “Cripto” significa oculto ou escondido e “bentônico” se refere a espécies que vivem junto ao fundo dos mares ou de rios. Portanto, peixes criptobênticos são espécies de peixes pouco visíveis que vivem bem próximo ao fundo do mar.

Encontrar os pequenos maria-da-toca (<i>Coryphopterus glaucofraenum</i>) e peixe-boca (<i>Opistognathus aurifrons</i>) no fundo de areia é um verdadeiro desafio! Além de serem peixes pequenos, a camuflagem desses animais torna ainda mais difícil avistá-los em seu ambiente natural. (fotos: João Paulo Krajewski)

Encontrar os pequenos maria-da-toca (Coryphopterus glaucofraenum) e peixe-boca (Opistognathus aurifrons) no fundo de areia é um verdadeiro desafio! Além de serem peixes pequenos, a camuflagem desses animais torna ainda mais difícil avistá-los em seu ambiente natural. (fotos: João Paulo Krajewski)

Esses peixes são praticamente invisíveis aos nossos olhos por serem bastante pequenos, com poucos centímetros de comprimento. Por isso, encontrar um deles em um recife de coral é praticamente achar uma agulha em um palheiro! Com um tamanho tão pequeno e vivendo em um ambiente repleto de predadores, a maioria dos peixes criptobênticos vive em esconderijos: em pequenas cavidades dos recifes, dentro de esponjas, entre os ramos de lírios e ouriços-do-mar, corais, anêmonas… Opções de esconderijo não faltam quando se é tão pequeno!

O peixe-do-crinoide (<i>Discotrema crinophilum</i>) vive escondido entre os ramos de lírios-do-mar. (foto: João Paulo Krajewski)

O peixe-do-crinoide (Discotrema crinophilum) vive escondido entre os ramos de lírios-do-mar. (foto: João Paulo Krajewski)

Como se não bastasse o pequeno tamanho e o hábito de viverem escondidos, muitos peixes criptobênticos ainda não são notados por possuírem uma coloração que os confunde com o meio ambiente em que vivem: a chamada coloração de camuflagem. Assim, alguns peixes se parecem com pedaços de esponjas, outros com ramos de colônias de corais, ou até com pedaços de folhas e algas.

Uma folha seca? Nada disso! Apesar de sua aparência, o cachimbo-fantasma (<i>Solenotomus cyanopterus</i>) é um peixe criptobêntico! (foto: João Paulo Krajewski)

Uma folha seca? Nada disso! Apesar de sua aparência, o cachimbo-fantasma (Solenotomus cyanopterus) é um peixe criptobêntico! (foto: João Paulo Krajewski)

Apesar de pouco notados, os peixes criptobênticos são, de longe, o grupo de vertebrados mais abundante e diverso dos recifes de coral. Por esse motivo, os pequeninos são um alimento importante para muitos animais. Além disso, eles têm uma vida muito curta, ou seja, nascem, crescem, se reproduzem e morrem em poucas semanas, sendo continuamente substituídos por novos indivíduos. Uma verdadeira fábrica de “comida” para os predadores do fundo do mar! Afinal, de grão em grão, ou melhor, de peixinho em peixinho, os peixões enchem o estômago.

Matéria publicada em 03.10.2017

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Roberta Bonaldo

Amo o mar! Meu trabalho é procurar histórias curiosas desse fantástico universo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Descoberta por acaso

Uma nova espécie de peixe da Amazônia