Paraíso de rios cristalinos

Como o próprio nome sugere, a mata atlântica é o bioma típico da costa brasileira, banhada pelo oceano Atlântico. Mas também se estende para o interior do continente em algumas regiões. Infelizmente, este bioma foi – e continua sendo – muito devastado, especialmente nessas áreas interioranas. Uma amostra de sua beleza original está no estado de Mato Grosso do Sul, no Parque Nacional da Serra da Bodoquena, que conserva a maior área contínua de mata atlântica do interior do Brasil.

A Serra da Bodoquena, localizada no estado de Mato Grosso do Sul, abriga a maior área contínua de mata atlântica do interior do Brasil. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

A Serra da Bodoquena, localizada no estado de Mato Grosso do Sul, abriga a maior área contínua de mata atlântica do interior do Brasil. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

Uma característica especial da vegetação da Serra da Bodoquena é que, uma vez por ano – durante o período em que não chove na região –, a maior parte das árvores perde todas as folhas. Depois, na estação chuvosa seguinte, aquilo que parecia uma mata seca recupera a aparência verdinha de uma típica floresta tropical.

Além das matas, as águas são outra grande atração da Serra da Bodoquena. Seus rios e nascentes possuem águas incrivelmente límpidas, de coloração verde ou azulada. A clareza das águas se deve principalmente à presença de rochas especiais ricas em minerais que agem como filtros, depositando todas as impurezas no fundo dos rios.

O calcário presente nas rochas da Serra da Bodoquena é um mineral que age como filtro natural e decanta as impurezas, tornando as águas dos rios da região incrivelmente cristalinas. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

O calcário presente nas rochas da Serra da Bodoquena é um mineral que age como filtro natural e decanta as impurezas, tornando as águas dos rios da região incrivelmente cristalinas. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

Agora, veja você que coisa curiosa. O Rio Perdido, um dos principais da região, serpenteia pela serra e percorre paisagens incríveis, como cânions e cachoeiras, até que, de repente… desaparece! Acredita? É que, no decorrer de milhões de anos, a ação da água nas rochas levou à formação de diversas cavidades subterrâneas, que hoje funcionam como túneis para a passagem dos rios e também como abrigo para muitos animais.

A região da Serra da Bodoquena é rica em cavidades subterrâneas, como a gruta do Lago Azul, localizada nas proximidades do parque. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

A região da Serra da Bodoquena é rica em cavidades subterrâneas, como a gruta do Lago Azul, localizada nas proximidades do parque. (foto: Marcel Favery / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

Mais de 90 espécies de peixes já foram encontradas nos rios da Serra da Bodoquena. Algumas delas habitam exclusivamente a escuridão de suas grutas e cavernas. Além de peixes, esses ambientes abrigam também morcegos e dezenas de espécies de invertebrados como aranhas, grilos, crustáceos, opiliões e escorpiões, entre outros. A Serra da Bodoquena está entre as regiões mais ricas do Brasil em espécies troglóbias, isto é, que vivem em cavernas.

Há inúmeras cachoeiras na região da Serra da Bodoquena. Muitas delas apresentam essas formações que parecem piscinas naturais dispostas em degraus: são as chamadas tufas calcárias, formadas pela deposição de minerais ao longo de milhares de anos. (foto: Leonardo Araújo / Flickr / CC BY-ND 2.0)

Há inúmeras cachoeiras na região da Serra da Bodoquena. Muitas delas apresentam essas formações que parecem piscinas naturais dispostas em degraus: são as chamadas tufas calcárias, formadas pela deposição de minerais ao longo de milhares de anos. (foto: Leonardo Araújo / Flickr / CC BY-ND 2.0)

Fora das cavernas, a diversidade de animais também é impressionante. Entre as mais de 350 espécies de aves, destacam-se aquelas de grande porte e ameaçadas de extinção, como o urubu-rei, a arara-azul-grande, a harpia, a águia-cinzenta e a ema. Grandes mamíferos ameaçados, como a ariranha, a anta, a onça-parda e a onça-pintada, também encontram abrigo na região. Sorte desses animais, que, com sua beleza e raridade, tornam ainda mais especiais as paisagens do Parque Nacional da Serra da Bodoquena!

Matéria publicada em 28.03.2016

COMENTÁRIOS

  • Luna ferraz

    Estava fazendo meu trabalho da escola e tinha um site decidi aceçar e eu ameiii

    Publicado em 23 de maio de 2020 Responder

  • Bernardo

    Muito interessante e super legal, eu amei a matéria!

    Publicado em 9 de junho de 2020 Responder

  • PAULA SAUERESSIG MARIN.

    amei muito legal

    Publicado em 29 de julho de 2020 Responder

  • sophie marie figuera verissimo

    eu estava fazendo tarefa de aula e resolvi pesquizar

    Publicado em 26 de fevereiro de 2021 Responder

  • Bernardo Serra

    Interessante e maravilhoso esta matéria. 11/03/21

    Publicado em 11 de março de 2021 Responder

  • Felipe

    Eu gostei

    Publicado em 17 de março de 2021 Responder

  • gigica

    estava num trabalho da miha escola ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii muito

    Publicado em 28 de abril de 2021 Responder

    • Coxinha louca mo paz

      Amei muito fazer essas descobertas

      Publicado em 4 de maio de 2021 Responder

  • Francisca

    Amei muito é muito legal

    Publicado em 17 de maio de 2021 Responder

Envie um comentário

Vinícius São Pedro

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat